Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe atrasada

rabiscado pela Gaffe, em 25.08.15

Gaffe.jpg

OMG.jpg

 

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe e Sua Senhoria

rabiscado pela Gaffe, em 25.08.15

Oxf.jpgNão vou fazer aborrecidas considerações linguísticas acerca do Significante e do Significado, mas quando tilinta no meu cérebro a palavra Senhora, de imediato surge a imagem da minha mãe.

Esta colagem instantânea deve-se a inúmeros episódios vividos por ela e com ela, a incontáveis momentos partilhados pela minha mãe e pelo espaço externo ao círculo formado pelos mais amados e o interior desse mesmo reduto onde, mesmo ilusoriamente, quero ocupar o centro.


Lembro-me de um guarda-sol com franjas, de vestidos pastel, leves, de seda, de algumas pérolas e de perfumes calmos de Verão na relva.
A minha mãe beberricava chá com as amigas, por chávenas de século já passado, vagamente barrocas, ligeiramente pálidas. O açucareiro faltava inexplicavelmente e a senhora que as servia, embaraçada, equilibrava o precioso objecto na bandeja de serviço.
Num percalço, num tropeço, num deslize, com um alarido de galinha esgrouviada, a pobre deixou-o cair, estilhaçando ao mesmo tempo o coração da minha mãe que várias vezes lhe havia suplicado que segurasse as bandejas com as duas mãos. Esperou-se a desgraça e o desgosto e o imediato fuzilamento da chorosa prevaricadora.
A minha mãe dedicava ao serviço de chá - exactamente aquele -, um amor chinês e a mudez repentina das amigas antecipava a tempestade. Sem pestanejar, sem sequer mover o mais pequeno músculo, a minha mãe continuou serena:
- Mais Verlaine! Oh! Il est parfois un peu désagréable, le petit garçon! On doit être d'accord.
Nos olhos de azul-claro nem a sombra de uma flor maldosa.


Recordo, também, a festa de anos da minha prima.
Em início da adolescência de esplendor na relva.
Começava eu a ser trucidado pela crueldade alarve dos rapazes convidados, borbulhentos que achincalhavem o meu cabelo ruivo e me condenavam a ficar sozinha por toda a eternidade. Escondidos atrás do tempo de machos infantis e loiros, conseguiam isolar-me e espetar-me na pele os espinhos dos cactos que eram.
Desisti e afastei-me, aproveitando a aproximação da minha mãe que nunca gostou de gargalhadas sujas.
Sorriu e pousou a mão no ombro da ruiva humilhada e secretamente ciente da verdade berrada pela boca dos machões minúsculos.
- Não esqueça que lhes terá de pedir desculpa. Eles não fazem ideia que farão parte do número de homens que vai recusar.

 

Quando tilinta no meu cérebro a palavra Senhora, vejo os olhos de azul-claro da minha mãe.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:


foto do autor








Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD