Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe cúmplice

rabiscado pela Gaffe, em 05.11.16

hv.jpgGosto de manhãs de nevoeiro denso sobre a copa das árvores.

 

Gosto de me aproximar da janela sonolenta do meu quarto e ver ao longe os dois.

O envelhecer galopante do meu pai torna-o deslumbrante. Branco e esguio, magro, cada vez mais magro, cada vez mais longe e mais pacífico. Uma haste erguida frágil no sossego dos caminhos ou um livro fechado no regaço das águas.

 

Adormece facilmente. É bom ficar sentado a vê-lo assim dormir. Parece morto e nesse simulacro é imortal.

 

Às vezes senta-se na poltrona da sala que prefere, a virada a Norte e àquilo que é mais frio, e deixa-se ficar de mãos cruzadas. Imóvel e discreto. Depois, e de repente, vai-se embora, como se tivesse dito tudo ou nada mais houvesse para ser visto.

Gosto destas cavernas de silêncios pálidos.

 

O meu irmão que lhe segura o braço, ao lado dele, torna-se ainda mais terno e meigo e afectuoso.

Tem trigo nos cabelos, o meu irmão, e olhos diluídos pelas árvores.

 

Vão recolhendo nas manhãs as minhas névoas.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:





  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD