Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe no fim da festa

rabiscado pela Gaffe, em 22.07.14

Paris raramente aceita alguém de corpo inteiro. Raros são os que fazem parte dela.

Há homens que mordem o chão daqueles que desfilam.

Em Paris as flores trazem café e há néon nas almas, brilhantina e riso e o allure de mulheres que passam sem perceber que passam sobre vidro.

Paris das esplanadas depois de finda a festa. Nas ruas que são rios e savanas, pradarias, tundras, gelo, vulcânicas passagens para outros lados, cheira a luz e a carne de perfumes raros.

Manadas de indefesos animais, restos da humana desventura de viver em grupo em que o deslumbre mata, porque cega.

Rapazes que ficaram pelo caminho na Semana em que Paris quis usar outros. Givenchy 2015 e uma manada que atravessa o rio na lentidão que desconhece a fera.

Incautos e imaturos príncipes grifados.

Grandiosa idiotice. Esplendorosa idiotice. Magnífica idiotice que nos traz à boca, sem o mover de um músculo, sem emboscar a vida, a presa que se quer.

O menino de olhos de gazela e boca a prometer um fruto. Tem um pequeno alfinete preso na braguilha. Brilha a braguilha com o alfinete preso na prega do tecido que lhe molda o sexo. Cintilam os olhos do menino de braguilha alfinetada e borboleteia, até pousar na mesa à nossa frente.

Purpurina na íris, asa de pólen, menino tonto agora preso no final da festa.

Podia ser este. Podia ser aquele ali, aqui, além. Mais este e aquele, o outro e toda a gente, porque toda a noite é uma alvorada e eles sabem perder para os encontrarmos.

Foto - Paris, depois do desfile Givenchy Primavera/Verão 2015

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)


foto do autor




  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD