Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe à portuguesa

rabiscado pela Gaffe, em 17.01.17

gozel-goyercin.jpg

 

Nos primeiros Domingos de Inverno, amontoa sobre a mesa as carnes e os enchidos.

As batatas, as couves e as cenouras num cesto de verga pousado no balcão.

Torna-se soberana no confuso domínio. Critica o modo como foram curados os nacos de porco e leva ao nariz as chouriças de sangue e de colorau à procura da origem do fumeiro. Desaba com cutelos sobre o frango caseiro, que o matou ela sozinha e sabe que o criou para este fim e trucida as postas de vitela, a carne entremeada, com faca de assassino, cabo de madeira e lâmina que primeiro afiou, e arrepiou, contra uma outra. Quebra costelas, chamusca a orelheira, golpeia com a força de titã, focinho e chispe e de mãos sangrentas e ar de psicopata dá destino cru à carnificina misturando tudo na panela enorme com água a ferver medonha de bruxedos.


Depois suspira.

 

Enquanto espera descasca as batatas gordas e as cenouras.

- Só começa a cheirar bem, menina, quando lhe enfiar os enchidos.

 

Pica com um tridente as carnes a ferver. Toma-lhes o gosto. Nada de sal. Perturba a natureza do cozido e os enchidos bastam para disfarçar a vaga.

Na outra panela cozem-se batatas. As cenouras adocicam a luxúria e as couves moribundam verde-escuro.

Num arremesso, empurra com os dedos mergulhados no caldo que borbulha todos os enchidos que critica.

- Olhe que bem que cheira!

Eu olho e pasmo. A cozinha parece engravidar de odores. Barriga de luxúria que a dona acaricia com mãos de pedra e olhos de matrona benevolente e farta.   

 

- Agora é só vazar para as travessas. A menina vá chamar as suas gentes, que está pronto.

 

Rega com a água em que ferveram carnes, as batatas, as couves e as cenouras que dispostas em redor fumegam estafadas e ergue em triunfo a travessa enorme, pesada de aromas.

 

Eu como sem alma, sem dó nem piedade, sem pudor ou termo, sem pejo ou clemência. Como até morrer ou pensar que morro de tanto comer.

- Guarde um lugarzinho para o leite-creme. Está como gosta, torrado com açúcar, mas do mascavado. É um gosto vê-la! Só de a ver comer, ficamos sastisfeitos. Bem se vê, menina, que é mais portuguesa que o resto dos outros. Só comem cenoura e debicam umas niquices de passarinho-pombo. Um desperdício, Deus lhes valha!

 

De braços cruzados sobre o avental, de sorriso aberto e olhos com luzes que piscam e tremem e tremem e piscam, sabe que cozinhou para mim e apenas para mim, que os outros que restam debicam pieguices e são passarinhos.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe desiludida

rabiscado pela Gaffe, em 17.01.17

 

Seria mais razoável cingir o âmbito deste cantinho esquecido a comentários relacionados com os farrapos.

Comentar trapos deveria ser o meu destino, nada complicado tendo em conta a panóplia de blogs dedicados a este assunto que me serviriam de exemplo.

Enfrento-os corajosa, à procura de linha orientadora que seja capaz de me tornar numa especialista com ânsias de Chanel e tomba-me arrasada e cadavérica esta ambição tão elevada.

 

Sou como uma gata em telhado de zinco quente, ou como uma ratazana morta na mesa do jantar, quando comparada com as maravilhosas conselheiras de moda que pululam por aqui. Não me consigo aproximar do look da semana. Não tenho a audácia que me permitira aconselhar o champô que a Catarina Furtado não usa, embora sorria dizendo que sim, asfixiada num vestido Nuno Baltazar. Não sei ser convicta ao indicar a máscara amaciadora, para cabelos secos, que sabemos ser prima direita da tinta que reluz na cabeleira farta de Fernando Ruas e que o intoxica através do bigode. Não entendo nada de tendências e sempre achei que instigar o uso de ankle boots pode ser considerado assassínio premeditado.

 

Não sou capaz.

 

Para meu desgosto infindo, jamais serei uma fashion adviser ou, no mínimo, uma blogger cintilante de sugestões, opiniões, dicas, inspirações, estímulos e propostas relacionadas com os trapos.

 

Sei, no entanto, que tenho dentro, pronta a saltar de tacões agulha e a gritar sem abrir muito os lábios, a amplíssima tontice de uma rapariga que dizem ser vã, fútil, vazia, capaz de comentar trapos, rodilhas, farrapos, frangalhos e demais trapalhada que lhes está apensa.

Se não desejo com fervor a carteira Chanel que diz com tudo, não deixo de cobiçar com ardor um garboso atleta -, mesmo usando hastes brancas, mesmo quando tem as bolas Chanel.

 

Podem embrulhar e enviar exactamente como está. Depois completo o laço, retiro os excessos, refiro-lhe os atributos e menciono as vantagens do uso descontrolado do rapaz.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)


foto do autor








Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD