Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe salgada

rabiscado pela Gaffe, em 10.12.14

RS.jpg

A Gaffe sente-se miraculada!

Foi testemunha da Visitação.

 

Deus desce do trono e faz espargir o Seu esplendor pelos minúsculos.

Deus senta-se com os inocentes e da Sua sapiência faz escorrer o néctar.

Deus olha os cândidos e neles deposita a Sua Palavra.

Deus na Sua imensa glória faz da Sua misericórdia um maná.

Deus perdoa.

 

Ou seja, o Doutor Ricardo responde aos deputados.

 

Não há nada como ter o Espírito Santo na árvore genealógica para intimidar pastorinhos.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe do Cante alentejano

rabiscado pela Gaffe, em 10.12.14

Sem título.JPGA Gaffe não ainda não comentou a entrada do Cante alentejano no limbo do património imaterial da humanidade, porque queria primeiro que os rapagões chegassem a Serpa vindos de Paris. De braços dados, oscilando e dando aqueles passinhos, a caminhada leva o seu tempo.

 

Antes de tudo, a Gaffe refere que já teve uma breve e leve paixoneta por um alentejano que não se apercebeu do facto, tão ocupado que estava com uma quantidade desalmada de azinheiras descascadas que lhe toldavam a vista, e que portanto não é por malvadez ou preconceito que se vai sujeitar a ser linchada.

 

A Gaffe desconfia que a UNESCO estava com imensa pressa quando despachou o assunto. Estamos na época de Natal, há presentes para comprar, Deus sabe como são sinistros os Centros Comerciais na véspera da consoada e ouvir:

 

(solo) Ó AlenteeeEEEeeeejooo a cantaaari

(coro) Que o cante já é reseeeEEEeeerva

(solo) Da UNESCOOOO a afirmaaarAAAaaari

(coro) - Quem nã gostar cooooomaaa  eeeeeerva

(coro)ééérdaaaa.

 

só nos despacha com alguma sorte lá para Fevereiro.

É perfeitamente admissível que a UNESCO não tenha tido tempo para ouvir as resmas de coros polifónicos cravados, por exemplo, nos estilhaços da ex-União Soviética ou que não se tenha apercebido que não existe mais do que uma ou duas cadências rítmicas que embalam as quadras que, demos graças, não são a obra completa de António Aleixo, coisa que faria um cante terminar lá para 3015.

Depois, ter um bando de alentejanos de barba rija e cajado atrás da porta à nossa espera, pesa consideravelmente nas nossas decisões.

A Gaffe pensa que encharcar um rapagão em Valium empurrado pela goela abaixo por um belíssimo tinto maduro alentejano, dá sempre um resultado oscilante e vagaroso, entaramela a voz e arrasta o ritmo, mas fica felicíssima por saber que a UNESCO ficou convencida e com tempo para as comprinhas da época.

 

A Gaffe rejubila, embora suspeite que na sua ceia de Natal vá haver eeervaaa.  

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)





  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD