Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe sem interesse

rabiscado pela Gaffe, em 18.01.17

no.gif

A Gaffe irrita-se.
Claro que se irrita!
Não consegue ouvir a desgarrada frase:

- Não estás interessada, pois não?... É que se estiveres... - e para agravar - desisto até se for talvez... é que eu não sei... talvez...

 

Choraminguices.  


Se uma ruiva estiver interessada, seja no que for, não informa ninguém. Decide agir e não há quem a detenha.
Não consegue perceber como pode haver gente que se a Gaffe não estiver interessada, avança de lança em riste para o campo de batalha e, ensanguentada, luta pelo alvo do seu desejo insano, mas que se a Gaffe mostrar um interesse mesmo hesitante, cala e sufoca a dor de se ver obrigada à renúncia.


Se a Gaffe estiver interessada, nota-se e nada contraria o seu desígnio.


Não consegue encaixar a benévola, solidária e abnegada disposição daquelas que recuam perante o seu eventual interesse e responde inevitavelmente que SIM, que está interessada e que trucida quem se colocar à frente, mesmo que o alvo desse imaginário interesse seja um demente, um serial killer, um loiro espampanante, inútil e imbecil ou um deslavado e minúsculo exemplar de orangotango.

 

- Não estás interessada, pois não?... É que se não estiveres...


Se não estiver, passa a ficar. Escancara-se frente ao objecto do desejo alheio e, sem delongas e de ferrão apontado, crava no coiro da cortês e obsequiosa abnegada a maldade gratuita que é roubar aquilo que nem sequer lhe agrada e que descarta logo que possível.


Quando o desejo é nosso e faz doer cá dentro, é de todo lícito atear todas as fogueiras do egoísmo e nelas queimar potenciais interesses que nos são alheios com a madeira hesitante das rivais possíveis.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe com Cristas

rabiscado pela Gaffe, em 18.01.17

1.03.png

A Gaffe está zangadíssima com António Costa.

 

Embora com relativa alegria o tenha visto de turbante e pachemina e confirmado o seu sentido de humor, não pode deixar de o repreender quando vê este maroto a apontar sorrisos a Assunção Cristas.

 

Toda a gente reconhece que esta rapariga é de boas famílias e as boas famílias não precisam de se preparar para debates com homens aborrecidos, lidos, experientes, manhosos, entediantes e velhos, alguns provenientes de perdidas - por sabe Deus que gente - colónias e que se atrevem a tocar no Chanel de uma menina de raiz exclusivamente portuguesa com imensos rebentos fofos, que tão bem iniciou a tutela do Ministério do Mar abolindo por Despacho as gravatonas cinzentas dos seus funcionários. Lufadas de ar fresco, marítimo, na penugem peitoral dos subordinados.

A Gaffe aplaudiu naquela altura e continua de mãos abertas à espera que Cristas denuncie a postura de segurança de discoteca das irmãs Mortágua que ainda não entenderam que o cenário é mais o de casa de alterne e que a descontracção - mesmo controlada por um senhor estranho, mas muito bem-parecido -, nos conduz sempre às posições repletas de piada de Passos Coelho que decidiu entretanto iniciar uma carreira na difícil área da stand-up comedy.

 

Uma rapariga não pode - quando pipila na sua maviosa pedalada de bicicleta com cestinho à frente preenchido por miosótis -, ser abalroada por um catrapillar em contramão, mesmo quando se esqueceu de ler o livrinho que ensina que o guiador normalmente está à frente do aparelho.

 

A pobre menina não consegue mostrar os desenhos que lhe fizeram em papel couché; não pode abanar as pulseiras de berloques e de guizos Cartier que exigem que o governo se lembre das Berlengas da dívida soberana e súbdita e tudo ao mesmo tempo; não lhe é permitido ficar com beicinho irritado e peitinho a tremer quando reivindica os irrisórios triunfos de uma geringonça que a retirou do seu Austin mini; não arranja modo de poisar uma boina na visita à feira - não toldando a leveza do abanar madeixa -, sem que um cigano lhe tolha a passada de tacão na média; não encontra uma forma de passar o brilho das suas intervenções de acutilante teor e arrasador efeito, sem ser esbardalhada por um brutamontes que lhe sorri como o gato de Alice.

 

A Gaffe não se espanta com a animosidade Jerónimo de Sousa, porque do senhor já se espera o destempero e a aversão a jóias Pandora, mas  está zangadíssima com António Costa, um cavalheiro que devia saber que custam caro se não forem uma versão em bico, e daqui lhe recorda que uma rapariga tem todo o direito de dar uns saltinhos na bancada, sem ver destruído por uma bruta bola de demolição o banquinho onde pousa o rabo.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)





  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD