Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe vigiada

rabiscado pela Gaffe, em 20.07.17

Vivian Maier.jpg

Após um processo complexo de negociações - e ligeiramente ronaldesco -, a minha sobrinha foi afastada do frio nórdico onde se aquecia ao colo da mãe e entregue à atmosfera gelada da minha irmã que se tornou sua tutora, reservando ao meu irmão, pai da criança, o papel de vigilante, supervisor e garante do cumprimento das normas estabelecidas pela tutela que durante as suas prolongadas ausências não confia nem nos peluches que a criança escolhe.

 

A adaptação da menina à sua nova forma de viver foi rápida. Depressa se moldou à figura que a domina, adquirindo, por mimetismo, a capacidade de vergar, de manipular e de, tantas vezes, chantagear aqueles que a mimam sem autorização, como se o seu afastamento da origem e a aproximação ao poder lhe tenham dado a prerrogativa de desobedecer soberanamente.

 

É de uma beleza encantatória, mas talvez demasiado silenciosa e excessivamente controlada, como se bastasse surgir, tocando com os dedos no tampo dos móveis, arrastando a luz que vem com ela de um exterior menos soturno, para que todos os olhares tombem na teia com que vai urdindo os dias sem brincar.

 

Admito que a ligação que tenho com esta criança é de quase receio, de quase arrepio. Não que a pense sinistra ou saída de um sonho mais ínvio ou mais funesto – tão longe disso! -, mas porque acabo sempre cativa dos seus divagares mudos, dos seus gestos lentos e da sua aparente fragilidade, contrariada pelo modo quase áspero com que lida com os poucos amigos que a idolatram.

 

Há dias, ao jantar, a menina ficou muito quieta, a sorrir, de olhos fixos no espaldar de uma cadeira longe da mesa.

Perguntaram a razão do pasmo e do sorriso pateta.

- Está ali o Zé Luís, sentado. Estou a olhar para ele.

Ninguém se alterou. Ninguém se virou para conhecer o Zé Luís. Os talheres moveram-se com a lentidão e a indiferença habituais. Apenas eu fiquei atónita.

- E o que está a fazer o Zé Luis, sentado ali na cadeira? – arrisquei, mesmo sabendo que podia ser trucidada ao cometer o erro de me imiscuir e perturbar a serenidade do jantar atribuindo atenção a um devaneio de uma criança demasiado imaginativa.

- Está a vigiar-vos.

 

Confesso que me perturbou.

A resposta saiu convicta e eivada da tranquilidade que provém do hábito e foi essa insinuação de certeza, que é consequência daquilo que se tornou rotineiro e mais banal, que fez vibrar o que devia permanecer gelado nos olhos da minha irmã.

- Os teus amigos imaginários podem sentar-se onde quiserem, mas não podes trazer esse para dentro de casa. Estás proibida de brincar com gente mal-educada.

Saiu depois. Interrompeu o jantar.

 

A criança ficou quieta.

Tentei sorrir. Pousei a mão na cabeça da menina e comovi-me.

A infelicidade daquela criança era chocante, e porque a infelicidade em demasia quando infligida a uma criança, impede-a de conhecer a fronteira entre o amor e o desamor, avistei-lhe dentro dos olhos o glaciar que se formava lentamente.

Percebi então que aquela menina vai sem dúvida cumprir o estipulado. Crescer em demasia. Desmesuradamente só. Sem ter quem a vigie.

 

- Podes brincar comigo e com o teu amigo no meu quarto. Fica um segredo nosso.   

 

Foto - Vivian Maier

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:


26 rabiscos

Imagem de perfil

De Alice Alfazema a 20.07.2017 às 16:47

Eu na escola onde trabalho também tenho segredos destes, há miúdos assim com amigos imaginários, não posso provar que sejam imaginários, pois eles revelam detalhes iguais um dia após o outro, dizem os entendidos que pedagogicamente devemos ignorar, mas eu não sou entendida no assunto, portanto não quero saber. :)

Quando a solidão for embora o Zé Luís também vai.
Imagem de perfil

De Gaffe a 20.07.2017 às 16:55

Não me importo muito que o Zé Luís fique. Desde que o consiga conhecer, ou que me seja dada a hipótese de o conhecer.
Imagem de perfil

De Alice Alfazema a 20.07.2017 às 17:14

Num destes dias estarão as duas sentadas no sofá, com o Zé Luís, a ver televisão e a comer um daqueles bolos de caneca feitos com chocolate. :)
Imagem de perfil

De Gaffe a 20.07.2017 às 18:15

Olha que acho isso um bocadinho assustador ...
Imagem de perfil

De Pequeno caso sério a 20.07.2017 às 19:22

Nada acontece por acaso.
Provavelmente o Zé Luís apareceu para que impedisses que a tua sobrinha continuasse a crescer desmesuradamente só.

Lembras - te da árvore que te "incumbiram" de preencher ? Pois bem. Ajuda a tua sobrinha e estou certa que verás nascer muitas folhas .
:)*
Imagem de perfil

De Gaffe a 20.07.2017 às 20:37

Esta árvore é bem mais complicada. Tem muros em redor.
Imagem de perfil

De Pequeno caso sério a 20.07.2017 às 21:13

Nada que não consigas derrubar.
Não sei se já deste conta mas tens jeito com as pessoas.
;)*
Imagem de perfil

De Gaffe a 21.07.2017 às 13:00

Deus te ouça.
;)
Em relação ao jeito que tenho com as pessoas ...
... tem dias...
Imagem de perfil

De Kalila a 20.07.2017 às 19:35

Essa criança precisa urgentemente de uma tia amorosa, amiga!
Imagem de perfil

De Gaffe a 20.07.2017 às 20:36

Para ser sincera, acho que tem duas. O problema é que uma é demasiado tonta e a outra tem de compensar.
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 20.07.2017 às 19:48


Comento, somente, que a Gaffe, estando por perto, vai, certamente, ser o seu apoio, a sua confidente e vigia.


Imagem de perfil

De Gaffe a 20.07.2017 às 20:33

Ah! Entrega-me uma missão que não sei cumprir.
:(
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 20.07.2017 às 20:36

Tenho a certeza que sabe.
E ela precisa de si.
Acho que vamos ler muitas histórias lindas de tia e sobrinha.


Imagem de perfil

De Gaffe a 20.07.2017 às 20:39

Não sei se tenho mais coragem. Fiquei sem forças quando lutei por mim.
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 20.07.2017 às 20:43

Tem coragem, sim.
Surpreenda-se.
As forças estão guardadas e a Gaffe sabe onde.
E eu desejo muito que este carinho e amor sejam a felicidade de ambas.
Imagem de perfil

De Gaffe a 20.07.2017 às 20:48

:)
Talvez tenha exagerado. A menina está muitíssimo bem "entregue". Será uma mulher fantástica.
Sem imagem de perfil

De A Uva Passa a 21.07.2017 às 10:33

Que texto tão soberbamente escrito. Primeiro.

Segundo: fiquei, confesso, mais presa ao Zé Luís do que à menina, que sei muito bem acompanhada.
Quem é o Zé Luís? Não sei se percebo isso dos amigos imaginários se sentarem em cadeiras.
Falo sozinha desde miúda, por ser filha única (e um tanto louca), mas os meus amigos imaginários nunca tinham assim nomes tão concretos - e desapareciam quando estava com outras pessoas.
Zé Luís é um nome mais estranho do que o 'Zé Luís' em si.

Vou ver melhor esta temática.
Um abraço.
Imagem de perfil

De Gaffe a 21.07.2017 às 12:57

Foi exactamente isso que me perturbou. O nome concreto, dito sem mais delongas e claramente definido.
Acredita que no dia seguinte andei a pesquisar. Não há por aqui crianças com este nome. A maioria são raparigas.
A casa dos meus avós é personagem principal de algumas lendas, mas não têm tanta particularidade nem referem um nome específico.
Fui mesmo - feita parva - a arquivos - até orais - e não encontrei nada. O único Z. Luís que achei foi um jovem que morreu em 1915. Tinha pouco mais que 20 anos. Não encontrei nada que o distinguisse ou tornasse interessante.
Estranho é a menina ter dado um nome tão específico e de certo modo tão estranho, por ser tão banal e tão concreto, a um amigo imaginário. A menina não conhece assim tantos nomes portugueses, para no meio encontrar este. Deve-o ter ouvido num relato qualquer ou numa história contada.

Seja como for, vou estar atenta.

(Fico muito contente por te encontrar aqui. Admiro muito o que escreves.)
Sem imagem de perfil

De Cuca, a Pirata a 21.07.2017 às 15:49

Post maravilhoso, como sempre.
Eu também não quereria o Zé Luís lá sentado a vigiar as pessoas da casa...
Não é emprego adequado a amigos imaginários.
Há que por essa miúda a escrever estórias.
Imagem de perfil

De Gaffe a 21.07.2017 às 19:13

É uma belíssima ideia!
Uma nova pirata a bordo da nau?

(Obrigada)

Imagem de perfil

De Corvo a 21.07.2017 às 20:19

É uma preciosidade humana, Gaffe.
Um excelente fim-de-semana.
Imagem de perfil

De Gaffe a 22.07.2017 às 08:25

Não sei se entendi, mas agradou.
Um belíssimo fim-de-semana.
:)*
Imagem de perfil

De Corvo a 22.07.2017 às 13:30

Claro que entendeu.
Um excelente fim-de semana e um excelente...tudo e sempre.
Imagem de perfil

De j.campião a 20.09.2017 às 21:25

Tocaste-me neste texto...
Imagem de perfil

De Gaffe a 20.09.2017 às 21:35

Vou tentar tocar com outros.
*

Comentar post



foto do autor




  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD