Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe e o andrógino

rabiscado pela Gaffe, em 05.04.13

 

De acordo com a mitologia grega, os andróginos eram criaturas que possuiam os dois sexos, quatro mãos e duas faces opostas e, em consequência, o dobro das possibilidades de se divertirem acompanhados nas Sextas-feiras à noite.

Fortes, audazes e destemidos, tentaram invadir o Olimpo para tomar o poder. Zeus, frente às ameaças, divide-os e condena-os, assim decepados, a viver eternamente em busca da metade perdida.

É justamente esta beleza enigmática que subjaz à demanda do que nos une à nossa outra metade e que nos instiga a dúvida e a incerteza do encontro, impulsionando ou, tantas vezes, delapidando o que de completo existe em nós.

A andorginia é, no entanto, abusada pelas actuais imagens estereotipadas que, na esmagadora maioria dos casos, a aliam a uma decadência erotizada, mas soturna e insinuantemente dúbia e raida de subtis ameaças.

Une-se ao decadente enevoado, a cortinas de vícios esfumados ou a provocadoras poses de divas assexuadas.

O eterno dilema com o qual sempre convivemos, é tornado quase disfuncional pela imagética de um século que entrega ao mito, que tem origem na perda ou na falha, a inconveniência e o engano de um reencontro ilusório.  

 photo man_zps989a72a6.png


Comentar:

CorretorMais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.




Por força maior, os V. comentários podem ficar sem resposta imediata. Grata pela Vossa presença.


  Pesquisar no Blog