Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe pelo espaço

rabiscado pela Gaffe, em 29.09.15

Odisseia.gif

Há desilusões que trazem dentro o impulso que nos permite descobrir a água em Marte.

Há outras que nos deixam como símios a partir os restos que sobraram de um cadáver.

 

Zaratustra diria que tudo depende da forma como ouvimos Richard Strauss.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe eleitoral

rabiscado pela Gaffe, em 29.09.15

eleitor.jpg

A Gaffe atribui grande importância à eleição da Miss Universo. É tão simples!

As candidatas são giras, não maçam muito, sabemos que querem em uníssono acabar com a guerra e com a fome no mundo, mas que a duração do mandato permite apenas acabar com a delas e ninguém apanha a surpresa de as ver fazer o contrário do que dizem. Nelas, o inverso do Nada é uma questão filosófica e toda a gente sabe que a filosofia é para aqueles que têm imenso tempo livre.

 

A Gaffe, nas campanhas para as próximas eleições para a Assembleia da República, não espera ver os candidatos em fato de banho e embora tenha tido o choque amarelo dos calções justíssimos de António Costa, considera o acidente um percalço isolado e prefere avaliar outras miudezas.

A verdade é que, nestas ocasiões, uma rapariga esperta fica sem cenários adequados. O amontoado de gentalha mal vestida, as feiras de gado, as ruas apinhadas de paus e de panos com padrões absolutamente pindéricos, a papelada que se desperdiça – a Quercus devia congratular-se. Mais uma campanha e ficamos sem a época dos incêndios! - e a barulheira descomunal dos tachos e dos apitos, impedem que qualquer pessoa de bem possa interpelar o candidato, pedir um autografo a Mariana Mortágua - que enfrenta banqueiros como uma Valquíria, mas que se torna liliputiana na frente do povo -, ou apalpar o rabiosque a João Galamba.

 

A Gaffe vai restringir-se, em consequência, aos candidatos mais proeminentes, deixando, por exemplo, Gonçalo da Câmara Pereira longe da ribalta, apesar de ser mimoso vê-lo empolado e empolgado a tentar ler o teleponto ao mesmo tempo que procura perceber o que se está a passar ou Marinho Pinto a berrar que nos vai processar a todos. Não se atreve a tocar no MRPP, porque tem medo de ser morta, nem no NOS, porque está fidelizada à MEO. 

 

Resta-lhe o habitual.

 

A Gaffe tem medo de Paulo Portas. Desvia os olhos quando o senhor esganiça no púlpito, com um bicho morto e espalmado na cabeça e um globo ocular gigantesco na barriga. A Gaffe fica arrepiada quando o ouve a modelar o discurso aproximando o timbre das catequistas anzoneiras de província ou das beatas que dentro dos missais escondem estampas pornográficas. A Gaffe sente que Paulo Portas é o sinistro gato - sempre o mesmo - que aparece nos colos dos mauzões. Ninguém sabe o que lhe acontece quando os vilões são apanhados.

 

Passos Coelho parece ter qualquer coisita enfiada no rabo, mas não quer que o eleitorado se aperceba disso. Sorri, como quem abre um figo com os dedos. Dir-se-ia, caso quiséssemos ser cabras – e nunca o desejamos - , que foi de plástico numa anterior encarnação e que ambiciona voltar a sê-lo num futura. Entretanto, é de barro, moldado na peanha de uma troika.

 

António Costa aparece como um tio bonacheirão. Toda a gente sabe que a eternidade é um tio desses que nos promete a fortuna se dele cuidarmos. Acabamos sempre por descobrir que vai estourando as parcas moedas que tem com as mulheres da má vida. A Esperancinha, dizem, ronda cada esquina. Veste-se de verde. Vem um burro e come-a.  

 

Jerónimo de Sousa é o último pedaço que resta das Ideologias. A Gaffe lembra-se de Álvaro Cunhal, sem as sobrancelhas de carpélio, quando vê surgir este velho e calcinado capitão. Surpreende-se quando percebe que o respeita, porque sempre considerou uma tolice a insistência tenaz com que alguém se esbardalha. Simpatiza com Jerónimo de Sousa, porque reconhece instintivamente que mesmo nas derrotas, podemos sempre recusar a venda burguesa por grifar e mostrar o rabo proletário ao vencedor. 

 

Catarina Martins é pequenina. A porcaria do ditado que a aproximará da sardinha, se não erguer a banca da oposição, é ameaça eleitoral. A peixeirada está macerada de contínua e o pescado de tão exposto cobre-se de moscas. Os eleitores esperam ansiosamente vê-la nua, vê-la depois de burka, depois de Índia Tupi, mais tarde de Louça e a usar as bananas de Carmen Miranda para a poder comparar com as rivais.

 

Elencados os candidatos predominantes, resta reparar na pobre gente que neles votará.

A Gaffe já só tem palavras esgotadas - porque gastámos tudo menos o silêncio, porque metemos as mãos nas algibeiras e não encontramos nada -, e uma fotografia avulsa de um dos eleitores. Eugénio de Andrade terá portanto aqui de bastar, em esperas inúteis, já que os elegíveis parecem as Misses.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)





  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD