Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe de Nuno Baltazar

rabiscado pela Gaffe, em 25.05.12

 

(Nuno Baltazar - Moda Lisboa)

Chega sempre o momento em que uma rapariga esperta não consegue suster mais a respiração e deixa de contar até onde sabe, descontrolando a irritação.

O momento chama-se Nuno Baltazar.

Com excepção de singulares ocasiões (o desafio Hombresenfalda*, proposto por Roger Salas, está relativamente bem conseguido), Nuno Baltazar não é particularmente talentoso.

Esta miserável falha reflecte-se na colagem que fez a Catarina Furtado que, ou engordou mais do que se contava, ou é vestida com dois números abaixo do estritamente necessário. A ex-namoradinha de Portugal (título a todos os níveis desagradável e tonto) acaba por ser, não a embaixatriz da marca, porque já é embaixatriz dos pobrezinhos, mas a única hipótese de visibilidade do seu amigo querido.

Inseparável do seu ídolo, da sua musa sorridente, o criador raramente consegue escapar à imagem e à imagética construídas por, e para, Rita Hayworth e acaba por transformar todas as mulheres em medíocres Margaritas Carmens.

Não inova, não renova, não reforma, não provoca o deslumbre e o assombro que são apanágio dos verdadeiros criativos.

Repete-se, confrangedoramente.

É evidente que existem momentos em que esta norma é transgredida e Nuno Baltazar atinge alguns, parcos, episódios dignos de nota e de atenção benevolente, mas, observado o somatório, o resultado é mediano e demasiado frágil (paupérrimo, se quisermos ser objectivas). O criador acaba passível de se ver transformado num case study. Não existe perdão neste lado do universo para aqueles que ignoram a pesada exigência e o pesado esforço que são exercidos sobre os que sobrevivem, ferindo-se de morte com os cotovelos, e Nuno Baltazar parece imune à falta de talento que se impõe.

Ao lado de Catarina Furtado, vai sorrindo, apoiando o déjà vu na silhueta espartilhada, esmagada e aparentemente oprimida, da apresentadora que o vai salvaguardando, por enquanto, do esquecimento (e, de certa forma, lhe sustém o reconhecimento quase inexplicável).

Se não podemos ter tudo, façamos o que podemos com aquilo que tivermos, diz o filósofo, e Nuno Baltazar tem objectivamente muito pouco.

 

(Nuno Baltazar - Hugo Vieira/Best Models fotografado por Pedro Ferreira)

*O conceito discursivo proposto integra no tempo e no espaço os diferentes registos da saia masculina, que adquire protagonismo como adereço cénico nas performances dos bailarinos Rudolf Nureyev, Nacho Duato e Joaquín Cortés e é em simultâneo símbolo de identidade cultural (kilt escocês ou o traje típico dos derviches turcos) e com o bastante comum abalroamento conceptual do design relacionado com moda.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 rabiscos

Sem imagem de perfil

De Catarina Sobreiro a 25.05.2012 às 13:46

Ai, tão mazinha que foste!  
Imagem de perfil

De Gaffe a 25.05.2012 às 14:52

Mas tu concordas comigo, não é verdade?...
:)
Sem imagem de perfil

De Catarina Sobreiro a 25.05.2012 às 15:20

Mas sou mais benevolente.

Comentar post



foto do autor








Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD