Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe encharcada

rabiscado pela Gaffe, em 29.06.17

64.jpg 

O vento encharca o perfume das tílias. Transforma-o em baloiços largos, soltos, como uma dança de mulheres entristecidas.

Ontem choveu. Ainda existem pequenos charcos nas fendas largas das pedras.

O anjo do lago assustou as carpas que se esconderam da sua eternidade a escorregar para o dorso da água picada pelas bátegas.

Nada mais existe a não ser a mobilidade de nuvens desfeitas que se enrolam no vento.

Ontem a chuva bateu nos vidros das janelas. Pareciam dedos, a chuva, e cinzentos a azular quando era longe.

A alameda tombou de pena ou de ternura. O silêncio tem a voz da chuva a desabar na terra.

 

Se nos sentarmos direitos - a chuva exige a verticalidade dos corpos, mesmo daqueles que se sentam -, de mãos fechadas, uma sobre a outra, na cadeira que colocamos perto da janela e olharmos com muita atenção o caminho por onde se define o azul longínquo, logo atrás da chuva, vemos florir as gotas de água a esbater os contornos da tristeza.

 

Isto, claro, se não chover também nos nossos olhos.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:


foto do autor








Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD