Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe policial

rabiscado pela Gaffe, em 13.07.17

685.jpg

 

Um choque, a polícia.

A Gaffe está escandalizada.

 

Aonde estão os polícias pachorrentos, bonacheirões, gorduchos, fofos, que ajudavam velhinhas a atravessar, que paravam de bloco de notas debaixo do braço cruzado só para nos deixar passar, que escondiam o casse-tête com a barriga e que tinham um apito lustroso com que arbitravam os jogos da pequenada?!

 

Os actuais são matulões hirtos e firmes como barras de ferro; umas cavalgaduras mal-encaradas; com fardas que ficam um mimo naqueles rabos; com queixos quadrados e másculos; olhos de lince, lábios de mosto, quem faz um filho falo com gosto; peitorais talhados em mármore; coxas de embondeiro; armas por tudo quanto é canto - e os recantos que eles têm! -; sempre prontos a disparar e dispostos a torturar, a espancar e a insultar a gente pobre que, como é sabido, não tem princípios, não olha a meios e que no fim, é bom de ver, acaba como o Lula: grelhada.

 

Uma maçada.

 

A Gaffe pega num pauzinho - não vá o rapaz cumprir a ameaça - e tenta cutucar Salvador Sobral de modo a que o menino dê autorização para que Amar Pelos Dois se ouça ininterruptamente nas esquadras da polícia. É evidente que há alterações a fazer à letra. O eu sei que não se ama sozinho revela apenas que Salvador ainda não descobriu os prazeres de Onan - não sabe o que anda a perder -, não se coadunando com os Hill Street Blues que amam aos magotes e fazem patrulhas com imensa gente, mas a tranquilidade, a doçura, a abnegação, a suavidade e a finura da canção teriam um efeito muito Zen na adrenalina desenfreada que provoca uns tantos desacatos e que tem tendência a esbardalhar contra as grades aquelas coisas maçudas que se escreveram na Constituição e que os hippies dos Direitos Humanos decoraram.

 

É evidente que, por outro lado, e no outro lado, seria aconselhável emitir também ad eternum uma cançoneta apaziguante. A Cabana Junto à Praia do Cid é perfeitamente capaz de dissuadir os delinquentes de azucrinar a paciência dos agentes, convencendo-os a dar uma voltinha no areal da Caparica tendo sempre o cuidado de evitar o sol do meio-dia que, como se sabe, mirra imenso as pessoas. Assunção Cristas pode perfeitamente tratar do sonoplastia, pois que calça uma botas e veste umas gangas para calcar cocó à vontade e, segundo reza a própria, é motivada por Jesus que sabemos ter sido uma pessoa amorosa e boa.

 

Como nota apensa, pois já que nisso se fala - e tendo em conta que a Gaffe se preocupa imenso com os veraneantes menos conflituosos -, é pertinente repetir:

 

O sol em excesso mirra as pessoas.

 

Não adianta depois tentar soprar que não voltam ao normal. Só incham. Pode inclusivamente fazer com que mudem de sexo. A pila com o calor envagina. Provavelmente é essa a razão da enchente de banhistas estranhos ao meio-dia, no Meco.

Seria muito importante criar uma campanha parecida com a se esbardalha nos maços de tabaco e sem o patrocínio de ninguém.

 

A Gaffe sugere um antes e um depois com um aviso mimoso:

 

ANTES

CP2.jpgCUIDADO

O sol mirra as pessoas

 

 

DEPOIS

CP.jpeg

Não adianta soprar que só as incha

 

Agora, meus amores, vou incendiar as redes sociais e volto já.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)


foto do autor








Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD