Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe passeriforme

rabiscado pela Gaffe, em 06.06.17

Mr.T.jpg

 Trump é divertido.

Trump é um manancial de boas piadas e de trocadilhos bem-humorados. A delícia dos comediantes e uma fonte copiosa de notícias engraçadas que a comunicação social não se cansa de explorar atirando holofotes e lupas às facetas caricatas do presidente da maior potencia do planeta.

 

O serão é bem mais pândego quando, no aconchego do lar, passamos em revista as peripécias que protagoniza e que vão desde as sapatadas de Melania na manápula do homem, ao empurrão no senhor de gravata em riste que se vê de repente ultrapassado e impingido para um segundo plano da fotografia, até se chegar ao maravilhoso covfefe que se vai tornando um clássico da imbecilidade. Pelo caminho o rasto de tolice a raiar a imaturidade patológica é visível a olho nu e a gargalhada solta.

 

A comunicação social vicia-se nestes pequenos truques e malabarismos, nestes minúsculos incidentes patetas, nestas manigâncias tolas de um egocêntrico cravado num tweet, apostada em nos fazer ver a tragicomédia em que se torna uma eleição que faz vencedor um irresponsável mal preparado, populista, homofóbico, preconceituoso, misógino, com tiques de ditador de circo e tudo o que se quiser que Trump alinha.

 

Neste arraial de foguetes mal lançados, as ínvias e mais perigosas - porque não noticiadas - alterações à legislação americana, são vomitadas em surdina por uma administração composta por sinistros, bem preparados - maldosos, gananciosos, implacáveis, racistas, silenciosos e tudo o que se quiser, que tudo serve -, magnatas da desumanidade. Não são notícia. Não consubstanciam alertas. Não merecem o rodapé das televisões. Não nos dizem respeito. Não são susceptíveis de nos fazer rir. Não nos fazem sentir mais inteligentes, mais diplomatas, mais honestos, mais cultos, mais bonitos, mais respeitáveis, mais humanos - e tudo o que se quiser, que sabe bem -, que o homem mais poderoso do planeta.

 

Olhamos Trump já com uma certa complacência, já como uma espécie de sábios observadores da arena da idiotice, porque o que nos diverte, o que é imbecil e age como tal, nos deixa na boca um certo travo de superioridade intelectual, fazendo parecer que pertencemos àquela elite culta e democrática capaz de denunciar e ridicularizar o ridículo, de mostrar ao mundo o que jamais se faz numa cerimónia oficial e que é maravilhoso compreender as implicações do Acordo de Paris.     

 

A comunicação social é responsável directa por este amortecer do conhecimento daquilo que os manipuladores do espantalho vão urdindo pela calada da noite, à luz do dia. Preferem noticiar os solavancos e as torções que os fios manipulados vão imprimindo ao corpo do boneco, enquanto os donos do títere vão devorando o milho.

 

É assustador pensar que quando olharmos finalmente para o campo, depois de termos perdido o medo ao espantalho tolo, reste apenas um ninho de corvos e a terra espetada pelos bicos que a sorvem.     

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe carteirista

rabiscado pela Gaffe, em 31.05.17

6715188695_48aff2fafa_b.jpg

Há um jogo qualquer que nos pede que enumeremos o conteúdo da nossa carteira.

 

Não seriam brilhantes as minhas respostas. Não transporto muita coisa. A minha carteira não ilustra o estereótipo.  

Trago um bloco pequeno de capa esgotada que deixei de usar há muito tempo, mas que no medo de perder o passado riscado que contém, se tornou imprescindível; uma esferográfica que pertenceu ao meu avô, preta, polida, quente; a tradicional, mas frugal, parafernália feminina, composta por instrumentos de beleza que se misturam com outros mais técnicos, mais profissionais; um protector solar quase blindado e alguns documentos fechados, muito ordenados, numa pasta pequena de couro antigo.

 

Ao lado, mesmo ao lado do batom, trago sempre um adeus.

Nunca sabemos quando o devemos usar, não sabemos sequer a frequência com que o gastaremos, mas, seja como for, quando o adeus é usado convém-nos estar sempre com os lábios retocados. 

 

Foto - Jason Langer

 

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe com filtros

rabiscado pela Gaffe, em 05.04.17

beijo.jpg

Ouvi dizer que a forma de percebermos que deixamos de ser amados é sentir que o nosso beijo deixou de ter qualquer significado para aquele ou aquela que beijamos, sobretudo quando já significou tudo.

 

É uma formulação bastante poética e os poetas raramente se enganam.

 

Há no entanto um dispositivo escondido dentro de nós que detecta o fim de um amor sem qualquer necessidade de ler desta forma osculatória os sentimentos do outro.

 

A erosão do amor faz-se de forma lenta, mas perceptível. 

 

Tem a ver com o nosso regresso à banalidade. O desamor é o confronto com a banalidade. Daí sentirmos que a solidão nos volta a preencher os dias. Nada é mais deserto do que nos descobrimos apenas mais um ponto acrescentado à multidão de pontos que nos são iguais.

 

Deixarmos de ser amados é voltar a saber que os rabiscos que fazemos nas páginas do caderno de apontamentos não rivalizam com os esboços de da Vinci; que os traços que deixamos arrastando palavras pelo papel não são cometas; que numa gare de partida – e raras são as gares onde chegamos – somos aquele casaco que se esqueceu no braço de uma cadeira e que ninguém guarda com receio da aproximação do dono; que não pisamos nuvens quando andamos, nem os nossos gestos fazem deslizar os rios com brandura, porque caminhamos para o emprego e temos nos braços os documentos que preenchemos na véspera; que não nos alimentamos do perfume das rosas, porque temos arroz de bacalhau para o jantar e o cadáver da loiça do almoço a apodrecer na banca; que não contemos universos mágicos no peito e que a único truque de ilusionista que conseguimos fazer consiste em arranjar tempo para retirar o verniz das unhas escaqueiradas ou aparar a barba antes do horário do autocarro; que não temos a eloquência de um senador romano e que os nossos discursos são como os sopros com que se enchem balões; que não somos Charlie todos os dias que passam, porque não nos pomos a jeito; que não espargimos luz quando aparecemos, porque a lâmpada da casa de banho está outra vez fundida e não nos apetece voltar a trocá-la; que não somos passarinhos que debicam grãos de orvalho, porque a alheira nos fez azia e não há anti-ácido em casa e que a porcaria do gato que não queríamos em casa nos rasgou as cortinas e não temos os véus dos olhos de quem quer que seja como abrigo.

 

Deixarmos de ser amados é regressarmos ao que somos sem qualquer filtro. Somos banais, quotidianos, comuns, vulgares, habituais e corriqueiros, mesmo sabendo que as palavras são sinónimos.

 

Deixarmos de ser amados - ou deixarmos de amar, que também serve -, mostra-nos uma realidade que nos é adversa, a única que descobrimos ser a nossa.

Não precisamos de um beijo para nos apercebermos disto.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe com perguntas

rabiscado pela Gaffe, em 11.03.17

Suponho que quando Lobo Antunes declara que o que se deve esperar de um livro é que nos modifique a vida, não se refere apenas àqueles de cujo abalo temos consciência, mas também aos que de modo imperceptível nos vão moldando a vida.

 

É evidente que sentimos as dores de uma metamorfose íntima quando nos encontramos com o Cavaleiro da Triste Figura, ou quando tocamos os sete andamentos de Proust, ou ainda quando o desassossego nos entra devagar pelo cantos escuros da alma, mas são as mais subtis alterações que se operam aquando do embate com obras mais discretas que alicerçam as que ocorrem quando o encontro se dá com as mais nítidas.  

 

Há uma espécie de fusão entre a maturidade de um homem e a fragilidade titubeante de uma criança no livro que me encontrou e que produz alterações sucessivas de cada vez que o abro.

 

São setenta e quatro pequenas perguntas que permitem que sejam escritas sete vezes setenta e quatro eternidades.   

 

Porque é que não ensinam a tirar
mel do sol aos helicópteros?

Onde é que a lua cheia deixou
o seu saco nocturno de farinha?

 

Diz-me, a rosa está nua,
ou só tem esse vestido?

Porque é que as árvores escondem 
o esplendor das suas raízes?

Haverá algo mais triste no mundo 
que um comboio imóvel na chuva?

 

Porque se suicidam as folhas 
quando se sentem amarelas?


O Livro das Perguntas - Pablo Neruda

 

Ouvi Garcia Márquez dizer que um livro deve conter tudo o que quer dizer no primeiro parágrafo. O primeiro parágrafo tem de render o leitor.

 

No Livro das Perguntas todos os poemas são primeiros parágrafos. 

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe d'O

rabiscado pela Gaffe, em 19.01.17
 

michele Obama.jpg

A polémica foi medíocre, mas acabou por despertar a nossa atenção.


Michelle Obama.


Independentemente da sua tão invocada elegância, discutível como é normal, porque a noção de elegância é de tal forma subjectiva que a atribuição do estatuto é contestável, a senhora Obama assustava um pouco.
Dizem as más-línguas, que como sabemos são demasiado interessantes e interesseiras para nos podermos dar ao luxo de as ignorar, que esta mulher foi uma primeira-dama reservada, seca no trato, prepotente e dominadora.


Seja.


O facto de parte do mundo cor-de-rosa a ter começado a tratar por Michelle O, por analogia com outra O, não há motivo ou razão lógica para a aproximar da famigerada e elegantíssima Jackie.
Michelle foi e é incontestavelmente diferente.
Não teve como é evidente o allure francês que foi mantido durante toda a vida pela Kennedy-Onassis mas em contrapartida manteve um gabinete seu - muito capaz e de importância capital -, na Casa Branca.


Entre uma elegância compulsivamente consumista, uma fotogénica oscilação entre a depressão e a discreta euforia própria dos neuróticos bem controlados, e uma elegância que advém da notória inteligência de quem acompanha, impulsiona, fortalece e até mesmo substitui o seu Presidente, nós, raparigas espertas, por muito que nos custe, escolhemos a segunda, mesmo que isso assuste os cor-de-rosa pouco habituados a ver o topo do mundo ocupado por uma mulher de cores diferentes.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe com roseiras

rabiscado pela Gaffe, em 07.12.16

Douro.jpg

No Douro é uso plantar roseiras perto das vides.

São vermelhos sinais de perigo e de maleitas. A morte agarra primeiro o veludo indefeso das pétalas e entrega aos homens, alertados, o tempo de salvaguardar as vinhas.

Nada há para troca. 

 

Lembro-me que ia pelo condenado ardor destas roseiras bravas ao mais alto dos socalcos.
Queria ver as nuvens como bandeiras mortas desabarem.
Queria encharcada de frio, de corpo líquido e de coração de enxurrada, ouvir os queixumes das folhas e a inquietude parada dos pardais. Queria ser maior do que eu e não ser nada. Queria ir de nuvem a escorrer-me pela boca, a entrar-me nos olhos para me secar a sede. Queria ver a minha terra de encardida lama. Terra que se lateja no coração das casas. Terra de abismos a cheirar a púrpura. Terra de socalcos prestes a parir. Terra que nos vem lamber as mãos e morde de repente a latir roseiras bravas.

 

Princesa fugida do inquebrável reino, queria ver a minha terra e na enxurrada dos socalcos via rosas bravas vermelhas mortas no peito da terra. Bocados de espuma a tombar na ara de lama.

Tinha ciúmes dos retorcidos e negros troncos das videiras, dos nodosos ramos grossos de silêncio protegidos pela ardência do sacrifício das rosas vigilantes. Via a impoluta indiferença rude e tosca das videiras perante a queda, que anunciava o perigo, das rosas bravas vermelhas, moribundas.

 

Demorei todos estes anos a perceber que há rosas bravias mesmo ao nosso lado. Ignoradas rosas que morrem para evitar o pedaço da dor que nos é destinado. Rosas que se calam e que nos escudam. 

 

Gente que não vemos.

 

Em 2017 vou cuidar das rosas.         

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe livresca

rabiscado pela Gaffe, em 05.12.16
701.jpg

 

Sinto sempre uma certa tristeza quando olho para aquilo que outrora foi acarinhado por mim como relíquia a conservar pela vida fora e que agora, embalado e atado, é apenas importante porque o foi no passado.
 
Vou levar comigo livros velhos de histórias menores, com capa de couro, lombadas com letras douradas e rebuscadas, folhas carcomidas e cheiro a mofo.

Pertenciam à minha gente. Gente que nunca poderia conhecer. Pessoas que morreram antes do meu avô ter nascido.

Há uma imensidão deles, colocados nos pesados armários do sótão, exactamente como os tinha guardado quando os descobri, já lá vão dez anos. Na altura, pensei que tinha encontrado, não um acervo valioso, mas belíssimos pedaços de memórias que se inscreviam nas margens das folhas pelos donos destes livros. Lembro-me das anotações a tinta, numa letra tombada e toda floreada, num livro de receitas de alguém que me parece ter dominado a cozinha em tempos idos.

Esse não vai.

Vão os que trazem pequenas anotações acerca de Voltaire, de Diderot, de Balzac e um ou outro de autores menores, mas que mereceram apontamentos extraordinários, mais outro que sublinha e comenta os soneto de Camões - tão mal amado e tão mal interpretado por Voltaire.

 

Isto de ter de escolher pedaços de memória é doloroso.

 

Sei que os livros que ficarem se vão deteriorar irreversivelmente. Custa-me deixar para trás os volumes que foram importantes e acarinhados por alguém, um dia, no passado. Parece-me que os desrespeito, aos livros e aos antigos donos, mas há memórias que devemos embalar e levar connosco e outras que, por muito que lamentemos, devemos deixar ficar ao abandono.

 

Até nestas decisões derradeiras as bibliotecas são parecidas com a vida.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe em liberdade

rabiscado pela Gaffe, em 21.11.16

123.jpg

Todos os clichés, frases feitas, máximas arrancadas a contextos, são, diz o meu sábio amigo, brevíssimos resumos de raciocínios complexos, sínteses ou sinopses mais ou menos enviesadas do pensamento, ou breves lantejoulas arrancadas de um tecido vasto onde por acaso cintilaram.

São insuficientes, normalmente erradas, muitas vezes fomentam preconceitos, embora não deixam de ser representações enfezadas do raciocínio que as originou.

 

Uma das mais patetas frases feitas que giram e rolam pelos cantos todos deste circo, é a famosa a minha liberdade termina quando começa a do outro. É citada, repetida, transformada em paradigma da mais sentida humanidade e tida como monumento representativo do mais elevado sentido cívico das gentes.

 

No entanto, A minha liberdade acaba quando começa a do outro não é frase digna de ser repescada ou capaz de entronizar o autor.

 

Implica uma noção e um conceito medíocres de liberdade. Circunscreve-a. Divide-a, reparte-a em bocados enclasurados em compartimentos distintos uns dos outros. Insinua a existência de um possível limite, de uma fronteira que não é possível atravessar, porque embate com o terreno que lhe é alheio e - o que acaba por se tornar mais grave, - inclui, embora sublimada, a possibilidade de acção ou atitude menos pacíficas, porque é uso tentarmos aniquilar o que nos limita ou castra. Se a liberdade do outro destrói a nossa, é espectável que a tentemos reduzir ou, igualmente violento, que sejamos obrigados a diminuir a nossa.

 

O encontro com a liberdade do outro não é, não pode ser, sinónimo do fim ou da redução daquela que é nossa, porque é exactamente deste embate que surge o local de cruzamento - mesmo de opostos, - de ligação e de crescimento. Não diminui o que quer que seja. Multiplica.

O que é nosso entrança com o que do alheio e é nesse cruzar de liberdade, - ou de liberdades, como se queira, - que advém a nossa estrondosa capacidade de ampliar a vida.

 

Quando a minha liberdade acaba quando começa a do outro, estamos seguramente a falar de dois pechisbeques que não fazem conjuntinho.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe bisbilhotando

rabiscado pela Gaffe, em 29.10.16

George Petty1.jpg

Não podemos nem devemos subalternizar a importância da bisbilhotice sob pena de ficarmos com grande parte da informação, com peso desmedido nas nossas agendas interiores, desequilibrada e muito pouco coesa.
 
Não falo das revistas cor-de-rosa. É absolutamente inútil saber se a rainha de Espanha supera em elegância o manequim francês ou que a Rainha da Jordânia vai incumbindo o seu staff de actualizar o twitter. É uma maçada e uma inutilidade que para além de nos fazer perder tempo, nos irrita por não sermos nenhuma delas, embora, como é mais do que evidente, merecêssemos a coroa de qualquer uma das três ou os três de qualquer uma das coroas.

O essencial é a bisbilhotice caseira. Aquela que é produzida através de um telefone fixo, já que o telemóvel permite uma mobilidade pouco condizente com a produção de material que exige uma concentração que não se compadece com dispersões e interrupções esporádicas de criaturas que descobrem que é possível colocar uma chamada em espera.

A bisbilhotice deve ser fixa, contínua, exige uma imobilidade prostrada num sofá e deve versar todos os pormenores mais sórdidos da vida dos parceiros, amigos ou vizinhos. É essencial o conhecimento prévio, embora superficial, do que se fala e reconhecer, mesmo vagamente, os protagonistas das acções que nos são contadas. É necessário termos as coordenadas certas para que nos saia da boca o tão apetecido AH! tu não me digas! que se aproxima de um orgasmo e nós dá a sensação de poder que mesmo por coroar nos fornece o trono.

O mundo gira em torno das mais corriqueiras das bisbilhotices e são elas que mesmo fazendo a montanha parir apenas um rato, levam todo o terreno a Maomé.
 
Ilustração - George Petty, 1945
 

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe e uma receita

rabiscado pela Gaffe, em 09.09.16

receita.jpg

Segundo o povo, um homem só é verdadeiramente um Homem depois de:

 

1 - Escrever um livro;
2 - Plantar uma árvore;
3 - Fazer um filho.

A Gaffe acrescenta a estas condições uma outra giríssima, embora ligeiramente ambígua:

4 - Saber andar de bicicleta.

Quando lhe perguntam quais as condições que atribuem o estatuto de Mulher a uma rapariga que é apenas esperta, a Gaffe declara que são mais complicadas e enumera:
 
a) Nunca ler o livro que foi escrito pelo tal homem que não o era antes de o escrever;
b) Ter uma árvore para tratar, mesmo que não tenha sido plantada por ele;
c) Não deixar que lhe façam um filho com o único objectivo de fazer um homem.

Acrescenta uma outra condição que acha absolutamente encantadora:

d) Deixar que seja o homem pedalar, mas fazer com que reconheça que é ela que corta sempre a meta.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe e as sete condenações

rabiscado pela Gaffe, em 04.08.16

 

Uma ruiva no meio de um grupo de veraneantes bronzeados produz o mesmo efeito que as marcas dos fatos de banho no corpo dos ditos. Torna-se facilmente o alvo de todos os olhares. Bastante maçador.

 

É mais do que sabido que as ruivas não se bronzeiam, mas este minúsculo senão tem as suas vantagens. Uma ruiva não precisa de se esbardalhar ao sol, braços estendidos, pernas abertas e boca escancarada até que a melanina cumpra o seu dever ou se entre em coma, aproximando o cérebro da vítima do sargaço apanhado por ancinhos nas praias do Norte, para que se cumpra a promessa dúbia de um corpo tisnado.

 

Uma ruiva é capaz de se manter alerta do cimo das suas esplanadas, de óculos de sol muito Jackie O., de capelina de palha finíssima ou lenços Vuitton e de esvoaçante vestido de seda estampada de fazer inveja a Delaunay.

Se está aborrecida com as páginas que vira ao sabor da brisa e do voo das gaivotas, pode observar o povo de cuecas e de lingerie fabricadas propositadamente para a saison.

 

Nestas suas panorâmicas incursões pelo areal, a ruiva é capaz de reconhecer aquilo a que chamará os sete pecados banais que os rapazes cometem sem se aperceberem que cada um deles pode ser letal ou arruinar o Verão inteiro deixando-os com a sombra da debilidade mental agarrada à imagem.

 I

Não biquineis a mulher do próximo nem a rapariga que vem ali ao longe -  Um biquíni que vos entra para o olho, rapazes, é milhares de vezes mais perigoso que um grão de areia. Normalmente infecta e muitas vezes só se consegue retirar enterrando na córnea a pá do baldinho do petiz que nos queima o sossego mesmo ali ao lado, antes, claro, de vos ser enfiado o balde nas trombas.

 II

Abanar a toalha a favor do vento e contra o nosso corpinho tocado pela brisa é tão perigoso como tentar sacudir as velas do Sagres no meio da borrasca.

Acreditem rapazes, não apreciamos um marinheiro de fraldas areadas que receia sentir picada a mimosa pele ou que com a mania das limpezas nos trata como candidatas a panados. Princesas-ervilhas só as ruivas de boas famílias.

 III

São letais os salpicos de água com que tentais provocar-nos um choque térmico, quando procuramos entrar devagarinho no frio do mar com o corpo saído debaixo dos raios que abrasam.

Não é engraçado, rapazes. Só nos apetece bater-vos com uma piranha até que o animal fique com os dentes do Paulo Portas.

 IV

Similar ao anterior, mas ainda mais grave. Consiste em suspender o corpo encharcado, saído do banho ainda a tremelicar, sobre o nosso, quase adormecido à sombra das palmeiras.

Meus queridos, se quiséssemos ter alguém a pingar o que quer que seja nos nossos corpos calientes escolhíamos o George Clooney.

 V

Ficar de boca aberta, babada, de barriga para o ar, de pernas escancaradas e bermudas a dar-a-dar ao vento, não é de todo charmoso. Se a posição for acompanhada por um ressono beatífico que confundimos com o ronco do farol, é caso para vos espetar com o primeiro casco de navio naufragado que der à costa ou  cravar na vossa testa o primeiro mastro valente que passar - e na praia sempre vão passando alguns.

 VI

Arrastar-nos pelos pés ou levar-nos ao colo para dentro do mar. É deselegante. No primeiro caso ficamos com areia enfiada em sítios inconvenientes e com vontade de vos arrancar o fígado com a pá do miúdo que já foi útil em ocasiões anteriores - a pá, porque o miúdo só serve como porta-armas. No segundo caso, ficais com as pernas arqueadas, esbaforidos e a arfar, e nunca, mas nunca, conseguireis recriar uma cena do E tudo o Vento Levou sem que a Scarlett que transportais não sinta que vai ao colo do Woody Allen.

 VII

Dizerem-nos que o guarda-sol está bem fixo para, passados instantes, o ver cravado nas maminhas da senhora a cem conservadores e pudicos metros de distância, é irritante. É claro que sabemos como o cravar convenientemente na areia. O salva-vidas deslumbrante passou todo o dia anterior a ensinar-nos o modo mais eficaz de o segurar, mas deixamos para vós as tarefas que exigem um pouco mais de esforço. Se não conseguis seduzir-nos com um sombreado seguro, é certo que nos abrigaremos à sombra dos músculos do professor da véspera.

 

O conhecimento destes sete pecados banais é imprescindível para que não vos torneis, rapazes, um daqueles bonecos insufláveis que o miúdo da pá costuma usar para apoiar o banhinho. 

 

Vá. Decorem. 

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe no vosso mail

rabiscado pela Gaffe, em 19.07.16

Alguns portugueses – sobretudo os do meu querido Porto - trazem nas redes algumas pérolas que fazem rolar a língua por mares que pareciam ter sido abandonados, mas que continuam a encher as marés do nosso espanto linguístico.

Soltemos algumas do fio do colar das frases ouvidas na Ribeira:


Alevantar - O acto de levantar com convicção, com o ar de a mim ninguém me come por parvo! Alevantei-me e fui-me embora!

Aspergic - Medicamento português que mistura Aspegic com Aspirina.

Assentar - O acto de sentar, só que com muita força, como se fossemos praticamente um tijolo no cimento.

Capom - Porta de motor de carros que quando se fecha faz POM!

Destrocar - Trocar várias vezes a mesma nota até ficarmos com a mesma.

Disvorciada - Mulher que se diz por aí que se vai divorciar.

Destrocer - Torcer várias vezes.

Deslargar - Largar várias vezes o que quer que seja.

É assim - Talvez a maior evolução da língua portuguesa. Termo que não quer dizer nada e não serve para nada. Deve ser colocado no inicio de qualquer frase.

Entropeçar - Tropeçar duas vezes seguidas.

Eros - Moeda alternativa ao Euro adoptada por alguns portugueses.

Exensar - Termos que para ser bem utilizado tem que ser dito rápido para que algumas pessoas percebem que se quer dizer deves pensar.

Falastes, dissestes e afins - Articulação na 4ª pessoa do singular. 

Ex: eu falei; tu falaste; ele falou, tu falastes.

Fracturação - O resultado da soma do consumo de clientes em qualquer casa comercial. Casa que não fractura, não predura.

Enmigos - O que vou ganhar depois de alguns lerem isto.

- A forma mais prática de articular a palavra meu e dá um ar afro à língua portuguesa, como Bué ou Maning (muito em Moçambique). Ex: mô tio.

Nha - assim como , é a forma mais pratica de articular a palavra Minha. Para quê perder tempo não é? Fica sempre bem dizer mô tio e nha mãe, por exemplo. Poupa-se imenso.

Númaro - Já está na Assembleia da República uma proposta de lei para deixarmos de utilizar a palavra número que está em claro desuso. Númaro já é usado por muitos deputados.

Parteleira - Local ideal para guardar os livros de português do tempo da escola.

Perssunal - O contrário de amador. Muito utilizado por jogadores de futebol. 

Ex: Sou perssunal de futebol. Deve ser articulada de uma forma rápida.

Pitaxio - Aperitivo da classe do Mendoim.

Prontus - Usar o mais possível. É só dar vontade e podemos sempre soltar um prontus! Fica sempre bem nos lugares mais bem frequentados da sociedade.

Prutugal - País ao lado da Espanha. Não é a Francia.

Rondana - Uma roldana que ronda à volta de si mesma.

Shampum - Líquido para lavar o cabelo que quando cai na banheira faz PUM.

Stander de vendas - Local de venda. A forma mais famosa é sem duvida o Stander de Automóveis.

Tçou - Inicialmente usado por músicos da zona de Cascais, rapidamente se estendeu a outros tipos de utilizadores. Atender o telefone e dizer tçou é uma experiência aconselhável a qualquer um com ligações ainda que vagas à cantora Ágata.

Tipo - Juntamente com o é assim, faz parte  das grandes evoluções do português. Também sem querer dizer nada e não servir para nada, pode ser usado quando se quiser, porque nunca está errado nem certo. É assim... Tipo ‘tás a ver?

Treuze – opiniões de Miguel Sousa Tavares.

Vosso mail - Se não me atenderem o telemóvel obviamente que vou para vosso mail

 

Foto - Luke Smalley

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe pugilista

rabiscado pela Gaffe, em 02.07.16

Je suis.jpg

Foi instintivo. Absolutamente instintivo.  
Nenhuma minúscula emoção ou razão indignada me fez reagir daquela forma.  


O rapaz na minha frente sentado de perna e bazófia cruzadas, perdigotava pequenas frases soltas e sem nexo num português inglesado - Europe is now isolated, - a honrar a ascendência. Tinha deixado de o ouvir há já algum tempo. Os sons articulados pela boquinha indiscreta chegavam indistintos à minha distracção. Sabia que falava, mas o que dizia eram farrapos soltos no ar que tinham deixado de fazer sentido.
A minha atenção tinha sido desviada para os sapatos de couro com cordões cruzados de uma forma original, para o vinco das calças que, impecável, formava uma esquina que coincidia com o risco cinzento do tecido preto e para o gesticular com que acompanhava o discurso e que fazia perigar a estabilidade da água contida no copo que levava à boca com intervalos ritmados e quase matemáticos.  


Trata-me por tu desde a primeira vez que o vi, correm dois meses, apesar de nada, rigorosamente nada, fazer prever este indício de intimidade. 
Desagrada-me que me tratem assim, quando é de forma estritamente formal que aperto a mão a alguém. Reservo a proximidade deste feitio de calor para aqueles que conhecem as lareiras do meu peito.  


Atrevo-me, num lance de atenção que lhe dispenso, a contrariar a tese que defende, catrapiscando à toa uma frase que ouvi algures desgarrada e triste: 


- Não acredito que o pilar europeu aguente o arco se não for reforçado. 
- Tu de pilares só entendes o do tipo com quem andas.  


Levantei-me e dei-lhe uma chapada.

É evidente que não percebi que o copo ia naquele mesmo instante refrescar-lhe a frase.

O copo bateu-lhe nos dentes. Partiu-lhe um incisivo.  
Agora o pobre moço larga perdigotos com mais facilidade e reconhece que de pilares contra os dentes eu percebo imenso.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe e as temperaturas

rabiscado pela Gaffe, em 30.06.16

Susan Abraham.jpg

O sol aberto, o calor que não suporto, as fitas mortas das palavras que não ouço, o ardor que sinto na pele, o barulho dos risos solares que ainda ecoam nos ouvidos, a confusa lembrança de corpos em corrida, os cães que ladram, os gatos que miam, os meninos a correr e as meninas a saltar, os carros e as buzinas, os patins e as purpurinas, bicicletas e triciclos, os petizes a chorar, as senhoras a cantar com maridos a berrar.  


Eu começo lentamente a desabar. 

 

O calor excessivo é um dos maiores inimigos dos homens.
Obriga uma mulher elegantérrima a esbardalhar-se escaldante nos sofás, de lingerie exígua, mas fá-la desejar colocar a palhinha apenas no refresco.

 

Na foto - Susan Abraham, 1956

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

A Gaffe de Rita Pereira

rabiscado pela Gaffe, em 17.05.16

gloria.jpg

Depois de se esbardalhar contra as nádegas de Rita Pereira, a Gaffe não pode deixar de pensar que entre uma rapariga esperta e uma diva, existe um abismo intransponível.

 

Gloria Swanson, por exemplo, deslumbra de eternidade em Sunset Boulevard com o extraordinário:

 

All right, Mr. DeMille, I'm ready for my close-up.

 

Rita Pereira em Cannes - Boulevard ou não, - entregue à mesma deixa, desvendaria apenas o fio dental cravado nos dentes de trás.  

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)





  Pesquisar no Blog






Copyrighted.com Registered & Protected 
JIFR-J5MR-Y1XR-YACD