Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe cronista

rabiscado pela Gaffe, em 08.09.16

Ellen McDermott.jpg

Um dos primeiros livros que me foi dado a ler pelo meu avô chegou a estar incluído no rol de obras de leitura obrigatória nas Escolas Secundárias, implicando desta forma um estudo que apesar de quase sempre tacanho, redutor e confinado a aspectos linguísticos, semânticos e sintácticos que asfixiavam a dimensão literária dos textos, tinha pelo menos a vantagem de posteriormente evitar que confundíssemos o autor com um qualquer obscuro treinador de futebol.

 

A obra foi-me entregue numa transcrição que cuidadosa, rigorosa e responsável, nos poupava os anacronismos da linguagem que nos fazia sempre tropeçar e tantas vezes perder o sentido e a paixão com que a folheávamos. Creio que esta cautela foi de Oliveira Martins, mas posso estar a cometer um erro, tendo em conta que esta versão se encontrava na estante encostada às obras deste autor e o tempo que passou sobre a biblioteca da minha adolescência.

 

Falo de Crónicas de Fernão Lopes.

 

Descobri aqui dentro algumas das mais extraordinárias figuras que protagonizaram parte da História portuguesa, descritas com a perícia e o talento de um génio literário capaz de insinuar a intriga, o escuro, a perfídia e a traição com a mesma eficácia com que nos mostra o heroísmo, a abnegação e o sentido de honra.

Foi através das Crónicas, que encontrei senhores e súbditos, condenados e incensados, poder e servidão, guerra e não guerra, doença e cura e homens e mulheres que fizeram pulsar uma época e uma época que deles se serviu para adubar futuros.

Foi ali que me encontrei com uma das mulheres mais interessantes da História portuguesa. Leonor, mulher e rainha barregã de D. Fernando e que percebi que a ambição sem medida e a capacidade de nos movermos sobre a superfície dos gumes das facas e a de invadir territórios marcados pelo macho, exige muito mais do que uma beleza estonteante, uma inteligência dominadora ou do que a habilidade consciente de manobrar o pensamento, a emoção e o destino. Exige egoísmo. Um desmesurado e ofuscante egoísmo.

Foi ali que encontrei uma das minhas tiradas favoritas que ainda hoje não me canso de repetir e que descreve de forma genial a relação de Pedro o Cru, o primeiro de Portugal, com Afonso Madeira, o jovem de alaúde, por quem o rei nutria uma amizade inusual e mais que não se diz por ser verdade e que acaba castrado, castigo que infelizmente foi posto de parte, por ter traído com uma mulher o que a frase insinua.

 

Não encontro na estante a versão que o meu avô me deu a ler, aquela que não me fez colidir com os anacronismos, mas acabo por sentir bem perto algumas das figuras que povoam as Crónicas. Para escolher o nome dos netos, privilégio que o meu avô chamou seu sem qualquer hipótese de contraditório, abria as páginas de Fernão Lopes e fazia com que as novas mulheres e os novos homens desta casa tomassem a graça que primeiro encontrasse.     

 

Infelizmente, a página que abriu quando nasci, nomeava exclusivamente D. Fernando. O meu avô hesitou, abdicou, fechou o livro e decidiu-se pela graça da Princesa Santa, irmã de D. João II, porque era mais teimosa do que o poder do Rei.

 

Foto - Ellen McDermott

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:


12 rabiscos

Imagem de perfil

De M.J. a 08.09.2016 às 09:56

li parte obrigada pela obrigatoriedade do ensino.
adorei.
tive, fora de aulas, longas conversas com a minha professora de português e jamais esquecerei a multidão, o poder da multidão que ele
escreve a dado momento.
juro que sempre que vejo manifestações, revoltas e afins me lembro de como seria útil que todos soubessem do seu poder, em multidão.
Imagem de perfil

De Gaffe a 08.09.2016 às 10:14

O meu avô dizia que o modo mais fácil de dominar uma multidão é torturar ao longe, mas de forma visível, um dos seus elementos.

É assustador, mas suspeito que é verdade.
Imagem de perfil

De Corvo a 08.09.2016 às 12:11

Bom dia MJ.
particularmente penso que o poder da multidão em manifestações, daquelas de que tenho conhecimento, é que quanto mais pessoas envolvidas nela mais burra se torna cada uma delas.
Imagem de perfil

De Gaffe a 08.09.2016 às 12:12

Vou deixar a resposta para a MJ ...
;)
Imagem de perfil

De M.J. a 08.09.2016 às 14:59

são opiniões.
Imagem de perfil

De Corvo a 08.09.2016 às 15:29

Sem dúvida.
Valem o que valem.
Imagem de perfil

De Cecília a 08.09.2016 às 09:57

(infelizmente) hoje em dia muito não se faz por doer a verdade.

bom dia, Joana.

Imagem de perfil

De Gaffe a 08.09.2016 às 10:11

Bom dia, minha querida, (rápida na descoberta!),

A verdade esconde-se desde os primórdios. Doendo ou não doendo, a verdade é uma "coisa" fácil de fugir.
Imagem de perfil

De Corvo a 08.09.2016 às 12:42

Bom dia, mais calminha e menos enervadinha Gaffe.
Antes de mais há que definir a verdade.
Há duas qualidades de verdade. A nossa e a dos outros...pffffffttt!
Rápida descoberta para a sua leitora, para mim e para quem se interesse pela virtuosidade. :)
Depois a estranha coincidência, - ou talvez não dado em tempos não tão remotos quanto isso ter tido o privilégio de trocar impressões consigo sobre a ruiva Bess a quem a menina se associa numa passada encarnação - entre o bonito nome pelo avô para si decretado e a virtude inerente à inspiradora, a quase igual à da tal ruiva em cima recordada.
Eis no que reparo. Tanto na Bess como na Santa, sempre a virtude a prevalecer. Em ambas uma ideologia comuns: homens, o Inferno que os carregue.
Quer dizer, quase comum. Uma virtude assolapada e uma virtude assim mais para o condescendente. Um favorito mais transparente e uma dúzia deles mais obscurecidos.
Uma para o Convento e outra para corte e ambas derramando virtuosidade. E a menina pelo meio delas. Uma pela encarnação e outra pelo nome.
Ele há coisas.
Não que interesse muito e só a título de curiosidade. Se fosse possível às suas virtuosas associadas espreitarem os seus posts, não sei não se iam achar muita graça.
Imagem de perfil

De Gaffe a 08.09.2016 às 13:10

Antes de tudo, meu querido, EU nunca estarei "calminha" nem "enervadinha". Ou estou furibunda, ou perco as estribeiras.
Diminutivos nestas emoções não se ajustam a mim.

Depois, meu caro Corvo, a Beth I é sem dúvida a minha referência e a minha paixão. Fui Elizabeth the first algures no tempo.
;)
A Santa tem apenas o meu nome.
Se passassem pelas minha avenidas com certeza que a primeira se inclinaria e a segunda se benzeria. Duas posições a ter em conta, tendo em conta as personagens.
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 08.09.2016 às 12:58

Como eu gostei de ler as Crónicas de Fernão Lopes, estudo obrigatório no meu tempo de escola, mas agora esquecidos.
Muito interessante o seu avô escolher o nome dos netos nas páginas de Fernão Lopes.
Acho que vou procurar as crónicas.
Há clássicos que vale a pena voltar a ler.
Imagem de perfil

De Gaffe a 08.09.2016 às 13:03

Nunca as esqueci.
:)
A escolha dos nomes dos netos era um privilégio do meu avô que os recolhia nas "Crónicas". É fácil portanto adivinhar os nomes dos mais novos da família. A excepção fui eu!

Comentar post






  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD