Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe arrasada

rabiscado pela Gaffe, em 16.07.17

Notícia de rodapé.

 

A pátria de um porco é em toda a parte onde haja bolota. - F. Fénelon

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe policial

rabiscado pela Gaffe, em 13.07.17

685.jpg

 

Um choque, a polícia.

A Gaffe está escandalizada.

 

Aonde estão os polícias pachorrentos, bonacheirões, gorduchos, fofos, que ajudavam velhinhas a atravessar, que paravam de bloco de notas debaixo do braço cruzado só para nos deixar passar, que escondiam o casse-tête com a barriga e que tinham um apito lustroso com que arbitravam os jogos da pequenada?!

 

Os actuais são matulões hirtos e firmes como barras de ferro; umas cavalgaduras mal-encaradas; com fardas que ficam um mimo naqueles rabos; com queixos quadrados e másculos; olhos de lince, lábios de mosto, quem faz um filho falo com gosto; peitorais talhados em mármore; coxas de embondeiro; armas por tudo quanto é canto - e os recantos que eles têm! -; sempre prontos a disparar e dispostos a torturar, a espancar e a insultar a gente pobre que, como é sabido, não tem princípios, não olha a meios e que no fim, é bom de ver, acaba como o Lula: grelhada.

 

Uma maçada.

 

A Gaffe pega num pauzinho - não vá o rapaz cumprir a ameaça - e tenta cutucar Salvador Sobral de modo a que o menino dê autorização para que Amar Pelos Dois se ouça ininterruptamente nas esquadras da polícia. É evidente que há alterações a fazer à letra. O eu sei que não se ama sozinho revela apenas que Salvador ainda não descobriu os prazeres de Onan - não sabe o que anda a perder -, não se coadunando com os Hill Street Blues que amam aos magotes e fazem patrulhas com imensa gente, mas a tranquilidade, a doçura, a abnegação, a suavidade e a finura da canção teriam um efeito muito Zen na adrenalina desenfreada que provoca uns tantos desacatos e que tem tendência a esbardalhar contra as grades aquelas coisas maçudas que se escreveram na Constituição e que os hippies dos Direitos Humanos decoraram.

 

É evidente que, por outro lado, e no outro lado, seria aconselhável emitir também ad eternum uma cançoneta apaziguante. A Cabana Junto à Praia do Cid é perfeitamente capaz de dissuadir os delinquentes de azucrinar a paciência dos agentes, convencendo-os a dar uma voltinha no areal da Caparica tendo sempre o cuidado de evitar o sol do meio-dia que, como se sabe, mirra imenso as pessoas. Assunção Cristas pode perfeitamente tratar do sonoplastia, pois que calça uma botas e veste umas gangas para calcar cocó à vontade e, segundo reza a própria, é motivada por Jesus que sabemos ter sido uma pessoa amorosa e boa.

 

Como nota apensa, pois já que nisso se fala - e tendo em conta que a Gaffe se preocupa imenso com os veraneantes menos conflituosos -, é pertinente repetir:

 

O sol em excesso mirra as pessoas.

 

Não adianta depois tentar soprar que não voltam ao normal. Só incham. Pode inclusivamente fazer com que mudem de sexo. A pila com o calor envagina. Provavelmente é essa a razão da enchente de banhistas estranhos ao meio-dia, no Meco.

Seria muito importante criar uma campanha parecida com a se esbardalha nos maços de tabaco e sem o patrocínio de ninguém.

 

A Gaffe sugere um antes e um depois com um aviso mimoso:

 

ANTES

CP2.jpgCUIDADO

O sol mirra as pessoas

 

 

DEPOIS

CP.jpeg

Não adianta soprar que só as incha

 

Agora, meus amores, vou incendiar as redes sociais e volto já.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe quintinada

rabiscado pela Gaffe, em 04.07.17

1.gif

 

A Gaffe considera que retirar a possibilidade de ficar maravilhada ao ver as borboletas frágeis que batem asas nos comentários que vai lendo e ouvindo por aí, é uma barbaridade. Uma criatura tem o direito de se espantar de quando em vez com o lado negro da força e de se sentir uma deusa ao imaginar o cérebro dos que originam estes deslumbres que, embora macabros, não deixam de nos apontar a dimensão que pode atingir o buraco negro onde vastas vezes se enfia parte da humanidade.

 

Exactamente por tal, a Gaffe está solidária com Quintino Aires.     

 

Este menino é um ídolo. Um dos seus maiores fornecedores de embasbacamentos. Vai e vem, vem e vai, e neste ir e vir entrega ao povo uma surpresa.

 

Para além de considerar que andar atrás das galinhas e das cabras e das vacas com intuitos menos cavalheirescos, com intenções menos próprias, com impulsos mais libidinosos - sem sequer as levar primeiro a jantar e descartando a elegância de lhes telefonar depois a dizer como foi importante aquela noite à luz da lamparina campestre -, consubstancia uma comunhão com a natureza, Quintino Aires revela que são os ciganos, a esmagadora maioria da ciganagem, a traficar droga e a esbardalhar esquinas com as costas preguiçosas e manhosas.    

 

A Gaffe acredita que conhecer biblicamente uma galinha ou uma ovelha, não é de todo a imagem que se lhe depara de uma noite badalhoca no Hilton, mas já admite que uma vaca não é de estranhar nestas posições, tendo em consideração a quantidade de bovinos que por lá vão passando. Quintino Aires provavelmente referia experiências passadas que eventualmente lhe foram narradas por um ou outro paciente seu, muito ecológico e mentalmente em comunhão com a Mãe Natureza que tanta gente diz ser uma cabra.   

 

Tendo em conta a profissão do seu rapagão e tendo-o já apanhado com o braço enfiado até ao cotovelo no pipi de uma vaca, a Gaffe vai prestar mais atenção às mensagens e aos contactos no telemóvel do homem.

 

A Gaffe, como é sabido, é chique. Não se aproxima dos ciganos. Escolheu mesmo a plataforma SAPO para albergar as suas elegantes divagações exactamente pelas razões que se adivinham.

Como criatura elegantíssima que é, só trata da maquilhagem do nariz na Linha. Desconhece portanto os negócios do povo nómada que nem sequer sabe traçar um turbante em condições e que não distingue um tapete Balúchi de um Gabbeh, porque os rouba sem qualquer critério estético. Não lhe interessam os pobres que vivem em tendas cobertas por lonas, sem qualquer intervenção de Gracinha Viterbo, e que permitem que 75% da sua comandita engane as pessoas civilizadas com porcaria dos chineses.

É evidente que o pó da Comporta é muito mais fino e trabalhado.

 

No entanto, a Gaffe ficou desta vez muito assustada com Quintino Aires. O maravilhoso profissional de psicologia afirmou que quem fuma charros em demasia - ou coisa que o valha, porque nestes casos há fogos sem fumo -, sobretudo os vendidos pelos ciganos, mais cedo ou mais tarde acaba na cama com uma pessoa do mesmo sexo. Com grandes hipóteses de ser com o dealer - a Gaffe acrescenta, pois, tal como ela, toda a gente de bem conhece a tendência que estas criaturas têm para a vida fácil.

 

O susto ficou acoplado às dúvidas existenciais que a assolaram de imediato:

 - E o inverso?

- Será que uma rapariga que vai para a caminha com outra, caminha em direcção à droga? Será que cedo ou tarde ilustrará o título da obra de Miguel Sousa Tavares transformando-se numa Madrugada Suja?  

- Será que um rapaz que acaba na cama com outro numa Sexta-feira à noite vai na manhã seguinte injectar morfina na pila? Ou será que aproxima o rabo de uma linha de coca só para se esquecer como lhe dói a vida?

 

São questões pertinentes e deveras preocupantes que devem ser esclarecidas por Quintino Aires numa das suas próximas aparições no programa de Cristina Ferreira, já que Goucha provavelmente estará no camarim todo mocado.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe a latejar

rabiscado pela Gaffe, em 30.06.17

1932.jpg

 

A Gaffe, de quando em vez, e lê os jornais e e vê os bonecos. A Gaffe, de vez em quando, está atenta ao latejar do seu país

 

É uma atitude que a maça imenso, mas que considera essencial para seu crescimento intelectual - coisa que, como é sabido, eleva qualquer um, apesar de ser mais interessante ver a chuva a cair e gatinhos a miar na rede.

 

Num destes batimentos auscultados, a Gaffe ouviu Passos Coelho a exigir sentido de Estado aos governantes, pouco tempo depois de ter anunciado suicídios em Pedrogão. É evidente, meus caros, que Passos Coelho se referia a ameaças de suicídio e não aqueles que só aconteceram porque um malandreco exagerado se lembrou de os inventar. Não se pode olvidar – a Gaffe estava ansiosa por usar um termo parlamentar! – que Passos Coelho sempre foi um visionário, um profeta disfarçado de estadista. Tendo em consideração a cinza que caiu nos móveis, que dá vastíssimo trabalho a limpar, uma paisagem toda cinzenta pela frente sem uma única piscina a funcionar no verde de uma espreguiçadeira, será bom de ver que depressa deprimimos. É evidente que o sentido de Estado pode e deve anunciar o que prevê após os factos ocorridos e que pode mesmo lembrar, caso ainda não seja projecto das vítimas, que o suicídio de uma criatura já calcinada por dentro pode ser mais uma belíssima oportunidade para arrasar a Constança. Se os suicídios não ocorreram e não existe previsão de tal, podemos sempre recorrer a um paspalho que nos mentiu e cravar no lombo do diabo um belíssimo e tão jeitoso foi ele que me disse, que pode ser usado também quando Passos Coelho de sorriso careca acarinha mimosamente o eucaliptal desgarrado, ilibando o pobre de incendiárias responsabilidades. Toda a gente sabe que o eucalipto é uma plantinha fofa, com características que não assustam nada e que só arde se a Mariana Mortágua a irritar muito. Passo Coelho sublinha o facto com veemência, ateando a botânica que lhe dizem.

 

Convém no entanto reter que este acreditar duro e puro naquilo que se ouve pode, não raras vezes, produzir benefícios.

A menina finalista que sabia de antemão, por fuga de informação de uma comuna sindicalista, que o seu exame contemplaria Alberto Caaaaaaaeiro, acabou possivelmente muito orgulhosa com a classificação que obteve, embora a Gaffe acredite que quem pronuncia Caaaaaaaeiro ao nomear um heterónimo do poeta, dificilmente lerá com rigor a pauta – ou a pôta? - onde se esbardalha a sua vigarice recompensada. Como será bom de ver, tornou ao mesmo tempo dificílima a localização da responsável pelo crime, tendo em conta que, para quem diz Caaaaaaeiro, todos os sindicalistas são comunas.

 

A Gaffe - para finalizar, que tudo isto é uma maçada -, sublinha que, contrabalançando estes extremos ocupados por um dito descompensado e um feito recompensado, podemos encontrar no meio Salvador Sobral. Foi lamentável o rapaz não ter dito e feito, colocando o microfone no rabo, gaseando as suas dúvidas, mas a verdade é que até esta pobre rapariga se debruçou estúpida, parva, imbecil, a cheirar uma mentirinha musical.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe por avisar

rabiscado pela Gaffe, em 13.06.17

Cristiano Ronaldo

 

Já saíram os gémeos de CR7 e a Gaffe só agora teve disso notícia, perdendo assim a oportunidade de assistir ao desfile da marca.

 

Agora mais vale esperar pelos saldos.

 

Ilustração - Luis Quiles

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe aDAMAda

rabiscado pela Gaffe, em 08.06.17

Leyendecker1.jpg

 

Os D.A.M.A. são um pequeno sucedâneo pretensioso das extintas boy bands, sem as suas vantagens - normalmente eram constituídas por rapagões em excelente forma física e conscientes das suas limitações musicais -, mas com todos os seus defeitos.

É provável que não mereçam um olhar e um ouvido que demorem mais do que uma cançoneta e poderá causar alguma perplexidade vê-los por estas Avenidas pouco melodiosas, mas a polémica totó que foi gerada por terem reagido de uma forma muito pouco educada - vamos ser benevolentes com os putos - à correcção de um erro ortográfico, a indignação da mais que provável adolescente responsável pela salvação da gramática, o consequente pedido de desculpa e a posterior exibição, por parte dos meninos, de um humor pateta pousado nesta ocorrência, deixa-nos terreno livre para libertar a nota.

 

Os D.A.M.A. pedem desculpa à moçoila em pranto - que lhes era devota e que resolve num assomo morfológico corrigir-lhes o ’tásse -, depois de a terem enfiado no grupo dos haters, achincalhando desta forma a imensa admiração, o brutal entusiasmo, a maior dedicação que a ofendida choramingas lhes dispensava. Divertidíssimos, os D.A.M.A. decidem agora apresentar desculpas também a Camões, mesmo sendo possível que não saibam o que é uma Epopeia e estejam a anos-luz da ironia e do sarcasmo.

 

Esta caricatura representa a inversão, ou a negação do que deveria estar assimilado. O talento, a mestria, a proficiência, a competência, a perícia – nem sempre sinónimos – estão na proporção directa da humildade. A genialidade é siamesa da capacidade de se reconhecer as falhas e da amarga consciência da responsabilidade que se assume quando falhar pode induzir em erro uma multidão – mesmo a que é constituída por adolescentes tontas. Os talentos - assim como os sábios e os génios -, são invariavelmente simpáticos, de uma humildade tímida que seduz e sempre dispostos a fazer tombar os olhos de vergonha perante um alerta de erro.

 

Fica desta forma explicada a minha desavergonhada arrogância e maldita antipatia.

 

É evidente que os D.A.M.A. não se podem incluir no grupo dos humildes ou no dos envergonhados, porque talvez não sejam mais do que um temporário vestígio de um musicalidade mais do que banal, replicado por outras bandas fit que surgem para adornar festivais de adolescentes espigados - tive o cuidado de os ouvir -, mas mesmo assim é de lamentar que superem o facto de forma sobranceira e enfatuada e que não tenham percebido que Camões não é um baterista.   

 

Ilustração - Joseph C. Leyendecker

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe nos carrinhos de choque

rabiscado pela Gaffe, em 29.05.17

ab.jpg

Nestes dias conturbadíssimos em que o trânsito é absolutamente demoníaco e onde a conquista de um lugar de estacionamento é um desiderato capaz de nos despertar instintos assassinos, a Gaffe aplaude a Direcção Geral do Património Cultural e o Ministério da Cultura que concederam ao Salão Internacional do Veículo Eléctrico, Híbrido e da Mobilidade Inteligente o espaço interior do Museu Nacional dos Coches.

 

Podemos ter o prazer de ver agora esbardalhado ao lado do Coche da Coroação de Lisboa - uma das obras-primas encomendadas por D. João V para o triunfal cortejo da Embaixada ao Papa Clemente XI - o carrinho modernaço provavelmente publicitado por umas mamas rolantes.

 

A DGPC devia colocar a hipótese de ceder as instalações do Museu Nacional de Arte Antiga a Manuel Godinho. No final da pena de prisão o senhor estaria qualificado para encabeçar o Ministério da Cultura.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe dos três émes

rabiscado pela Gaffe, em 26.05.17

1.58.jpg

 

A Gaffe leu há dias o texto de um senhor muito indignado que se amotinava contra o culto da futilidade e da desumanidade mais fria em detrimento da solidariedade global e da revolta contra os dramas tenebrosos que assolam o planeta.

Escrevia o senhor que nos movemos todos com o combustível do irrisório, do banal, do superficial, do fútil e do mais leviano, preocupando-nos apenas com o passageiro, com a ementa que nos torna fit e se temos reserva feita nas instâncias de luxo onde vamos passar férias. Os espoliados, os pobres, os restolhos do planeta, a miséria, a fome, o descalabro e a desolação, estão afastados dos nossos olhos e expulsos do nosso coração. O descrédito na humanidade era tamanho que chegaram duas breves lágrimas aos olhos da Gaffe, apenas recuperadas porque esta rapariga percebeu que quando o senhor alapa o rabo no banquinho e tecla esta denúncia, se salvam os povos da Nigéria, o carrapiço da Nova Zelândia em vias de extinção e a fome no planeta recua atemorizada.

Abençoados os posts deste senhor que deixam a Gaffe esmagada com a vergonha do que vai escrever em seguida.

 

Pois que é fútil.

 

A Gaffe percebeu que o país assumiu a trilogia dos émes, afastando-se da tradicional - Fado, Fátima e Futebol -, embora permaneçam alguns resquícios desta anterior, por exemplo, na colagem de Centeno a Ronaldo que o Ministro das Finanças alemão elaborou num surto de ciúmes e de inveja por se ter apercebido que Centeno tinha pernas para andar.   

 

Portugal evoluiu. É agora o país dos três émes que percorrem desenfreados todas as redes sociais e invadem todos os recantos e esquinas da vida portuguesa. Uma aceleração alfabética que a Gaffe não hesita em referir, procurando algum rigor nas suas enunciações.

 

Melania Trump  

                                   

A primeira-dama possivelmente prova que não vale a pena casar por alguns tostões. Embora sejam o aborrecimento e o dinheiro que mais casamentos fazem depois do amor, não é de todo aconselhada a via das finanças. Pedi-los emprestados sai sempre mais barato. Prova em simultâneo que as mulheres possuem uma vantagem sobre os homens: se não conseguem uma coisa sendo íntegras, conseguem-na sendo tolas.

 

É injusto chibatar a senhora apenas porque percebeu que se tinha a possibilidade de viajar em primeira não podia permitir que outra o fizesse, e é altamente penalizador esmagar-lhe a eventual distinção por não parecer acompanhada por alguns neurónios.

Melania possui uma espécie menor de elegância - a forçada. É uma mulher elegante à força. Desde que se mantenha calada, sem se mover muito, de perninhas juntas e mãos cruzadas, disfarça a total ausência de carisma e de charme - característica essencial à elegância genuína - e é palerma rasgar-lhe o maravilhoso D&G que usou para pedir ao Papa que lhe benzesse o terço.

Se a fotografia oficial do encontro dos Trump com o Papa tem um je ne sais quoi de família Adams, a responsabilidade tem de ser repartida com as trombas divinais, o trombil abençoado, as fuças santas de Sua Santidade.  

Melania não causou dano. Não sabe. É bonita e basta.

                                                                                                                                                    

Madonna

 

A Gaffe não encontra inconveniente em se perseguir uma estrela. Relembra que há já algum tempito uns senhores de muitas boas famílias seguiram uma e encontraram o Salvador, que é, com toda a gente desatou a saber, um rapaz amoroso, herói nacional, muito despojado e também de boas famílias - a irmã, apesar de fanhosa, é uma Braamcamp. Ele não, porque é simples, genuíno, descontraído, não dá importância ao dinheiro e, na linha do post do senhor que a Gaffe referiu no início, preocupa-se com os refugiados.

Perseguir Madonna é portanto encontrar a salvação.

Bem-haja.

Convém no entanto proteger a mulher da fúria do senhor do post, não vá dar-se uma tragédia e passarmos a ser parvos inúteis, porque não revelamos a nossa dor, a nossa solidariedade e o nosso espírito de sacrifício, no FaceBook com um belíssimo Pray For Madonna com as cores do arco-íris.  

 

Maria Capaz

 

A Gaffe só conhece Rita Ferro Rodrigues e conhece-a aos gritos alarves, às gargalhadas insanas, a endrominar mulheres velhinhas insistindo a cada minuto - as velhas têm dificuldade em ouvir e esquecem tudo, não é?! - para que façam uma chamada de valor acrescentado. Afinal, são mulheres livres do peso opressor do macho - mesmo que não, já não se lembram de como é tê-lo em cima.   

 

Embora compreenda que também os velhos deviam ser obrigados a aplicar uma parte da reforma na dinamização da economia - afinal nos lares têm cama, mesa e roupa lavada! – e que já não se lembram de nada, esquecendo-se com uma rapidez irritante do número do telefone que a Ritinha grita, a Gaffe pensa que devia ser interditada aos velhinhos brancos a participação no forrobodó, durante um período de tempo razoável e porventura pequeno, porque eles morrem muito. Assim, só porque sim.

Só mulatos para cima… e pretos … dizem que os pretos são potentes … e rijos … e que duram imenso … e que têm uma pila grande … e os culturistas da imagem ... estão bronzeados, não conta ... 

 

É apenas uma proposta, mas a Gaffe apela à inteligência acutilante e sempre criativa da Maria Capaz que a considerará um achado do mesmo calibre daquelas que propõe.

 

Posto isto, a Gaffe culpabiliza-se pela futilidade de tudo o que foi dito e vai reler o post do senhor revoltado do início do mundo, usando-o - o post, não o senhor que não é desses -  como chibata para se castigar.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe de Samuel Úria

rabiscado pela Gaffe, em 25.05.17

GENE TIERNEY.gif

 

Não sou fã da música de Samuel Úria. A culpa é toda minha. O meu espectro musical é pindérico e se realmente existe é da responsabilidade de esforçados amigos que insistem em preencher a minha inépcia musical encharcando-a com o que consideram de estupenda qualidade.

Mesmo assim, acabo a entregar importância à letra ou ao poema que é musicado, descurando por completo a melodia que o acompanha.

 

Exceptuando Wagner e Rachmaninov, apenas porque o meu avô os ouvia incessantemente, a música nunca fez parte das minhas horas, porque tenho o vício de as preencher com pessoas. 

Sou uma rapariga sem banda sonora.

 

É previsto, em consequência, não falar de Samuel Úria.

Há no entanto umas preciosidades que Samuel Úria nos entrega de quando em vez e que me conquistaram no primeiro encontro. 

 

As crónicas.

 

Podem ser encontradas na página sapo.pt - opinião & blogs - e são sempre extraordinárias, inteligentes, oportunas, povoadas de ligações que surpreendem, imprevisíveis, inesperadas, contundentes, articuladas de um modo fascinante que impelem o leitor a deslizar no texto sem qualquer atrito, fluindo até ao fim que nos parece sempre deixar saudades.

 

Samuel Úria é exímio neste registo e domina por completo a difícil arte de comunicar sem parecer que fica verde com o esforço, ou que nos deixa da mesma cor ao lê-lo.

 

O rapaz pode musicar as crónicas que escreve. Eu vou ouvir e comprar o CD.

 

Na foto - Gene Tierney

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe de galochas

rabiscado pela Gaffe, em 16.05.17

1.jpg

A Gaffe usa galochas.

Pretas, justas à barriguinha da perna, com uma ligação perfeita aos jeans - de cor uniforme, não vá parecer que andou nas obras -, e camisa muito masculina, larga, com um xadrez de inspiração escocesa, com um nó na cinta.

A Gaffe usa galochas para visitar os pobrezinhos nos bairros sociais e os mais desfavorecidos que vivem na lama e no esterco.

Nas visitas aos sem-abrigos, a Gaffe acrescenta um agasalho muito discreto, de caxemira de cor sóbria e respeitosa e botas de campanha. Os jeans são os mesmos, para não parecer que se varia muito e frisar que não são apenas eles, os pobres, que insistem em dizer que a moda é só aquilo que nos fica bem. Às vezes um tailleur vintage, ou um simples cobertor Galliano de 2010 que nos assenta na perfeição, é o que basta para nos actualizar imediatamente.

 

Atenção: Os sem-abrigo só existem de noite e não fica nada mal acrescentar ao outfit um capacete com uma pilha incorporada.

 

Nada é mais agradável do que saber que Assunção Cristas comunga deste elegante saber estar, lendo as suas oportunas declarações que nos revelam que, tal como a Gaffe, calça muitas vezes botas e enfia umas calças muito práticas, prontificando-se desta forma a calcar o cocó que os pobres fazem na rua, nos seus momentos mais globalizantes que os aproximam da cultura mais rude dos indianos.     

A Gaffe fica contente ao perceber que se pode cruzar com Assunção Cristas nestas visitas purificadoras, muito jeitosas e que nos deixam livres para optarmos por um guarda-roupa mais descomprometido e relaxante, contrário ao que tantas vezes nos é imposto pelas convenções sociais e que nos faz parecer saídas das fotografias de um século passado. O lazer que nos traz a possibilidade de usarmos o mais descomplexado, o mais jovial e descontraído, é muito descurado neste país que também esquece, paradoxalmente, que uma mulher de saia travada dificilmente cumpre o seu dever, como nos alerta Gonçalo da Câmara Pereira.

 

Como é evidente, a Gaffe concorda com Câmara Pereira. Uma saia travada prende imensos movimentos - muitas vezes os melhores - e é também desaconselhada quando a mulher assiste a uma tourada, depois de cumpridos os seus deveres domésticos. Uma rapariga senta-se naqueles estrados muito baixos, fica indecorosa e é evidente que pode causar alguma distracção na testosterona da arena. Uma saia travada é muito mais indicada a uma noite de fado, depois de cumpridos os nossos deveres domésticos - nunca é exagero repetir.

 

É uma alegria ver que Gonçalo da Câmara Pereira se une a Assunção Cristas na corrida à Câmara de Lisboa! Finalmente a capital tem a hipótese de se ver governada por um dueto saído de uma opereta, com um guarda-roupa irrepreensível.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe sempre alerta

rabiscado pela Gaffe, em 13.05.17

D.Ho

Num dia de grandes expectativas e de duplamente esperadas alegrias, a Gaffe não pode deixar que a euforia previsível apague a solidariedade para com os que sofrem.

A Gaffe não hesita em aderir ao grupo piedoso e sempre alerta que não se cansa de nos recordar, no meio do bacanal de cores e de cantigas, que existe sempre, algures, uma alma que sofre e um corpo  que padece, reportando-nos desta forma para a miséria que somos e para o pó que seremos.

 

Não ousando plantar aqui - porque demasiado doloroso -, um testemunho crudelísismo de um sofredor, a Gaffe sugere que todos os que transportam no coração a consciência do vácuo que nos é destinado e da consequente futilidade da alegria, cliquem na imagem e meditem.  

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe centenária

rabiscado pela Gaffe, em 12.05.17

fatima2_orig.png

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe finalista

rabiscado pela Gaffe, em 10.05.17

zzzz.gif

 

A Gaffe também assistiu ao Festival da Eurovisão e apenas com Salvador Sobral sentiu que havia um espacinho para escapar da festa de arromba dos finalistas do 12º ano em Lloret de Mar, unida à feira da Ladra com salpicos de bacanal de despedida de solteiro estrelada por uma Micas del Vale del Fuego, bailarina de varão. Apenas com Salvador Sobral e com Amar Pelos Dois se conseguiu respirar durante uns minutos sem receio de, logo ali, nos enfiarem na garganta um pé, ou uma perna, ou uma mama, dos sucessivos acrobatas vocais e das respectivas coreografias pirómanas.    

 

Passemos a revista às tropas:

 

Azerbeijão

Uma Lady Gaga de quintal urbano que não sabe onde enfiar o gado, mantendo o cavalo quieto com a gritaria pretensamente dark.

Suécia

O Ken na passadeira com uma canção banal a lembrar os idos 80.

Grécia

Dois belos bailarinos de tronco nu e de pila apertada para desviar as atenções da porcaria da canção. Conseguiram.

Polónia

Não me lembro, mas sei que tive receio de ver entrar por ali dentro as cooperações de bombeiros de serviço.

Arménia

Também não, só sei que também gritou até vir o Chico – não o da Sobral, mas o da expressão portuense - segura que era Kali que desabou ali por engano. 

Austrália

A mãe devia ter tentado impedir o menino de fazer figuras tristes imitando o Bieber aos berros. Os adolescentes sozinhos são por norma parvos. 

Moldávia

Um bando de bacanos com uma canção toda bacana. É fácil esquecer o quanto se divertiram a cansar-nos.

Chipre

O Robbie Williams de pacotilha a esganar uma versão menor de Party Like a Russian.

Bélgica

Uma voz grave e bonita numa canção interessante. Estou ansiosa por a ver na final a desabar em lágrimas e a chamar pela mãe.

 

E depois Portugal com Salvador Sobral a provar que uma melodia que vai buscar aromas aos anos 50, à Bossa Nova e ao Jazz, pode ser interpretada apenas com o coração todo inteiro em cada palavra.  

 

Tão lindo, Salvador! Gostei tanto da tua camisola!

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe a "Amar Pelo Dois"

rabiscado pela Gaffe, em 08.05.17

pink.gif

 

A véspera dos acontecimentos é a derradeira oportunidade que temos de falar deles correndo o risco de nos enganarmos.

 

Neste pressuposto, mas sabendo que não haverá engano posterior, chegou o momento de falar de Salvador Sobral.

 

Li e ouvi elogios rasgados à canção – incluída na área do Jazz-pop, segundo os especialistas - que irá representar Portugal no festival da Eurovisão, ao mesmo tempo que ouvia e lia imensas patetices maldosas que incluíam a condenação da letra por se revelar apologista da anulação, por amor, de alguém a favor de outro alguém e de certa forma publicitar este revoltante estado ou predisposição. É inútil fazer com que estes exigentes críticos reconheçam que o Fado ficaria sem uma fatia substancial do seu repertório se abolíssemos todas as estrofes que assumem a escolha desta desistência em favor do outro, ou com que ouçam uma das mais extraordinárias canções de amor jamais escritas, porque suspeito que o …

 

Laisse-moi devenir 
L'ombre de ton ombre 
L'ombre de ta main 
L'ombre de ton chien 
mais, ne me quitte pas.

 … Seria retirado do poema por apelar à bestialidade.

 

É uma argumentação paupérrima, parola e medíocre e não pode ser tida em consideração.

 

Ao lado, mesmo ao lado, está a censura à forma com que Salvador Sobral se coloca em palco e interpreta a canção, aliada a uma revoltada denúncia de sobrevalorização da sua voz.

Concordamos todos. Salvador Sobral não é Ricky Martin. Felizmente.

 

Seria muitíssimo proveitoso rever o concerto de Salvador Sobral transmitido pela RTP1 no passado Sábado, porque ali descobrimos a inutilidade de todos estes beliscões daninhos.

 

Seria muitíssimo interessante que neste exacto concerto ouvíssemos a versão de Nem Eu de Dorival Caymmi, porque é nesta reinterpretação que Salvador Sobral prova uma extraordinária sensibilidade, mesclada com um humor requintadíssimo, entregue em diálogo inteligente e sapiente com o piano que reconhece a dádiva total do intérprete a cada palavra dita - e sentida - sem equacionar qualquer manuseio mais consentâneo com o bambolear de ancas de Ricky Martin e atingindo com uma facilidade deslumbrante as notas mais agudas, sem sequer danificar por breves segundos a suavidade e o veludo da voz.

 

Salvador Sobral é ele todo inconfundível. Nada de tonto se sobrepõe a sua capacidade vocal e interpretativa.

 

No eterno festival de gritedo desalmado, de ruído de coxas e de plumas a voar em crises epilépticas, defendendo uma canção que dignifica aquele lantejoular repetitivo, finalmente actuará um cantor de excepção.  

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe num futuro composto

rabiscado pela Gaffe, em 26.04.17

tumblr_mxcaw74ZUB1rdfgw4o1_250.gif

Depois de ter verificado, nos instantes anteriores à piscadela de olho de José Rodrigues dos Santos, se estou compostinha, com um pijama inócuo, de perninhas fechadas e botão apertadito, sem qualquer expressão que permita supor intenções mais marotas e ter confirmado que não estava prostrada no sofá numa pose susceptível de despertar a libido do cavalheiro ou parecer que no fim do telejornal nos encontramos para ardentes trocas de informações de carácter mais manual, deparo-me com uma certeza que me deixa perplexa.

 

A comunicação social vai procedendo à substituição do alegadamente pelo uso do futuro composto, abolindo o presente, o passado, ou mesmo o imperfeito, dos tempos verbais que se esperam numa notícia dada depois de confirmada até à exaustão.

 

A baleia que terá dado à costa e que vemos esbardalhada no areal, poderá não ser a baleia que terá dado à costa, mas poderá dar-se o caso de ser o senhor deputado Carlos Abreu Amorim que terá decidido passar uns dias na praia. O assassino ensanguentado, com a cabeça da vítima debaixo do braço e a reivindicar a autoria do crime como um desalmado do Daesh, poderá ter sido o mesmo que a Patrícia Vanessa terá filmado a esquartejar o cadáver - que terá sido morto antes de ser supostamente cadáver -, alegadamente com o telemóvel, da suposta varanda que terá vista privilegiada para o ocorrido. O senhor com o equipamento que poderá estar em uso na GNR - chama-se especial atenção para o modo como a farda lhe assenta lindamente -, banhado em lágrimas a jurar que o carro esfrangalhado que ali está foi o que se estampou contra um poste - num alegado acidente que poderá ter causado uma vítima supostamente sem gravidade que pode ter sido levada para o Hospital -, poderá ser a Princesa Diana que terá muita experiência nestas ocorrências.  

 

Esta feira de probabilidades entregues ao público que as consome sem apelo nem agravo, este arraial noticioso pejado de incertezas e de hesitações, comprovativo da incompetência - e do medinho do processo em cima -, dos jornalistas que escolhem o balancé do poderá ser assim, mas poderá ser que não, é transversal a toda a comunicação social e faz pairar sobre a cabeça do alegado profissional que oscila desta forma o halo dos inocentes sem compromisso assumido, sem certezas incontestáveis, isentando-o da responsabilidade e da obrigação de se confirmar o que é noticiado, revelando ao mundo que poderá ter estado ali, mas que poderá não ter estado. Nestes casos, é a mesma coisa.

 

Seguindo esta linha de prática jornalística tão em voga, decido ilustrar estes rabiscos com uma imagem que alegadamente não tem nada a ver com o que está escrito. Poderá ter sido por não ter encontrado outra melhor, poderá ser por supostamente ter havido um desencontro com a mais adequada e poderá ser que não, podendo ter sido por considerar que se piscar um olho no final deste fraseado, o que escrevo se torne confirmado.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)


foto do autor