Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe embruxada

rabiscado pela Gaffe, em 22.10.15

Halloween.jpg

Será esta a única vez que a Gaffe se refere ao Halloween. Não porque não simpatize com a data, mas porque o tema está seguramente exaurido, apesar de, convenhamos, sempre ter sido uma comemoração que a implicou, custe o que custar às egoístas e invejosas defensoras deste festejo.

 

O Halloween foi e sempre será ruivo!

 

É difícil ser-se singular em relação a um tema que se torna viral. As tontices repetem-se de canto para canto e passamos de uma esquina onde se esbardalha uma bruxa para tombarmos noutra repleta de gatos pretos ou abóboras e não adianta muito reportarmo-nos às raízes do tema, porque ainda mais maçadores nos tornamos.

 

Esta incapacidade de tratar por escrito determinado assunto, por estranho que pareça, tem solução.

 

Ao contrário do que é heróico declarar, depositando na ara do mais elevado despojamento de alma o cordeiro do nosso sofrimento interior, a escrita é um processo susceptível de aprendizagem.

 

A escrita não é intrínseca a nós. Não é um código genético. Não nasce connosco. Aprende-se a escrever bem depois de termos aprendido a desenhar as letras doando-lhes sentido. Não incapacita o prazer, elevando a dor profunda ao pedestal do inevitável e é suspeito quem afirma que deixa de respirar se passar um dia sem a dor do parto da escrita.

A Gaffe sempre considerou disparatado o que afiança que sofre horrores todos os instantes com as palavras que abrem chagas nos dedos, descendo e rompendo o peito em ferida aberta, à procura do papel. Transformam escrever num episódio de prisão de ventre. Mesmo os masoquistas sofrem menos. 

É balela. Se estes defensores da autoflagelação deixarem de escrever, não acontece absolutamente nada.

 

A Gaffe sempre pensou que o processo de escrita é um jogo de ligações executado numa oficina de trabalho árduo. As regras aprendem-se, memorizam-se, entranham-se, cumprem-se ou violam-se - para as desrespeitar é preciso que as conheçamos em profundidade -, exigindo depois um esforço hercúleo, que não implica por obrigação a presença da tortura, se tivermos a veleidade ou a ambição de produzirmos, pelo menos, qualquer coisinha parecida com um texto literariamente aceitável.   

 

A Gaffe sempre considerou uma tontice os Cursos de Escrita Criativa, até perceber que um dos seus queridos petizes, filho de um dos seus casais favoritos, tem um professor de Português que é simultaneamente formador neste tipo de actividade que é, assume-se, condenada mesmo por quem se move com perícia nestes meandros.

 

Curiosa, a Gaffe decidiu investigar.

 

As atitudes pedagógicas que subjazem à escrita criativa vocacionada para a faixa etária mais próxima do chão, parecem lógicas, eficazes, muitíssimo produtivas e sobretudo facilitadoras do processo que permite o surgir de um texto inovador, original e bem estruturado.

Não produzirá, é provável, génios da literatura, mas, para além de cultivar a capacidade crítica do menino/leitor, pelo menos dificulta muito o aparecimento de burgessos que acreditam piamente que se o mundo ignora a papelada que preenche com rabiscos é apenas por cegueira e humana iliteracia.

O recurso, por exemplo, a jogos ardilosos, como o Baú das Palavras - onde a criança recolhe substantivos à toa para com eles ter de formar frases completas -, o Jogo do Lenhador - que obriga ao corte de palavras numa frase demasiado longa, sem que o sentido se perca -, ou O Elo Mais Forte - que faz com que se procure a frase que ligará duas outras díspares e muitas vezes contraditórias -, permite que a criança se inicie com prazer e de modo lúdico na extraordinária vastidão da escrita.

 

Como será evidente, os expedientes são inúmeros e nada melhor do que assistir a uma aula para deles nos aproximarmos. É bom que se passe a ouvir com maior cuidado a famigerada frase não negues à partida uma ciência que desconheces.

 

A infância da Gaffe não teve aulas de escrita criativa e lamenta o facto. Se as tivesse tido não hesitaria agora em escrever sobre o Halloween, convicta da sua capacidade de não referir bruxas e gatos.

 

Assim, abóbora!        

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe de colchete

rabiscado pela Gaffe, em 22.10.15

Marcus Mueller.jpgSabemos que nunca devemos confiar num homem que nos desaperta o soutien logo à primeira tentativa.

A primeira vez, de tudo, é sempre um risco e nem sempre é de boa qualidade o que nos fica na memória.

Tenho uma amiga - tomemo-la como exemplo - cuja primeira vez foi tão traumática que decidiu nunca mais perder a virgindade. O assunto foi arrumado na prateleira e vive feliz desde então, embora as relações que enceta sejam de curta duração, porque quando ela faz amor, o namorado exige estar presente. É curioso constatar que esta rapariga, que se afasta consideravelmente do viver rotineiro das multidões, confessa que sente sempre algum pudor em assumir posições ousadas - estou a folhear o Kama-Sutra - com o homem que partilha na altura a sua vida e a sua cama. Segundo o que confessa, é por essa razão que o deixa sair para o trabalho e chama pelo vizinho. O pecado mora sempre ao lado.

É esta minha amiga que me previne: Não se pode confiar num homem que nos desaperta o soutien logo na primeira tentativa.

A verdade é uma e ela tem razão. Um soutien que se preze tem de ter uma fechadura à prova de dedos alheios. Tem de ser um enigma, um desafio e tem de provar que o rapazola que nos chega às costas, aos colchetes e às molas é de uma pureza virginal digna de nos ver as mamocas. Quando um homem nos cumprimenta estendendo a mão ou cavalheirescamente nos vem beijar os dedos e nós percebemos que subitamente nos saltou do peito, não o coração, mas o soutien, não merece crédito, embora mereça que nos salte o resto.

Temos que escolher. Não é propriamente uma escolha de Sofia, mas é sempre um dilema que nos constrange um pouco. Ficamos com um bronco inocente que nos trilha as costas ou com um manhoso experiente que nos trilha a vida.

 

Podemos, é claro, optar pela terceira via, a mais atractiva: ficarmos com os dois e deixar que processo de ensino/aprendizagem se faça sob a nossa auditoria.

 

Foto - Marcus Mueller

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:





  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD