Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe convertida

rabiscado pela Gaffe, em 23.08.17

Kilts.jpg

 

Vi, passaram já alguns anos, no auge dos U2, uma imagem de Bono Vox  que me surpreendeu.

Bono, ajustado ao pescoço, ostentava um colar de pérolas pequenas.

 

É provável que tenha sido a mãe do rapagão que não tendo tempo para as usar e sabendo que as pérolas têm de estar em contacto assíduo com a pele para evitar a deterioração, lhe tenha suplicado aquela fineza, mas a imagem, por inusual, causou alguma estranheza até perceber que aquele adereço quase exclusivamente feminino, acentuava significativamente a masculinidade do portador que indiferente mostrava o que valia, suado e rouco. A fragilidade das pérolas, a brandura subtil, a fiada de discrição, a elegância e a insinuação feminina contida no branco, marcava e destacava a virilidade onde tinha pousado.

 

Bono nunca foi tão macho.

 

Se um discreto colar de pérolas, que se destina na origem a pescoços femininos, pode e é capaz, quando usado por um homem, da proeza de lhe acentuar as características de género, é bom de ver que um Kilt, mantendo eventuais e muito discutíveis pontos de contacto com um universo feminino -mas desde sempre pensado e talhado para uso de um macho -, pode operar milagres na única área que nos interessa - que se danem os castelos em ruínas e as inscrições gaélicas nos pedregulhos escorregadios.

 

É curioso verificar que esta peça - tantas vezes arremessada por dichotes e piadolas de petizes, imberbes, homens de outros lados, homens que se se disfarçassem de Batman iriam parecer freiras carmelitas e meninas com uma nail com bolinhas e outras de cores diferentes, que insinuam uma oscilação de cariz sexual ou ridicularizam as pregas que nunca vincarão com a unha do polegar, pois que não o têm oponente -, coadjuva de tal modo o homem como a tão celebrada gravata regimental, os botões de punho reservados, ou as peúgas pretas dentro dos monk strap.

 

O brevíssimo e enganoso vislumbre de um imaginário feminino povoado por saias de colegiais inglesas que um kilt provoca nos mais débeis que se riem imenso, é esmagado pela imposição de uma virilidade indiscutível, de uma masculinidade entranhada e de um vigor másculo de tal forma evidente, de tal modo acentuado que nos faz perceber que os papalvos críticos e engraçadinhos que se orgulham das calças que usam sem saber porquê, desconhecem até os outros processos de tapar a pila.

 

O hábito pode não fazer o monge, mas um Kilt - valha-nos Deus! - converte uma infiel e convence a rapariga a ir à missa.  

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)


foto do autor








Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD