Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe em casa alheia

rabiscado pela Gaffe, em 25.07.16

401.jpg

 

Uma mulher que consegue cavalgar o quotidiano, avançar por entre a multidão das horas mais cansadas com a força e a vontade de arrasar o fado, sem perder de vista os rapagões que ultrapassa, merece um header que tente espelhar estes pormenores.

Minha querida amiga, apesar de ficar apavorada quando faço asneira, arrisco o mesmo template - o único em que me movo com alguma facilidade - e apoiada pela fabulosa Celia Calle, entrego-te a tua casa nova.

Espero que te sintas tão bem neste telhado como eu me senti ao construi-lo.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe vietnamita

rabiscado pela Gaffe, em 25.07.16

 

Esta é uma das fotografias que trazem pronto o que querem que se sinta ou pense ou mesmo como querem que eu reaja. Podemos portanto divagar à vontade que o rastilho é sempre o mesmo. Por mais inesperada, ocasional e imprevista que tenha sido a captura, a foto tem inscrita a história que quer contar.

 

No entanto, esta tem colado um elemento particular bastante interessante.

 

No capacete está escrita a frase de William Tecumseh Sherman e, exactamente por isso, permite-nos uma intertextualidade importante que, se não me custasse muito, daria um post muito comprido e a armar ao fino. Como sou uma rapariga apagada, cheia de calor e começo a não ter paciência para estas teclas, reporto-me apenas a dois ou três grãos para moer enquanto isto passa.

 

Lembro, em consequência do exposto, e assim sem mais nem menos, que se faz tarde e a vida é curta, Voltaire a atribuir a César a extraordinária deixa: Com dinheiro tem-se soldados e com soldados rouba-se dinheiro, dou um voltinha por Agustina Bessa-Luís e a identificação de guerra com orgia - ainda que macabra e negada em consciência, - e apanho na esquina Sartre e o inferno somos nós.

 

Juntos, estes conceitos dão uma data de coisas fenomenais e do tamanho do post que devia ter escrito.

 

Como sou uma rapariga preguiçosa, fico-me a olhar para o rapazito e a sentir exactamente aquilo que a foto quer que eu sinta e que não deixa de ser semelhante àquilo que sente qualquer um que a apanhe por acaso.

 

Foto de Horst Faas - 18 de junho de 1965

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)





  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD