Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe sossega as gorduchinhas

rabiscado pela Gaffe, em 29.11.12

Afinal a celulite não é um defeito.
Aqueles furinhos todos só querem dizer:
- Sou boa! - em Braille.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe diz o mesmo

rabiscado pela Gaffe, em 28.11.12

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe recortada

rabiscado pela Gaffe, em 22.11.12

Sou um recorte para o Sapo!

Não é a primeira gentileza que me fazem e fico sempre entusiasmada por receber gente que jamais se lembraria de passar por este cantinho ignorado (embora hospitaleiro) se não fosse esta pequena amabilidade.

Já trago vestido o meu Armani Privé - Haute Couture – e, pelo sim, pelo não, escolhi a mais rendada e vaporosa lingerie de que há memória, porque pressinto que o recorte foi da responsabilidade do sempre tão gentil Pedro e é sempre delicioso deixar um rapaz amável suspeitar que temos uns interiores dignos de figurar na primeira página do catálogo de Deus (a capa, sou eu toda nua). Se me enganar, sou diáfana na mesma.

No entanto, sou uma rapariga ingrata (embora esperta).

O Sapo faz, de vez em quando, com que nos sintamos numa festa onde se entra elegantemente enfarpelado e distinto. Torna-nos radiantes e leva-nos a oferecer a mão para que os cavalheiros a beijem (embora, em alguns casos, a mão deva ter garras).

Há, no entanto, nos recortes do sapo, assim como em ocasionais e cavalheiresco movimentos de se beijar a garra, um minúsculo contratempo. Um recorte é como ser afagada por um gentil-homem tímido. Segura-nos a mão com a delicadeza e a graça que se espera, mas aflora-nos apenas as falanges, transformando em breve brisa refrescante o que devia ser uma beijoca repimpada (no mínimo, repenicada).

Uma rapariga em divina lingerie, ou mesmo dando graça a um Armani, já deslumbrante sem a ter lá dentro, espera muito mais do que um sopro nas suas falangetas esguias, ágeis e prometedoras.

Não há como iludir! Esta rapariga tonta tem preso na alça do soutien rendado o desejo de o ver rasgado pelo frenesim alucinado dos cavalheiros que perdem o juízo e, de repente, a destacam, corpo inteiro, com toda a pujança de um feroz batráquio.             

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe envernizada

rabiscado pela Gaffe, em 22.11.12

De acordo com uma das minhas queridas amigas, doutorada em Ciências Farmacêuticas, com estágio na Casa Chanel (sou do melhor que há, na área das amizades), a cosmética sofre de forma brutal em tempos de crise, com um número de vendas reduzido e raquítico, havendo contudo, e curiosamente, determinados produtos cuja procura se torna desenfreada.

Em 1983, e nos anos logo imediatos, embora se tenha tornado avassaladora a quebra de transacções na área, levando mesmo ao desaparecimento de produtos intermédios (os topo de gama continuaram a embelezar as raparigas endinheiradas), verificou-se uma elevadíssima ascensão na procura de batons!

As vendas dispararam. Os pequenos sticks coloridos contornavam a crise enquanto preenchiam os lábios das moçoilas.

Segundo a mesma fonte, em 2011/2012 os estudos revelam uma queda de consumo na área da cosmética ainda mais acentuada do que a antecedente e detecta-se novamente uma acentuadíssima focalização num produto que eleva de forma clara as suas cotas de vendas.  

Dos lábios passa-se às unhas. É o verniz a estrela do momento.

Já não temos um sorriso colorido, talvez porque tenhamos finalmente compreendido que só quem tem as unhas protegidas, consegue tocar as guitarras certas. 

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe imprevista

rabiscado pela Gaffe, em 16.11.12

A paleta de cores queimadas, outonais e quase nostálgicas, supera a primaveril panóplia fortemente colorida de outras paragens mais soalheiras. Recuperam-se aos clássicos, actualizando ou renovando os cortes tradicionais de peças consagradas.

As cargo pants, complementadas com desacato por sapatos inesperados, aproximam-se das skinny (obrigatórias) mantendo os tradicionais e poderosos bolsos e a união de padrões e de texturas em renovados clássicos ocupa um lugar privilegiado.

A regra é transgredir as regras e tornar a rua o desfilar de um Outono de perspectivas múltiplas e irreverentes, capaz de abranger públicos diversos, unindo-os pela afirmação das improbabilidades.

A rua é mesmo assim: um renovar contínuo do imprevisto.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe iritadíssima

rabiscado pela Gaffe, em 15.11.12

A modéstia (assim como a vaidade) é uma doença muito superficial. Basta que se raspe com a unha, para que passe.

 

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe balbucia

rabiscado pela Gaffe, em 14.11.12

A Gaffe é uma rapariga incapaz de se espalhar redonda no lamaçal imenso em que se tornam as polémicas surgidas por declarações tontas de figuras mais ou menos públicas.

É uma gigantesca perda de tempo.

Fica a aguardar a pacificação das vozes, sossegada no seu pequeno e enfezado canto, e, quando tudo parece menos exaltado, acaba timidamente a balbuciar que a querida Jonet soou apenas como o hino do Livro das Revelações lido através do sistema sonoro de uma estação de caminhos-de-ferro, por uma reitora já de certa idade usando ceroulas de chita e que o vídeo de Moita de Deus prova que o autor faz fitas como se tivesse sido um rato numa encarnação passada ou esperasse vir a sê-lo numa futura.

Nada de importante.

Catrogas numa praia de nudistas peludos. 

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe mal representada

rabiscado pela Gaffe, em 12.11.12

A Gaffe não é muito dada a parolices, como está sobejamente provado. Não introduz o nariz onde tudo cheira a provinciano e a pobre, mas, por lapso que lamenta profundamente, viu o vídeo do professor Marcelo e ouviu as declarações da querida Jonet. São dois acontecimentos traumatizantes.

Aceito com enorme paciência a tontice que é repetirem até à exaustão que vivemos durante décadas a engolir caviar comprado a crédito, conscientes de só ter possibilidade de servir caganitas de coelho criado na banheira, mas não é admissível que se entregue à visita em tons pastel a imagem de uma minhota bardajona que rapou o buço minutos antes de desfilar abraçada a um beirão foleiro, magrinho e delambido, a fazer de conta que é alemão.

Não nos podemos fazer representar por gente mal vestida.

 

 Stressed, depressed, but well dressed.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe resoluta

rabiscado pela Gaffe, em 09.11.12

Sejamos resolutas, como Merkel!

Uma mulher indecisa é como uma lésbica que toma a pílula.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe acolchoada

rabiscado pela Gaffe, em 09.11.12

A proposta de Angelo Nardelli para o Inverno que se aproxima é tão satisfatória que apetece percorrer os acolchoados dos nossos rapazes e verificar se, entre os clássicos que se escondem no escurinho das cruzetas, não existe um exemplar fofo onde nos possamos reclinar.

A actualização dos blazers de tecidos nobres e de cortes clássicos, urbanos e vagamente bolsistas, através do uso do matelassé, obedece e alimenta a imagética do conforto e da protecção em tons pastel.

Se adereçados convenientemente, conseguem unir esta aconchegada representação do que pode ser fofinho, ao allure quase romântico dos descontraídos extravagantes dos nosso imaginário mais boémio.

Convém emagrecer antes de ousar.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe previne

rabiscado pela Gaffe, em 08.11.12

A Gaffe descobriu que, ultimamente, as únicas pessoas que a conseguem ver em lingerie são as que pertencem à equipa do sapo, que tem a capacidade de percorrer as entranhas deste blog!*

Esta desolação não está, de todo, relacionada com a sua falta de atractivos, nem com a qualidade da sua colecção de pequenas maravilhas mais íntimas.

O problema é declaradamente dos rapazes que cada vez mais percebem menos daquilo que uma rapariga exige para permitir a visualização de todo a sua beleza interior (que, segundo é apregoado, conta mais).

Cuidado, meus queridos! Caso verifiquem que é há demasiado tempo que não vislumbram o rendilhado, a suavidade, o perfume e a transparência dos universos contidos na lingerie de uma mulher, nunca responsabilizem a portadora por esse facto lamentável. Podem acreditar, meus queridos, que a culpa não está nas nossas cuequinhas vaporosas, mas em vós.

 

* mentirita minha, que sou uma tonta!

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe dupla

rabiscado pela Gaffe, em 08.11.12

Photobucket

Aliada à conjugação de vários padrões, surge, vinda de diferentes áreas do saber vestir, a mistura de peças que, na origem, configuram ou complementam uma imagem bem definida e facilmente decifrável.

As fronteiras entre o que se apelida clássico e o casual são esbatidas, não só por esta miscelânea inteligente e ordenada, mas também pelas cores que se escolhem propositadamente contrastantes e, num primeiro lance, de aliança paradoxal.

A nobreza clássica dos tecidos limpos e o rigor de acessórios tradicionais, acompanha na perfeição o renovado e actualizado acolchoado, próximo do tradicional matelassé, que cumpre aqui o papel de subtil transgressor aliado a pormenores oriundos de outras paragens com sabor nómada e mais irreverente.

A proposta é atraente e convincente. Não há nada mais sensual como ter a oportunidade de enlaçar o melhor de dois mundos.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe anota

rabiscado pela Gaffe, em 08.11.12

A evolução é um cruzamento sem semáforos.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe subscreve

rabiscado pela Gaffe, em 07.11.12

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe nos padrões

rabiscado pela Gaffe, em 07.11.12

É um facto incontornável. A mistura de padrões e de texturas instala-se nas ruas e, desde que não provoque um efeito trompe-l’oeil, é uma aposta absolutamente fascinante, dinâmica e muito apelativa.

Não acreditando que o quotidiano mais banal consiga uma conjugação de excelência, imediatamente reconhecida como certa e inteligente, a Gaffe sugere, para uma aproximação de sucesso, que se escolha a cor base e dominante de um dos padrões seleccionados e se acrescente a panóplia de efeitos que se vão aliando e sobrepondo.

O resultado é divino! Provoca uma sensação de maior descontracção e de acolhimento morno e confortável, características que estão normalmente ausentes nos gelados cinzentos e azuis monocromáticos dos tecnocratas actuais.

Os ensaios múltiplos são essenciais ao bom resultado, não há nada como começar devagar, timidamente, para se atingir um orgasmo absolutamente sobrenatural.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/2



foto do autor




  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD