Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe amorosa

rabiscado pela Gaffe, em 17.03.16

Dos verbos mais gastos que usamos, aquele que parece ser o corroído é o gostar.

 

Colhemo-lo por todos os cantos e esquinas da vida. Surge espontâneo e bravo como pequenas violetas selvagens, perfumadas e aguerridas. Fornece-nos o minúsculo conforto que nos protege quando à volta se multiplicam os cardos. Entrega-nos a sensação de pertença e de pequenas cumplicidades essenciais à solidão que tanto nos arrasa. Ensina-nos a sorrir devagarinho. Solta-nos o coração, deixando-o sem fronteiras férreas que o limitam e sussurra-nos promessas de voos simples, mas felizes.

 

É um verbo tranquilo e seguro, sobretudo quando conjugado no presente. É quase um verbo infantil. Um verbo de brincar. Um verbo que deveria ser conjugado apenas por crianças, porque apenas elas o deixam cristalino, perene e sentido do modo exacto e acreditado eterno.   

 

Gostar é o carrossel colorido de uma infância, o doce de avelã da nossa avó, a pulseira de cordel atada à esperança, o sol a bater brando numa manhã de janelas acordadas, o aroma da terra molhada depois da canícula, as histórias de fadas e de monstros no colo da ama ou a carteirinha que não dá com tudo e que abriga apenas um sonho minúsculo.

Gostar é a almofada onde se pode encostar o nosso mais pequeno coração  - e temos tantos!

É um verbo deslumbrante, mas exíguo. Rola na nossa mão como um berlinde.

 

O globo inteiro e sem medida está no verbo amar

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)





  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD