Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe de galochas

rabiscado pela Gaffe, em 16.05.17

1.jpg

A Gaffe usa galochas.

Pretas, justas à barriguinha da perna, com uma ligação perfeita aos jeans - de cor uniforme, não vá parecer que andou nas obras -, e camisa muito masculina, larga, com um xadrez de inspiração escocesa, com um nó na cinta.

A Gaffe usa galochas para visitar os pobrezinhos nos bairros sociais e os mais desfavorecidos que vivem na lama e no esterco.

Nas visitas aos sem-abrigos, a Gaffe acrescenta um agasalho muito discreto, de caxemira de cor sóbria e respeitosa e botas de campanha. Os jeans são os mesmos, para não parecer que se varia muito e frisar que não são apenas eles, os pobres, que insistem em dizer que a moda é só aquilo que nos fica bem. Às vezes um tailleur vintage, ou um simples cobertor Galliano de 2010 que nos assenta na perfeição, é o que basta para nos actualizar imediatamente.

 

Atenção: Os sem-abrigo só existem de noite e não fica nada mal acrescentar ao outfit um capacete com uma pilha incorporada.

 

Nada é mais agradável do que saber que Assunção Cristas comunga deste elegante saber estar, lendo as suas oportunas declarações que nos revelam que, tal como a Gaffe, calça muitas vezes botas e enfia umas calças muito práticas, prontificando-se desta forma a calcar o cocó que os pobres fazem na rua, nos seus momentos mais globalizantes que os aproximam da cultura mais rude dos indianos.     

A Gaffe fica contente ao perceber que se pode cruzar com Assunção Cristas nestas visitas purificadoras, muito jeitosas e que nos deixam livres para optarmos por um guarda-roupa mais descomprometido e relaxante, contrário ao que tantas vezes nos é imposto pelas convenções sociais e que nos faz parecer saídas das fotografias de um século passado. O lazer que nos traz a possibilidade de usarmos o mais descomplexado, o mais jovial e descontraído, é muito descurado neste país que também esquece, paradoxalmente, que uma mulher de saia travada dificilmente cumpre o seu dever, como nos alerta Gonçalo da Câmara Pereira.

 

Como é evidente, a Gaffe concorda com Câmara Pereira. Uma saia travada prende imensos movimentos - muitas vezes os melhores - e é também desaconselhada quando a mulher assiste a uma tourada, depois de cumpridos os seus deveres domésticos. Uma rapariga senta-se naqueles estrados muito baixos, fica indecorosa e é evidente que pode causar alguma distracção na testosterona da arena. Uma saia travada é muito mais indicada a uma noite de fado, depois de cumpridos os nossos deveres domésticos - nunca é exagero repetir.

 

É uma alegria ver que Gonçalo da Câmara Pereira se une a Assunção Cristas na corrida à Câmara de Lisboa! Finalmente a capital tem a hipótese de se ver governada por um dueto saído de uma opereta, com um guarda-roupa irrepreensível.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)


foto do autor








Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD