Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe depois da Páscoa

rabiscado pela Gaffe, em 18.04.17

14139.jpg

Ao fundo da alameda de mimosas fecharam-se os portões.

 

A manhã declina o encadear das sombras. Inclina-se devagar sobre a água do lago e num tocar escurecido trepa aos olhos do anjo de pedra. Venda-lhe os sussurros das árvores que oscilam pesando as horas ternas da indiferença do vento.

O azul da luz esgueira-se por entre as sebes como um lagarto que tem frio e um pássaro treme, como o peixe vermelho assustado pelo toque da minha mão na água.

Há sardinheiras a abrir. Novelos de hortênsias no anil de uma promessa e a relva cresce lenta como um gesto que se faz inútil por estar sozinho.

 

Se avançar, piso as pétalas que espalharam nas pedras para que o som das campainhas se misture com o perfume enjoativo que libertam esmagadas. Um corredor de pétalas com as geometrias traçadas por moldes de madeira. Um corredor de pétalas pisadas que não foi limpo, porque o Dia Santo é dia de descanso e há tempo nesta manhã em que se fecham os portões ao fundo da alameda de mimosas para cuidar dos restos da tarde da véspera.

 

Fecharam-se os portões.

 

O som das campainhas ecoa na copa das árvores. É esmagado pelo perfume da luz que se inclina para decifrar a cor das sardinheiras.

Ao longe, as tílias sacodem a poeira deixada pelo adejar das opas brancas e um teixo ergue-se para o céu como um crucifixo.

 

A manhã devolve-lhes o silêncio depois do Dia Santo.

 

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe situada

rabiscado pela Gaffe, em 04.04.17

casa.jpg

 

Há lugares onde ficamos presos para sempre. Como se quiséssemos ou como se fosse esse o nosso fado. Como importasse muito ter um chão, um céu ou uma árvore.

Há lugares onde acordamos sempre por mais longe que seja a nossa terra agora.

Há lugares imutáveis dentro dos nossos olhos, cegos nos caminhos que não temos.

Há lugares onde a água corre e onde morrem árvores e nascem depois árvores que vão depois morrer por onde passa a água. 


São os lugares que nos estancaram o peito no instante em que soubemos que o nosso chão, as nuvens e as árvores que morrem por onde a água escorre, são apenas os braços dos abraços que perdemos. 


Vamos para dentro.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe coincidente

rabiscado pela Gaffe, em 21.03.17

640.jpg

 

Foi exactamente numa tarde em que a minha avó se mantinha ocupada discutindo com todos a propósito da falta de limpeza do jardim, repleto de silvas capazes de estraçalhar os dedos mais calejados, que arrastei o quadro - que me parecia gigantesco - para o cubículo.

 

Não foi tarefa simples.

 

A casa andava nervosa com o alarido da minha avó e ninguém se preocupava comigo, ocupados que estavam em mastigar maldições e a mascar insultos. A minha mãe, no andar de cima, próxima das beladonas, ausente mais uma outra vez e a minha irmã, lá fora no jardim, tinha tido a bondade de começar a brincar com o único miúdo que aguentava a sua maldade. Os dois pareciam entender-se. O rapaz gesticulava mimando uma mudez idiota e ela sorria e pulava e corria junto das silvas que tinham despontado na fúria da avó, exactamente porque a neta, num dos raros momentos em que se divertia, corria o risco de ser arranhada.

 

A minha preocupação não se ligava ao perigo de ser descoberta no meio do meu crime. Tinha mais a ver com o modo de arrastar o quadro pesado que se revelava muito mais custoso do que eu julgava. A resistência que me oferecia acicatava-me o ódio e enfurecia-me a vontade de o massacrar. Representava uma mulher oitocentista, mas longe de Watteau, tal os tons escuros, sombrios, obscuros, poderosos e quase sinistros. Os braços nada maleáveis pareciam um incómodo e o vestido rígido não permitia imaginar um movimento que o vestisse. A tela, descoberta por acaso, permanecia encosta à parede da sala grande à espera de ser avaliada.  

 

A maneira mais fácil foi arrastar o quadro pelo soalho. Para o retirar e fazer com que chegasse ao cubículo, tinha de atravessar a sala grande que funciona como centro da casa por ser nela que se abrem as outras divisões e todas as escadas. O soalho é de tábuas grossas e grandes, velhas e irregulares, enceradas quinzenalmente sob a vigilância da mulher mais velha. A tela, no exacto ponto em que as pintadas fitas de cetim trepavam pelo vestido, ficou subitamente presa algures. A criatura resistia e não havia tempo a perder. Num puxão violento as fitas foram arrancadas, separadas do vestido por um rasgão medonho.

 

A tremer tentei salvar-lhe o tecido, mas o cetim tinha ficado irremediavelmente estraçalhado. Um golpe pingava fios e havia um arrepanhar da tela parecido com uma ferida mal cicatrizada. Já aflita, continuei a arrastar a minha vítima.

 

Quando consegui enfiar o quadro no cubículo senti uma sorrateira vontade de chorar a espreitar-me a garganta e a fugir-me pelos olhos. Sabia que o crime que tinha cometido dificilmente teria perdão e começava a temer as consequências. Um friso de luz coada atravessava a cara da mulher pintada, tocando-lhe na orelha, caminhando por uma das maças do rosto, seguindo tangente a uma das asas do nariz, esboroando-se na parede logo depois de lhe roçar o início do lábio superior. Foi então que retirei do bolso o lápis grosso das contas da cozinha que me haviam dado por pequeno, e segui com a grafite romba o caminho da luz. A senhora olhava-me, dentro da penumbra, impotente e humilhada. As pestanas quase buliram enquanto o traço se ia desenhando unido à fronteira que agora era marcada nítida entre a luminosidade e a sombra, mas mais nada interferiu no meu crime. Seria perfeito se, depois de ter recuperado a respiração e tomado consciência de que era obrigada a fazer o trajecto de volta, a portinhola do cubículo não se escancarasse e não tivesse sido agarrada de forma violenta pela minha avó.

 

Pousou-me no chão sem qualquer palavra, encostou-me a um canto e retirou o quadro do buraco. Os seus olhos aguçados cravaram-se no risco e eu já sentia as paredes abanadas pelo medo e alfinetes por toda a minha pele, a minha avó rodopiou com a tela presa no braço, afastando com o braço livre as mulheres esbaforidas que a seguiam, atravessou a sala e desapareceu.

 

Fiquei quieta. Já não sabia se o que corria pela minha cara era a vontade de chorar que havia sentido durante toda a cena. Sentia que se me movesse as paredes viriam contra mim, apertando-me até sufocar e no entanto via a sala crescer desmesuradamente, encher-se de espaço e de ar que, de tanto, me asfixiava.

 

Nada estava acabado. A atitude da minha avó estava incompleta. Esperava o final. Vê-la surgir já sem o fardo e fazer da minha vida um trapo sujo. O tempo de espera ajudou-me a preparar a morte. Controlei o ar e as paredes e estava heróica quando a porta da frente, a que dava para o exterior, se abriu com um barulho de inferno. Por ali dentro entrou a minha mãe e percebi que o mundo tinha acabado naquele exacto instante. Pela mão trazia a minha irmã. Senti vibrar o ar em redor delas. Havia picos a rodar as silhuetas e perigo no queixo erguido e nas narinas dilatadas da minha mãe. Entraram como duas bruxas. Uma maior, outra a voltear arrastada. Foi quando ultrapassaram a soleira, deixando a contraluz, que me apercebi que havia outro erro. Não era eu o destino da fúria. Os olhos da minha mãe atravessaram-me, mas continuaram a busca. Foi a minha irmã, que se debatia a tentar partir a tenaz dos dedos da mãe, que me fez compreender a razão da minha aparente impunidade. Tinha na cara um largo, negro, sujo risco traçado a carvão. Mais grosso que as minhas estradas feitas na terra do quintal para ligar formigueiros, o risco nascia na orelha, caminhava por uma das maçãs do rosto, seguia tangente a uma das asas do nariz e esboroava-se no início do lábio superior manchado de sangue.

 

O miúdo que com ela brincava no quintal, e que havia sido o responsável pelo desenho e pela ferida, esgotada a paciência com que devia ser tratada a companheira, foi banido para todo o sempre.

 

Encontrei-o largos riscos depois, numa mostra de arte naïf.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe com o longe à espera

rabiscado pela Gaffe, em 17.03.17

07.jpg

 

A sanha reformadora da minha irmã atrasa a minha partida planeada há tempos.

Reforma, reestrutura, reorganiza, redecora, arrasa e refaz o meu antigo apartamento, vazio desde que eu quebrei, já lá vão anos.

 

Não é conveniente arrastar uma fragilidade para o lugar exacto onde outra foi atingida, estilhaçada e assolada.  


Aguardo com a placidez dos mansos, dos que ruminam a paciência nos prados do sossego.  


A minha espera é como um gato gordo e indiferente. Dorme entre os afagos que despreza e sorrateiramente destrói as almofadas.  

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe tem visitas

rabiscado pela Gaffe, em 17.02.17

711.jpg

 

Chegou ontem ao fim do dia a melhor amiga da minha irmã.

 

Deparo-me a observar com minúcia as duas mulheres e percebo que o abrandamento dos gestos da anfitriã é propositado. Mistura-os com o silêncio cúmplice que se imiscuiu entre as duas e fá-los pesar sobre os outros.

São dois animais atentos. Vigiam-nos através desta espécie de mutismo claramente controlado pela minha irmã que domina a relação. Basta a lentidão do movimento com que enrola nos dedos as fiadas de pérolas que contrastam como um insulto com o azul-cobalto do vestido, ou o modo como aceita que a visita lhe abrase o cigarro como se aceitasse uma oferta pagã, para que se perceba o jugo.  

 

Há uma decadência subtil imersa em luxo que me fascina e me neutraliza, como se na minha frente um inviolável mistério me confrontasse com a nudez quase agressiva mas impossível de decifrar das duas mulheres.

 

Uma nudez coberta de gestos lentos e de cigarros iluminados. Uma nudez esguia e loira que se move nas torções de um colar de pérolas com que estrangula a mutabilidade das cumplicidades.        

 

Uma outra nudez que traz toda a Renascença nos cabelos. Andamos de gôndola branca sob colchas escarlate das varandas sempre que nos olha agudizando a densidade da beleza com a eterna suspeita de incesto a pairar sobre ela.

 

Chegou ontem ao fim do dia a melhor amiga da minha irmã.

 

Exilada em Florença, branca, gelo branco, recolhe as mais dolorosas rosas das mãos dos homens morenos que despreza enquanto na cama antiga de lençóis com rendas o esguio e pálido irmão, nu, longe adormece.

 

Há segredos pousados no pescoço dos deuses que fazem da vida um perfeito romance.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe à portuguesa

rabiscado pela Gaffe, em 17.01.17

gozel-goyercin.jpg

 

Nos primeiros Domingos de Inverno, amontoa sobre a mesa as carnes e os enchidos.

As batatas, as couves e as cenouras num cesto de verga pousado no balcão.

Torna-se soberana no confuso domínio. Critica o modo como foram curados os nacos de porco e leva ao nariz as chouriças de sangue e de colorau à procura da origem do fumeiro. Desaba com cutelos sobre o frango caseiro, que o matou ela sozinha e sabe que o criou para este fim e trucida as postas de vitela, a carne entremeada, com faca de assassino, cabo de madeira e lâmina que primeiro afiou, e arrepiou, contra uma outra. Quebra costelas, chamusca a orelheira, golpeia com a força de titã, focinho e chispe e de mãos sangrentas e ar de psicopata dá destino cru à carnificina misturando tudo na panela enorme com água a ferver medonha de bruxedos.


Depois suspira.

 

Enquanto espera descasca as batatas gordas e as cenouras.

- Só começa a cheirar bem, menina, quando lhe enfiar os enchidos.

 

Pica com um tridente as carnes a ferver. Toma-lhes o gosto. Nada de sal. Perturba a natureza do cozido e os enchidos bastam para disfarçar a vaga.

Na outra panela cozem-se batatas. As cenouras adocicam a luxúria e as couves moribundam verde-escuro.

Num arremesso, empurra com os dedos mergulhados no caldo que borbulha todos os enchidos que critica.

- Olhe que bem que cheira!

Eu olho e pasmo. A cozinha parece engravidar de odores. Barriga de luxúria que a dona acaricia com mãos de pedra e olhos de matrona benevolente e farta.   

 

- Agora é só vazar para as travessas. A menina vá chamar as suas gentes, que está pronto.

 

Rega com a água em que ferveram carnes, as batatas, as couves e as cenouras que dispostas em redor fumegam estafadas e ergue em triunfo a travessa enorme, pesada de aromas.

 

Eu como sem alma, sem dó nem piedade, sem pudor ou termo, sem pejo ou clemência. Como até morrer ou pensar que morro de tanto comer.

- Guarde um lugarzinho para o leite-creme. Está como gosta, torrado com açúcar, mas do mascavado. É um gosto vê-la! Só de a ver comer, ficamos sastisfeitos. Bem se vê, menina, que é mais portuguesa que o resto dos outros. Só comem cenoura e debicam umas niquices de passarinho-pombo. Um desperdício, Deus lhes valha!

 

De braços cruzados sobre o avental, de sorriso aberto e olhos com luzes que piscam e tremem e tremem e piscam, sabe que cozinhou para mim e apenas para mim, que os outros que restam debicam pieguices e são passarinhos.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe anciã

rabiscado pela Gaffe, em 11.01.17

biblioteca.jpg

 

Escondia-me no minúsculo compartimento, mandado construir por ordem da minha avó, no vão das escadas. Ouvia as mulheres de lá para cá, à minha procura sem muita vontade, cada vez mais lentas, até desistirem e se sentarem a um canto onde mastigavam o silêncio.

Era ali, apertada e abafada, que sentia poder viver naquele sítio para sempre. Subdividia o chão e destinava espaços para os meus brinquedos mais importantes. A luz que escorria das frinchas da madeira traçava no chão do cubículo compartimentos onde seria possível construir histórias independentes. Quase imóvel, movia-me. Os meus olhos corriam desenfreados procurando não perder nada do que se passava no chão. Durante horas brincava sem me mover, sentada no chão, de cabeça pousada nos joelhos.

 

Por vezes espreito o despovoado que ficou depois do abandono. As tardes da memória voltam outra vez. Aproximam-se voando como minúsculas folhas de papel desenhado que vou colando à toa, sem qualquer critério. Nunca fui uma boa coleccionadora. As estampas da minha infância foram todas amealhadas em parceria com outros que acabavam por ficar com as colecções completas e com a minha anuência. Não sei catalogar tudo o que encontro cá dentro, mas apuro todos os sentidos quando procuro aquela em que o meu avô me encontrou.

 

Era franzina. Magricela. Tinha olhos transparentes de espanto e timidez e labaredas corajosas no cabelo. Segurou-me no colo e prometeu que me daria um lugar melhor para eu ficar e que seria meu para todo o sempre.

 

Deu-me a biblioteca.

 

Sem que eu percebesse, o meu avô iniciava naquele instante a minha aprendizagem literária.  

 - Lê primeiro os velhos. Não conseguirás crescer se não souberes por onde começar. Ao contrário do que te dizem, os velhos são sempre o lugar de onde partimos. São sempre o início de qualquer coisa tua.  

 

Depois, já mais crescida, envelhecíamos juntos nas alamedas do jardim.

Encostava a cabeça ao braço dele, depois - primeiro o pé esquerdo, depois o outro, depois os olhos, depois os dedos, depois cada palavra pisada no caminho -, íamos envelhecendo o coração.

 

Mostrou-me Fernão Lopes que mais não disse por ser a verdade, fez-me ouvir os sons das batalhas nos Lusíadas, ouvi o Padre e fui também um peixe, ri-me com Eça dentro do riso que me ia guiando, atravessei países, conheci Cervantes e corri ao lado das irmãs Brontë.  

 

Dante. Shakespeare. Balzac. Proust. Mann. Elliot. Joyce. Auden. Musil. O maldito Celine. Mallarmé. Baudelaire. Shelley. Withman. Keats. Byron. Os Gregos. Os russos.

Os outros velhos todos por onde me perco por não saber dizê-los.   

Assim. Misturados. Como se surgissem à toa e sem critério nos lanhos de luz do esconderijo para que os ouvisse a contar histórias.

 

Era frágil e franzina. Tinha olhos transparentes de espanto e pequenez e labaredas tontas no cabelo. Ele segurou-me no colo e deu-me o melhor lugar para eu ficar.

Agora é meu e sei envelhecer.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe no início

rabiscado pela Gaffe, em 02.01.17

início.jpg

Levanto-me cedo. À alameda deste silêncio, chegam as primeiras sombras das tílias rendilhadas.

A luz é uma torre de marfim erguida nos socalcos do início da manhã.

 

Embrulho-me na samarra do Domingos. A samarra que visto como se fosse o sobretudo de Bogart. Encosto o corpo à pedra. A casa é fria, a cal é branca. Há portas dormentes farejando o gelo. Há espelhos descobertos erguidos pela sala com reflexos de socalcos cinzentos e esfumados pela névoa.

 
Erguem-se as vagas brancas deste início plano e o brilho leitoso dos começos sobrevoa a mão do anjo de pedra que toca a superfície do lago.

O silêncio tem cor. Este azul de palidez de mortos que trepa as escadas como um cão ferido.

 Não quero que a manhã suba aos meus dedos e abra crisântemos no meu corpo.

Gostava que tudo fosse azul-escuro e que pelo silêncio ainda calado, viessem falar-me da neve.

 

Ainda é tão cedo.


Senta-te aqui, na pedra, junto a mim. Vieste para me ver, não foi mulher? Conta-me então histórias, como sempre fazes. Habituei-me a ti e já não tremo quando sinto no cabelo as facas dos teus dedos.

Conta-me histórias.

Vamos, velha doida!

Primeiro aquela em que eu sonhava ser menina grande e ter um Norte. Depois a do vadio que apanhava conchas no areal para fazer delas barcos no chafariz da Praça ou mesmo aquela em que um bêbado por desejar a lua se afogou no mar na noite em que ela veio flutuar na água.


Se me contares histórias, velha Tristeza, prometo que adormeço nos teus braços. Prometo que abrando a frequência com que pouso a vida nas tábuas do meu quarto. Prometo deixar que o teu cabelo se misture com os veios da madeira. Prometo parar de ferir os lanhos das manhãs de poalha adormecida da memória. Prometo não tropeçar mais no teu corpo quando avanço pela sala distraída. Prometo deixar-te partir. Deixar-te numa esquina da morte, num sítio qualquer.

Os dias passarão a ser dias de soalho encerado, de madeira impoluta. Dias a passar. Dias inúteis que colarei a estes dias que vivo no lugar daqui e ficarei à espera, sem tempo para mecânicas de qualquer fluído, de olhos sem lágrimas ou palavras que enferrujem as grades que me apetece derrubar.

 

Diz o Domingos que nesta casa chora-se pouco, mas há apenas duas maneiras de transportar a dor. Por dentro ou por fora.

 

Ensinaram-me que a dor não é um derrame de rimas choramingas. Não uiva. Não se arremessa em lamentos de míngua. Não pincha em cemitérios floreados. Não ergue as caravanas de circos saudosos em  enxurrada de lágrimas contadas.

Ensinaram-me que a dor é cuidar sozinha das sardinheiras de Espanha e das hortênsias, dos príncipes de pedra com asas que afloram a superfície das águas, do fio da cisterna e deste rio, relâmpago deitado.

 

A manhã começa. É o início.

Fechar os olhos é olhar depois.

Sinto-me cansada.

Sinto-me tão cansada e este silêncio pesa como chaga.

 

 (1 de Janeiro de 2017, 06.30h)

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe com duas avós

rabiscado pela Gaffe, em 26.12.16

avós.jpg

 

Tinha olhos que lembravam um País arrancado ao mar e a fragilidade insuspeita da tulipa. Tinha esguios dedos sem anéis e um colar de pérolas eterno que enrolava nos dedos. Tinha a benevolente paciência dos ouvintes ternos e a doçura das palavras certas ditas baixinho para não doer. Tinha cabelos de seda apanhados na nuca por travessões de tartaruga e usava calças cigarette, blusas de gola alta que a alongavam e a transformavam em cisne ou em espiga de trigo. Tinha a voz dos meigos, aquela voz que é bom ouvir quando troveja, e um sorriso de lua a crescer numa noite de Verão. 

A minha avó materna.

 

Tinha olhos avelã e espertos, ladinos, marotos. Usava Chanel à toa, misturando tudo por não ter paciência para combinar. Usava adereços gigantes e tinha um anel com um rubi espalhafatoso como o planeta Marte. Tinha o cabelo branco, com ondas e quebras, sempre em desalinho e blusas com folhos para não contrastar. Era bem mais pequena, mas era mais arisca. Tinha perdido a paciência pelo mundo fora e cortava as conversas sem dó nem piedade, fazendo ficar discursos a meio. Enganava-se em tudo, disfarçava depois espetando farpas em palavras soltas que surgiam incautas na boca dos outros. Tinha um sorriso aberto de lua a pairar nas noites de Verão.

A minha avó paterna.

 

As duas amigas. Cúmplices perfeitas. Chegavam, braços dados, à Ceia de Natal da família toda.

Devagar, as duas disfarçando o tédio, sentavam-me no meio dos perfumes díspares que teimavam usar.

 

- Viemos ter consigo. Aqui a menina é a única coisinha a funcionar.

 

As minhas Avós.

 

Neste Natal, não estiveram comigo. Não me sentaram nos aromas que espalhavam, e no entanto nunca esta casa teve um Natal tão perfumado pela maravilha da memória delas. 

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe angélica

rabiscado pela Gaffe, em 23.12.16

621.jpg

 

No pátio principal da casa existe um lago onde as manhãs de Inverno deixam películas de gelo enganadoras.

No centro desse lago existe um anjo de pedra.

Um dos joelhos mergulha na água enquanto o outro apoia o braço que leva a mão ao lugar onde devia haver um coração. Curvado, a asa esquerda está quase submersa enquanto a outra fechada o envolve em penas de pedra. A mão sem coração toca estendida a pele da água onde as carpas em dias de nevoeiro parecem faíscas vermelhas ou serpentes anfíbias como os deuses.

 

As árvores desgrenhadas desfazem, como em pecado, a ordem do jardim, a meticulosa descrição da dor da seiva, a geometria vegetal, reflectidas no espelho onde o anjo as inverte tocando-lhes as copas.

Cúmplice de todos os murmúrios. Senhor do petrificar da nódoa no silêncio que é encharcado com o perfume imenso da asfixia.

 

Enreda-se o frio nas asas do anjo e no corpo da água.


Sempre senti que a mão que lhe toca o peito encontra um ninho abandonado pelo coração que aprendeu o voo. Talvez ainda sinta o calor do corpo e do dormir do que perdeu, mas tem de procurar o bater de asas nas faíscas vermelhas das carpas que deslizam.  

 

O divino delapida. Anjos e humanos são vítimas dos deuses.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe no balneário

rabiscado pela Gaffe, em 12.12.16

ginásio.gifA Gaffe foi convidada para um jantar de negócios com o mano.

 

Não foi a sua primeira escolha, mas a enxaqueca da irmã – mais enxa do que outra coisa – impediu-a de se fazer presente e de endrominar um casal de idosos ingleses que decidiram recuperar um casarão no Douro e fazer de conta que são viticultores.

 

Estaciona o carro perto do ginásio onde o rapagão completava coisas que fazem suar imenso e espera.

Espera até lhe começar a doer o cashmere trench coat – estamos a falar de ingleses, convém treinar -, que usa depois de chantagear a dona. Sente-se enregelada, já que se recusa a ligar o aquecimento do carro, porque para além de ficar enjoada não sabe onde, nestes carros moderníssimos, o tubo do calor desemboca e receia respirar qualquer coisa desagradável … ou coisa que o valha.

Sai atordoada pela impaciência, já com o bâton misturado com a espuma da fúria e tenta empurrar a porta de entrada no ginásio com o glamour que sobreviveu à intempérie.   

 

 - Ah! ... Ainda está a fazer a aula.

 

Deve ser dito que fazer a aula é das expressões mais irritantes que a Gaffe conhece. Aliás, fazer o que quer que seja incomoda-a muito. Descalça a luva, toca no cabelo que para pentear em banana custou mais do que duas horas de desespero ao seu querido Miguel, traça o casaco com um ar de diva ofendidíssima e recomenda:

- Não se importa de ir lá dentro recolher os ingredientes. O homem já fez a aula, garanto-lhe.  

A mulher, de unhas de gel e fato de treino, com um carrapito oxigenado ligado directamente ao cérebro por onde emitia ondas electromagnéticas que se sentiram hostis, vociferou:

- Entre você se está com pressa.

Foi um erro pensar que a Gaffe desistia perante a ameaça de testosterona aos pinchos e a fazer alongamentos.

 

Entrou fazendo os possíveis por parecer Ava Gardner.

 

Uma doentia humidade quente atacou a leveza dos seus passos. O seu cabelo domado ganhou vida e num instante sentiu-o a encaracolar, a encarapinhar, como a juba da Barbie que a sua infância levou para o banho decidindo depois, para a secar, usar um secador na potência máxima; o seu casaco colou-se ao corpo com a pressão atmosférica e quem visse diria que pilotava um caça a uma velocidade hipersónica, porque sentia a cara toda distorcida. Escorregou no pavimento, mas esse pormenor ficou agarrado às paredes.        

Recompos-se. Uma rapariga experiente sabe que entrar em pânico faz suar e é fatal.

 

Abriu finalmente a porta que lhe daria acesso à sala onde a besta bufava.

Deu consigo no balneário.

 

O que viu não é aconselhável uma rapariga de boas famílias. Não é propriamente recomendável - mesmo não sendo desagradável de todo -, uma menina ter uma data de pilinhas espantadas a olhar para ela, que nem sequer tem à mão uns óculos escuros.

 

Uma situação absolutamente embaraçosa para os rapazes.

  

No meio do nevoeiro e depois de uma análise breve, mas muito profícua, do meio ambiente - enunciará em breve as conclusões a que chegou -, avista o maninho também com a pilinha a olhar para si e finalmente compreende o clube de fãs que este rapaz conseguiu povoar. 

Se Ava Gardner não hesita, esta rapariga também não. Avançou determinada, sorriu polidamente para os conhecidos e para as desconhecidas, agarrou no saco do mano com a desenvoltura das ginastas, voltou a sorrir e:

- Convém que te despaches. Eu já levo o saco para poupar tempo. 

Não foi brilhante, mas também não se pode exigir Shakespeare nas situação em que se contracena com pilinhas.

Saiu quase a desmaiar e a abanar-se toda com a luvinha e a suspeitar que desta vez o calor que sentia não era o do ginásio.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe lendária

rabiscado pela Gaffe, em 10.12.16

1.97.jpg

Quando começa o Inverno, na hora parda que alastra a cor acidulada reflectida nos espelhos da água da cisterna mais pequena, na face Norte da casa, no lugar mais frio, há uma brisa que sentimos quase verde.

Desce as escadas de pedra e percorre todo o labirinto esguedelhado do jardim, entra pelas portas e janelas, corre corredores, afaga os móveis e as louças, sacode a poeira breve dos tapetes, confunde a ordem dos ponteiros dos relógios, despenteia jarras, inclina quadros na parede, desfaz a simetria das cortinas, obriga as mulheres a compor os lenços que usam traçados no peito, desarranja todos os recantos e canteiros, para depois voltar ao lugar onde nasceu, no lado Norte da casa, perto da cisterna mais pequena, e desaparecer por entre a imperceptível ondulação da água.

 

Dizem os homens que não é brisa sorrateira e branda a nascer ali, que não é o vento a estender um braço de sono e a recolhê-lo depois de o espreguiçar.

 

Dizem as mulheres que todos os Invernos vem do fim da água um anjo condenado por se atrever a amar aquela que guardava e que em brando desespero procura o que, por tanto desejar, deixou desamparada.

 

Ao fim da tarde, depois, volta a morrer, porque se perde constantemente a vida quando sabemos que o nosso amor, de tanto, desnuda e aniquila os que desmesuradamente nós amamos.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe duriense

rabiscado pela Gaffe, em 06.12.16

268.jpg

 

No Douro há dias em que atravessamos os corredores com a lentidão dos vermes.

Dias em que se vê por dentro. Não da alma,- que desaparece afugentada e temerosa como bicho pequeno e ameaçado que procura esganiçado a mais funda lura para se imobilizar, para deixar passar o perigo, - mas por dentro do corpo.

Há dias em que se sente por dentro do corpo e o corpo em que se sente por dentro é como uma casa sem janelas. Muros, telhado e uma porta por onde apenas se entra. Sair não é possível até findar o sentir-se ou acabar o dia.

Nesses dias em que acontece este sentir, sabemo-nos alterados. Envelhecidos. Descobrimos dentro a maior desilusão, o maior dos abandonos, a maior das misérias.

Percebemo-nos idiotas. Entendemos a ausência, a solidão e toda a procissão de sentires magoados, como se abandono, desilusão, miséria e despovoado fossem órgãos iguais ao coração, cérebro, fígado.

Há dias em que atravessamos os corredores com a propositada lentidão dos cortejos fúnebres, para que os vermes tenham tempo de comer o nosso sentir lá dentro.

 

No Douro há também os dias em que a superfície dos lugares nos toca a pele.

As árvores desprendem os perfumes dos ramos. Descem os aromas pelos troncos como bichos cansados, roçam-nos a pele, farejam, e mergulham nas águas arrastando os líquenes e o musgo húmido para o fundo negro sem vista.

São como segredos.

Quebram devagar a película que nos envolve, como folha de cristal, como fina folha de cristal por sobre a pele.

Entendemos então a mais distante segurança que é entregue aos que escolheram o refúgio do rio onde o tempo esquálido flutua. Entendemos então os passos do silêncio. Esta espécie de felicidade em nada ter, porque se tem à tona da pele o imenso engano da quietude fria. Nada se move. Nada. Os dias são os dias já passados e nas madrugadas as árvores escondem o sussurrar do vento, o tilintar da chuva ou a luz que interrompe as frestas da penumbra, os rasgos de ruído pelas pedras.

 

Entendemos os dias do Douro porque os temos pousados na alma.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:

A Gaffe livresca

rabiscado pela Gaffe, em 05.12.16
701.jpg

 

Sinto sempre uma certa tristeza quando olho para aquilo que outrora foi acarinhado por mim como relíquia a conservar pela vida fora e que agora, embalado e atado, é apenas importante porque o foi no passado.
 
Vou levar comigo livros velhos de histórias menores, com capa de couro, lombadas com letras douradas e rebuscadas, folhas carcomidas e cheiro a mofo.

Pertenciam à minha gente. Gente que nunca poderia conhecer. Pessoas que morreram antes do meu avô ter nascido.

Há uma imensidão deles, colocados nos pesados armários do sótão, exactamente como os tinha guardado quando os descobri, já lá vão dez anos. Na altura, pensei que tinha encontrado, não um acervo valioso, mas belíssimos pedaços de memórias que se inscreviam nas margens das folhas pelos donos destes livros. Lembro-me das anotações a tinta, numa letra tombada e toda floreada, num livro de receitas de alguém que me parece ter dominado a cozinha em tempos idos.

Esse não vai.

Vão os que trazem pequenas anotações acerca de Voltaire, de Diderot, de Balzac e um ou outro de autores menores, mas que mereceram apontamentos extraordinários, mais outro que sublinha e comenta os soneto de Camões - tão mal amado e tão mal interpretado por Voltaire.

 

Isto de ter de escolher pedaços de memória é doloroso.

 

Sei que os livros que ficarem se vão deteriorar irreversivelmente. Custa-me deixar para trás os volumes que foram importantes e acarinhados por alguém, um dia, no passado. Parece-me que os desrespeito, aos livros e aos antigos donos, mas há memórias que devemos embalar e levar connosco e outras que, por muito que lamentemos, devemos deixar ficar ao abandono.

 

Até nestas decisões derradeiras as bibliotecas são parecidas com a vida.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe com saudade

rabiscado pela Gaffe, em 25.11.16

1.92.jpgChegava a ti de Inverno. Pelo Natal. Tu insistias.

Sempre te amaram a ti. A mais ninguém. Deram-te um nome no momento exacto em que te viram (haste de lírio, jarro, baloiço do meu peito naufragado).
Amaram-te no instante em que pousaram na catedral dos olhos que eram teus (incêndios transformados em lareiras).

Quando não chove, o entardecer de Inverno vem azul trepar às árvores. Levanta-se poalha prateada. Esmaecem os contornos das pedras e dos passos.

- Não! Não vás, avô. Não é preciso nada.
- Não sejas tonta. Eu volto já. Eu não demoro.

O tempo lancetado. Suspensa a vida. O meu alento contigo, atrás de ti, como um cão estropiado.
Quanto tempo era o tempo que amputava? Ficava muda e surda à espera da alma.

Vinhas pela alameda de mimosas, desengonçado e frágil, lentíssima faísca, unir o Tempo.

Um dia vieste e abraçaste-me (braços de pedra, Príncipe do Lago). Era eu meninaSenti na nuca a dor do teu anel. O meu nome na tua boca por três vezes teu, biblicamente três, a estremecer como um minúsculo coração de insecto.
Agora tenho medo do meu nome não soar. Fiquei sem nome.


- Eu volto já.

Ainda espero por mim por entre todos os ramos enredados.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gavetas:





  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD