Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe mediana

rabiscado pela Gaffe, em 05.03.15

Haderer.jpgÉ de louvar o espírito de sacrifício, a abnegação, o estoicismo, o altruísmo e inabalável amor ao conhecimento dos cientistas que andaram a medir 15.000 pilinhas.

Caso a ciência tivesse sido protagonizada por elementos femininos, os resultados seriam substancialmente diferentes. Toda a gente sabe que é inibidor um macho ver o pirilau avaliado por um cavalheiro de bata branca, de bigode fininho e óculos bifocais. Bastava apenas que a investigadora fosse a espampanante secretária do cientista e, mesmo sem instrumento ou saber adequado a tarefas tão louváveis, os resultados seriam mais direitos, embora susceptíveis de confinar muitos rapagões aos cantos mais escuros dos balneários.    

Saber o tamanho médio do pirilau é de extrema importância. Só esta informação permite com segurança afirmar se um indivíduo vive para além ou aquém das suas possibilidades e se tem um rendimento acima da média, caso em que terá de pagar imposto acrescido e um maior valor nas portagens.

A Gaffe considera que o tamanho da pilinha deveria mesmo ser indicado no Cartão de Cidadão, ao lado do número de contribuinte. O caso ficava arrumado. Bastaria um olhar de soslaio ao documento para que uma rapariga esperta ficasse a saber com o que contava - se contava muito, se bastava até dez ou se seria melhor contar carneiros. É certo que um olhar de soslaio é quase sempre usado para avaliar estas manigâncias, mas sem certificado apenso, as conclusões podem estar erradas, viciado o material em análise com acrescentos que incluem as peúgas recebidas no Natal.

   

Embora não seja um requisito valorizado por nós – cansamo-nos tanto de o afirmar que começamos a ficar seriamente tentadas a repensar esta posição -, temos de confessar que o tamanho do piralau é sempre visualmente impactante. Causa-nos, temos de o admitir, menor impressão termos na frente, todo nu, um lenhador brutal de 1.90m com uma pilita de Cupido barroco, do que Toulouse-Lautrec a quem, apesar de baixinho, chamavam bule por motivos óbvios.    

 

A preocupação masculina com a envergadura dos apêndices é assim de certa forma justificada, mas para nós é digna de grandes proporções apenas quando um homem é só a sua pila.     

 

Ilustração - G. Haderer

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)





  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD