Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe demolidora

rabiscado pela Gaffe, em 20.07.15

shoes.jpg-Não te cheira mal?!

- É do lugar - responde a minha prima ao volante do carro que, por muito descurado que esteja, não transporta a Tina Turner morta e a apodrecer debaixo do meu assento.

Saímos cedo de casa da avó. A minha condutora, depois de luta renhida com o guarda-fatos, fez vencer a batalha da imagem através da escolha da saia de envelope, de seda, claramente Armani, que se ata por fita em laço perigoso porque inseguro e de fácil desfazer. Os sapatos rasos - postos de parte os Himalaias da chegada - condizem com a blusa bem justa comprada sem griffe que se molda e se cola às curvas já por demais vertigem, por demais pecado.

- Deuses! Que tu por vezes fazes parecer que levaste com um pau na testa! É do lugar, do sítio, do degredo, do campo! Aqui cheira mal em todo o lado. Passamos por uma vaca há dois segundos e está ali à frente um burro a olhar para nós. Respira fundo! Este ar só te faz bem.

Procurei nas minhas memórias os paus que me bateram na testa. Nada. O cheiro que sentia não era consequência de passado traumatismo.

Tinhamos parado nas bombas de gasolina, mesmo no centro do degredo. A minha prima tinha-me obrigado a ir pagar ao velho antipático o combustível, já que tinha sido ela a enfiar o tubo e a carregar no manípulo. Lembrei-me do cão, estatelado e miserável como um rato morto, junto do velho mostrengo que  no fim do balcão nem sequer ergueu os olhos quando lhe estendi a mão com o dinheiro. Lembrei-me que, na volta, ocupada em amaldiçoar a cena, tinha sentido na sola do sapato uma escorregadia e viscosa substância que ignorei por completo.

- Acho que calquei merda!*

O carro guinou, travou e grunhiu. Fui expulsa de imediato pelo olhar sanguinário da condutora enojada. Em pleno degredo, a minha prima repugnada observa uma pobre ruiva a roçar a sola do conspurcado sapato na base do muro.

Em frente, do outro lado da estreita ruela, um casal de simpáticos velhos espera pela carreira e atentíssimo espreita os lanços de nojo e da minha angústia.

A megera agarrada ao volante decide verificar em pormenor os danos que vou causando ao muro.

A porta de carro abre-se em glamour. A minha companheira de viagem sai e no instante de alguns passos o desastre acontece. Tinha-se esquecido de forma completa que havia desapertado o laço da saia para que no tecido solto e sem aperto não ficassem rugas.

A saia caiu!

De sapatos rasos e blusa justa a condizer, a minha prima não consegue apanhar os caídos. Em pleno degredo, frente a dois velhotes que pasmam de susto e de nunca visto há duas dementes estrangeiras soltas e perigosas. Uma a destruir os muros com um sapato de merda e outra de cuecas rendadas a desfazer-se em riso.

 

Quem um dia proclamou em Roma, sê romano, não teve em consideração duas esgrouviadas e urbanas donzelas de passagem por degredos campesinos.

 

* Pardon my french

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:


foto do autor








Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD