Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe de Dautremer

rabiscado pela Gaffe, em 19.01.15

Rébecca DautremerÉ impossível seleccionar ilustrações de Rébecca Dautremer sem deixar pelo caminho traços de inacreditável poesia.

O traço quase imaterial com que é contada a história; a suavidade com que são usadas as cores, mesmas as mais dramáticas; a maravilhosa recriação de ambientes e de cenários; a atenção aos detalhes que são tratados como elementos primordiais nos universos criados; a líquida palavra desenhada; a fragilidade diáfana do movimentos das figuras; a interferência de elementos chegados de outras fantasias; o cuidado com as palavras escolhidas e o modo como são manipuladas as formas rumo à harmonia, fazem de Rébecca Dautremer uma das mais encantatória ilustradoras/autoras para a infância da actualidade, envolvendo os adultos que se deixam inevitavelmente deslumbrar pelo encantamento das obras-primas.

Todas as suas construções pertencem à estante da magia.

Ver mais )

 

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe e os troncossexuais

rabiscado pela Gaffe, em 19.01.15

Marco Ovando.jpgDe acordo com a pesquisa efectuada pela Gaffe, existe um grupo de homens que ainda não foi devidamente caracterizado.

Os troncossexuais.

É um nicho abrangente e nele estão representadas todas as camadas sociais.

Para que se possa considerar pertença desta tribo, um homem deverá possuir alguns traços muito básicos que a Gaffe tem todo o prazer em referir.

 

  • Aparece de singlet e de cuecas brancas com abertura frontal em Y invertido (que podem ser bastante atractivas se usadas pelo homem certo) quando tomamos chá com a amiga que nos veio visitar. Justifica a assombração apelando à noção tradicional de família, ou seja, cravando o já és cá de casa, embora lá em casa não seja habitual tomar chá como se estivéssemos nos balneários do Benfica;
  • Ignora o sorriso Charlene de Mónaco, no intervalo do parto dos gémeos, que se estampa no rosto da rapariga e senta-se no sofá munido do comando enquanto vai aumentando o volume do televisor. Acelera o zapping porque acha muito engraçado o idioma que se ouve dessa forma;
  • Coça o peito e afaga os pêlos das axilas enquanto se baba com os reality shows onde membros do seu grupo se digladiam transformados em garnizés musculados e onde as membras lhe fazem comichão. Se arranhar outras manigâncias é porque está a ver um filme com Sylvester Stallone e se quer certificar que também tem coisas para coçar;
  • Discute ao telemóvel com o amigo do peito – coçando-o outra vez – a superioridade de Ronaldo. Se o amigo o contradiz e prefere Messi, deixa de ser necessário o aparelho, porque o volume da voz torna a ligação directa e transforma-a num chat onde podem participar os vizinhos;
  • O único elogia que consegue fazer a uma mulher passa invariavelmente pelo sexo, porque é freudiano e 90% daquilo que pensa é transformado cedo ou tarde em sexo. O restante é sexo que transforma em ideia;
  • Quando desprevenido é de uma ternura inesperada e é capaz das maiores atrocidades, como a de desatar num pranto embaraçoso perante a tragédia do ET ou com o idílio da Lagoa Azul que não chegou a ver na altura devida;
  • É capaz de fazer desabar um rato morto na mesa do jantar com as mais inconvenientes das tiradas:

- Então quem era a boazona que vinha toda encaixada em si, no autocarro?! Com essa idade pensava que o bilhete era só de ida.

- Foi ele que me disse que eras uma cabra! Se anda contigo é por causa das mamas.

- Tens razão. A tua tia é como a Dulce Pontes. Também parece que traz um saco de batatas vestido.

  • Lambe as tampas do iogurte, enrola-as e faz delas colher. Depois da embalagem rapada, transforma-a em cinzeiro. A sua preocupação não é a reciclagem, mas o medo de perder o resumo do episódio anterior da sua série favorita que habitualmente tem mortos-vivos a sugar o cérebro aos telespectadores;
  • Elege Quintino Aires o absoluto da Psicologia. Não considera as suas intervenções um atentado a todas as normas e regras da sua profissão, um acto terrorista consubstanciado numa desavergonhada falta de ética, e não o acha nada mariquinhas pé-de-salsa;
  • É fã do Portugal em Festa e do Canal Parlamento sem perceber que são coisas muito parecidas.

 

Ao contrário das outras categorias que é engraçado encontrar – e nada mais do que isso – em que é exigido que um homem possua a esmagadora maioria dos requisitos que as distinguem para se tornar membro de pleno direito, ao troncossexual só é imposto que cumpra apenas uma das que foram referidas. Daí ser um grupo abrangente e muito povoado, possibilitando ao candidato acumular presença em dois grupos diferentes.    

 

Uma rapariga esperta sabe que estes rapagões não são criaturas para ter aos pés, mas reconhece, marota, que normalmente dão óptimas fogueiras.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:





  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD