Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe culinária

rabiscado pela Gaffe, em 12.01.17

Franco Noriega.jpg

A Gaffe não sabe cozinhar.

A Gaffe não sabe fotografar.

 

Torturando e tentado esmagar o dito até o transformar forçado num silogismo constrangido, poder-se-á concluir que a Gaffe não fotografa o que não cozinha.

No entanto, se soubesse preparar o prato mais simples que se possa imaginar sem transmutar a cozinha num cenário de um holocausto nuclear, se percebesse o mecanismo que permite colher uma representação aceitável do que lhe causa espanto, jamais se atreveria a captar uma imagem daquilo que produziu de avental e touca.   

 

Toda a rapariga esperta sabe que para fotografar um morango encimado por uma gota de chantilly - dá um lindo pai natal na mimosa mesa da consoada -, é imprescindível substituir o branco doce por espuma de barbear que não se desfaz com o calor das luzes que foram estudadas com minúcia para que o brilho do verniz com que o morango foi coberto obtenha o toque mágico duma eternidade gastronómica e primorosamente natalícia.     

 

A chamada fotografia culinária é uma arte difícil entregue a equipas de profissionais que cuidam da imagem da feijoada como cuidariam da que pertence à mais recente aquisição das passerelles.

 

Há no entanto meninas que sabem cozinhar, mas que não são grande garfo nas provas de contacto.

A Gaffe viu fotografias do work in progress e do produto culinário já finalizado.

 

A primeira contra a qual se esbardalhou, fê-la pensar que estava a ter uma premonição.

Sentiu-se mediúnica numa dimensão original, pois que vislumbrava o futuro. Perante esta rapariga atónica estava a fotografia que uma blogger de sucesso publicará daqui a duas décadas. Diante desta arrepiada criatura ruiva a imagem do conteúdo das fraldas do petiz de vinte e tal anos com que a mamã continua a brindar a plateia, nunca desistindo de a mimosear com as traquinices do rebento e a abdicar do patrocínio.

Depois da perplexidade, veio a bonança. Era uma mousse de chocolate em forma de cocó de gente que come como se não houvesse amanhã - continuamos assim, neste apontamento temporal, a aludir a premonições.   

 

A segunda consistia num bolo de maçã, com recheio de manga e cobertura de caramelo.

A fotografia mostrava uma fatia de uma massa verdoenga e esfarelada por onde escorria uma substância viscosa e vagamente cor-de-laranja numa alusão nítida ao PSD. No cimo, uma fila indiana de lesmas muito bronzeadas parecia abrir caminho lento e penoso na rugosidade do destino que lhes entregou o sacrifício.

 

A Gaffe, passado o choque e já sob o efeito de uma sessão de psicanálise que a impede de associar cocós e lesmas a fotografias dos cozinhados das fadas do lar, resolve lavar a alma e os olhos por um diferente petisco da mamã, desta vez muitíssimo bem fotografado por quem sabe, acreditando que com ingredientes destes até ela seria capaz de cozinhar o prato e que seria difícil arrancá-la da cozinha. 

 

Na foto - Franco Noriega

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)


foto do autor








Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD