Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe sem-abrigo

rabiscado pela Gaffe, em 18.06.15

Timothy Lamb.jpgA voz giríssima da porta-voz de uma organização de solidariedade social sediada em Faro explica cabalmente a inexistência de apoios aos sem-abrigo.

A Gaffe não pode estar mais de acordo com a razão apontada que explica de modo cristalino o aumento e a persistência de gente a viver na rua e congratula-se por haver finalmente alguém que esfrega na nossa falta de visão aquilo que é óbvio.

 

Não se consegue apoiar os sem-abrigo porque essa gente não tem endereço.

 

Tão à nossa frente e ninguém deu conta!

Como é possível termos ignorado uma evidência destas?!

 

A Gaffe tem de concordar que um pobrezinho que não consegue indicar uma morada para onde se possa enviar apoio, impede que sejamos solidários ou até mesmo compreensivos. Possuir pelo menos uma casiita  - e não se exige que seja a Herdade da Comporta - é condição necessária para que até o Banco de Portugal se torne um amigalhaço.

Depois, não tendo residência, o pobrezinho não tem net. As nossas transferências bancárias não podem ser efectuadas através da Caixa Directa e, valha-nos Deus, não nos peçam também para ir aos balcões de um banco qualquer e esperar na fila. É sempre uma perda de tempo e uma confusão com as cardenetas que estão sempre ensebadas, desmagnetizadas ou que pura e simplesmente não existem.

A ausência ainda mais gravosa de um endereço electrónico não permite que os sem-abrigo comuniquem às organizações de solidariedade social e aos organismos do Estado as suas carências. Não sabemos nunca se lhes falta um edredão, um talher, um balde para gelo, uma cortina ou - o que sabemos nós?! – papel higiénico, tendo em conta que apesar de tudo os pobres também comem.

Que fique claro que os sem-abrigo não nos ajudam muito.

 

Apesar destes contratempos, a organização de solidariedade social sediada em Faro não vai desistir de apoiar os pobrezinhos. Aproveita e publicita a sua iniciativa. Está prevista para breve uma quermesse com o objectivo de reunir fundos para construir um bairro social para os sem-abrigo. Agradece as contribuições da população e refere que qualquer coisa que se tenha esquecido no sótão pode ser doada. São sempre uns euros que revertem para a causa.

 

A Gaffe vai oferecer o seu velho e querido portátil que já não usa, porque não respeita o Acordo Ortográfico e esta rapariga gosta de cumprir a Lei, mas – que lhe perdoem -, vai entregá-lo directamente a um pobrezinho. Não simpatiza com intermediários que ficam com os louros todos.

 

Ilustração - Timothy J. Lamb

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)





  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD