Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe travada

rabiscado pela Gaffe, em 09.06.12

 

Os joelhos são a perdição de uma rapariga esperta!

Nunca nos contentamos com os que temos. São demasiado ossudos, fazendo-nos parecer um aglomerado rochoso capaz de fazer tombar no vácuo qualquer alpinista ou planos e desérticos, transformando-nos em gorduchas e roliças mocinhas dos anos 20.

O corte da saia que colmatará esta maníaca sensação é solução quase tão perigosa como o problema. Se não conseguirmos aguentar a tubular, justa e travada peça, tornamo-nos uma espécie de sopeiras recatadas ou pudicas catequistas de província.

Há, contudo, forma de contornar a tragédia e de nos vermos perfeitas de saia travada e de joelhos tapados.

A solução está naquilo que a acompanha.

A imagem de Audrey Hepburn, neste exacto caso, não pode ser ignorada. Ninguém com Hepburn usou saias travadas com tanta distinção, entregando-lhes o estatuto de peça de eleição das mulheres em que a elegância é uma forma de viver e, consequentemente, inseparável do estar.  

O uso de saias travadas, cobrindo o joelho, é arriscado, mas é, talvez pelo risco, uma das maiores aventuras do gurada-roupa feminino. Usemo-las com parcimónia e saibamos escolher os sapatos que não a aniquilam (os pumps são assassinos) e as peças que as fazem cintilar (camisolas de gola alta e manga curta são perfeitas).

Depois é só passar pela Tiffany's, beberricar um chá e escolher um colar de pérolas discreto.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:


foto do autor








Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD