Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe de pois

rabiscado pela Gaffe, em 07.12.17

443.jpg

Atentemos pois na imagem da mulher sentada que outra não conheço ou conheci denunciando o que é no que se vê.

 

Antes de o fazermos, é de conveniência considerar a luz de Inverno temerosa que na janela de guilhotina fechada desce o parapeito, encosta-se ao soalho, procura o tampo da secretária em mogno, ilumina a lâmpada do candeeiro apagado em abat-jour de sombra, distrai uma caneta, dois livros, a escultura de um mocho grande e negro e segue a ferocidade do azevinho na jarra gigante em colossais canos cortados da árvore que por imprevidência se deixou desumana na terra encostada a um muro da casa. Como um detalhe, um pormenor discreto ou amedrontado, vai tocar em risco o lóbulo da orelha da mulher, o brinco de pérola, o cabelo loiro de palidez imóvel, para se perder depois, pois que já não conta.

 

É de conveniência, o digo pois, atentar na luz, pois que a mulher é isenta de detalhes e é nosso desejo encontrar alguns na figura esguia sentada na poltrona. A luz é pois o pormenor em falta na camisola canelada e de malha fina, gola alta, em que a cor de ferrugem se abre no riscado luminoso que alaranja o tom e que amansa ao mesmo tempo a densidade anil das calças tubulares e atenua o desenho picotado dos conservadores sapatos masculinos.

 

Ignoremos, na parede atrás desta mulher sentada, o retrato antigo de outra mulher sentada, loira ela também, quieta no interior do bulício do vestido de seda pesada de azul de saia ampla de metros de tecido, que toca enluvada um colar de pérolas que quase flutua no seu pescoço afunilado para desaguar no colo descoberto branco e manso onde pousou sem desvelo uma mantilha de renda que abre sombras perfuradas nos laços do espartilho.

 

Atentemos pois na mulher sentada quieta, atenta, de mãos esguias e unhas ovaladas que atravessam a folha do que lê, com detalhes de luz por sobre o corpo magro, nu de pormenores, isento de desvios e não na mulher do quadro detalhada, pois se atentarmos na mulher sentada na poltrona, intuímos a outra, a do retrato.

 

Unem espaços.

 

A mulher sentada na poltrona é a lapidação do corpo dos lugares, a abolição do tempo que nos mata. O corolário de uma permanência que só os raros conseguem entender, pois que o entendimento dos símbolos escapa pelas fendas do agora e do presente.

A luz que risca o brinco da mulher sentada, é a mesma luz que toca as pérolas do quadro. A luz é a mesma, derrogaram-se apenas os detalhes.

 

É deste entendimento que o depois é feito, pois que o depois se existe, tem passado.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:


12 rabiscos

Imagem de perfil

De David Marinho a 09.12.2017 às 16:04

Bem, pelos poderes que me são investidos, seja feita a tua vontade :)

Comentar post



foto do autor








Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD