Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe na despedida

rabiscado pela Gaffe, em 06.09.13

 A Gaffe vai percebendo que o Verão se retira lentamente da sua esplanada. Os dias começam a reter mais sombras e adormecem cada vez mais cedo.

Para esvoaçar neste final acalorado de um estio repleto de luz escarlate da aventura, a Gaffe escolhe a seda fluida de uns calções pijama e a camisa branca do amigo transformada pela vontade de permanecer com o calor da cumplicidade junto a pele.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe revivalista

rabiscado pela Gaffe, em 28.07.13

Prada já tinha proposto uma imagem geometrizada, retrocedendo aos anos 60 através de um vago minimalismo contido nas peças de desenho puro, linear e básico, usado nos Verões dos miúdos dos colégios caros.

Os casacos zipados unidos a uma limpidez de forma e a calções justos a acabar no início das coxas, fazem a alegria do recreio e de nós, raparigas espertas, meninas de fitas largas no cabelo, mini-saias de rodelas de Rabanne e camisolas justas apertadas no desejo.   

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe e dois calções

rabiscado pela Gaffe, em 11.06.13

 

 

 

 

São fantásticos (não, não estou a falar dos peitorais dos meninos) os calções propostos por Orlebar Brown.

Um desenho absolutamente intemporal que evita a tanga com que o Tarzan de pacotilha nos faz clamar pelo auxílio da manada de gnus que são inevitáveis a atravessar o rio e a ser atacados pelos crocodilos em todos os documentários da especialidade, nem nos afligem com o bronzeado dos tornozelos adolescentes que conseguem equilibrar as bermudas já no início das coxas.

Apesar dos dias difíceis e cinzentos, é sempre radioso pensar que podemos encontrar espalhado pela areia o irrepreensível gosto dos rapazes que se transformam em homens, mesmo que o Verão seja o passado.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe repete-se

rabiscado pela Gaffe, em 17.05.13

 

De volta ao Verão e, repetindo-me, de volta à interessantíssima aliança do blazer e dos calções.

Assumo que, desta vez, não hesito. O azul é perfeito, a cor e as pernas do rapaz que se adivinham fazem com que a minha santa avó me repreenda e refreie os meus libidinosos pensamentos com um olhar reprovador atirado para dentro da minha consciência.

Há pequeníssimos pormenores que me fascinam. Os óculos com um travo vintage, o colarinho da camisa que desdiz a rigidez aflitiva de Lagerfeld e que entrega ao conjunto uma brisa atraente de estudada negligência, a gravata traçada com o discreto gancho de metal baço e a textura sóbria dos tecidos, fazem-me render por completo, apesar de continuar a pensar que um saco gigante, se o portador tem a envergadura do Marques Mendes, se arrisca a abalar toda a harmonia e a nos fazer duvidar de quem transporta o quê.

Um must em tons de azul, para pousar no ouro das nossas noites quentes e estreladas. 

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe alia-se ao imprevisto

rabiscado pela Gaffe, em 07.08.12

 

.

 

Pergunto-me se haverá incompatibilidade séria entre o uso de calções em simultâneo com um blazer e hesito, periclitante, na resposta.

Não é de todo fácil aguentar com o charme que exige esta aliança. O refúgio no clássico e reservado azul-marinho pode ser uma estratégia acertada, mas o conjunto obriga a cuidados acrescidos.

A segurança é imprescindível ao homem que se permite desafiar imagens de reserva e discrição inerentes ao casaco rigoroso e de cor consensual, com a adição de uma peça naturalmente pouco estruturada e em subtil contradição com a linguagem que se espera.

A imposição desta imagem cruzada e agradabilíssima não é compatível com tímidos rapazes que tentam passar despercebidos nos gabinetes em que contabilizam o défice. É sobretudo uma representação descontraída de um homem capaz de, em simultâneo, cumprir com eficácia os objectivos que lhe são propostos, com um humor que cria uma atmosfera simpática e desprendida e o recurso ao azul-marinho, no blazer, coadjuvado por uma cor neutra ou por um padrão minimal nos calções, solidifica a presença incontornável destas características.

É, como parece evidente, uma solução fácil, mas, por vezes, a elegância cruza a mais simples das resoluções e poucas vezes procura os caminhos ínvios da mais complexa e labiríntica das encruzilhadas.         

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe de calções

rabiscado pela Gaffe, em 18.07.12

A temperatura é implacável e os nossos heróis precisam de ajuda para escolher os calções que mais nos atraem e que podem desfilar perante o olhar atento das restantes raparigas sem as fazer girar os olhos de monotonia e de enfado.

Neste Verão, rapazes, procurem ser homens. Esqueçam as ceroulas largas e coloridas que se atrevem, cortadas pelos tornozelos, a esbanjar uma cansativa e exausta e estafada imagem de surfista incompetente, de havaiano deslocado, e assumam o charme indiscreto de uma burguesia deliciosa e máscula. Esqueçam os reveladores calções minúsculos que nos fazem adivinhar toda a vossa vida sexual e desejar nunca nos termos cruzado com tamanhas limitações.

Os calções são peças tão importantes como o mais distinto fato de cerimónia. Nunca se enfie na areia como lhe apetece, nunca chegue ao mergulho como lhe aprouver, nunca apareça como se sentir mais à vontade. Venha sempre melhor!

A praia, o mar, o calor e a areia não o ilibam. Os calções são o primeiro indício do bom gosto e da elegância, e jamais revelarão, se escolhidos erradamente, a capacidade de quem os usa de, após o sal o sol e o bronzeador, nos deslumbrar irremediavelmente.

Sejam comedidos e escolham os de medida certa.

Caso tenham o allure de aventureiro másculo e maduro, caso aguentem ser um flaneur agreste, com aroma a perigo e a vertigem, caso possuam a estrutura salgada de um indiferente e sensual vadio de romance e nó de marinheiro, caso resistam a uma imagem de vagabundo distante ao que é mais medíocre no pensar de alheios bronzes, então, rapazes, mostrem-nos como se faz uma canoa com linhos e padrões de seda pura e murmurem-nos ao ouvido o som dos búzios.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe de colorido brilhante

rabiscado pela Gaffe, em 02.07.12

Para que uma rapariga não se perca no princípio, foi cortada a cabeça a este pobre rapaz, embora, neste caso particular, termos ficado com material de sobra para perdermos a nossa.

Sei de fonte segura que as texturas com brilho serão, em 2013, uma epidemia e suspeito que as soluções encontradas para obedecer a esta premissa (fashion victims em alerta vermelho) não serão convincentes e me deixarão afogada de espanto.

No entanto, não posso deixar passar incólume a proposta de Dolce & Gabanna que une o útil ao extraordinariamente agradável neste exemplar onde a profusão de cor estonteante é realçada pelo brilho do tecido tecno.

Não acredito que possa ser usado por cavalheiros discretos, conservadores e com a propensão para abandonar o ginásio logo à primeira gota de suor, mas penso que não é descabido esperar que a cabeça que cortamos, mesmo por ginasticar, se apensa a um corpo similar ao que nos é dado como exemplo, possa arriscar invadir a nossa praia, enfiado, justo, numa proposta brilhante.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)


foto do autor








Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD