Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe inquirida

rabiscado pela Gaffe, em 03.07.18

pcs.jpg

 

Pequeno Caso Sério provocou.

A menina sabe que a Gaffe não gosta destes jogos, que os contorna sem vergonha e que não respeita as regras quando percebe que não consegue escapar por entre as gotas das palavras, usando o guarda-chuva da tontice. Neste caso, e apenas porque o desafio partiu desta maravilhosa tresloucada, sabe que não quer esquivar-se.

Tem de encimar as respostas com uma imagem fofinha. A Gaffe escolheu uma fotografia de vários bichinhos absolutamente amorosos, do mais fofo que há, e com a vantagem de se poderem vestir.

 

Preparem-se então para o massacre.

 

 Sou muito...   

… ruiva. Tão ruiva que não me canso de arranjar lenha para me queimar.  

Não suporto... 

… ostras e caviar. Quando provei, senti que estava a mastigar a pila do Cavaco Silva.

Eu nunca...

… comi bichos que olham estarrecidos para mim depois de cozinhados.  

Eu já... 

… dei o contacto da minha irmã a um nadador-salvador que me convidou para jantar quando piquei o dedinho do pé na alforreca do cérebro do rapaz. O infeliz passou a sofrer de stress pós-traumático de guerra.

Quando era criança...

… descobri que um par de estalos de deixar queimado o cérebro, esturricava a língua dos meninos que me chamavam fósforo.   

Neste exacto momento...

… tenho saudades dos meninos que me chamavam fósforo. Uma rapariga tem de queimar calorias, mesmo que sejam as dos outros.   

Eu morro de medo...  

… de baratas e de morcegos. As primeiras, porque me disseram que sobrevivem sem cabeça e a uma guerra nuclear, os segundos, porque me disseram que se enredam nos cabelos. Podem ser só boatos, mas, pelo sim, pelo não, os outros que experimentem.      

Eu sempre gostei ...

… de barbas. Obrigava o meu irmão a colar ao queixo os pêlos que cortava da cauda da cadela das nossas infâncias. Eramos crianças muito criativas.

Se eu pudesse...  

… acabava com a pobreza no planeta. Os pobres têm mau hálito e imensos filhos que trepam a todo o lado. São tão maçadores! Também havia Paz no planeta e tudo, e tudo, e tudo. 

Fico feliz...  

… quando revejo Cavaco Silva, porque me faz lembrar que tenho um amigo arqueólogo que é taxidermista nas horas vagas - pormenor que prefiro esquecer amiúde.  

Se pudesse voltar no tempo...  

… apanhava qualquer coisa com rodas que me levasse ao futuro, ou casava com Júlio César e seduzia Marco António - brutamontes morenos, suados, musculados e de mini-saias com tiras de couro, são sempre atraentes seja em que época for -, só para torcer o nariz a Cleópatra.   

Adoro... 

… a gastronomia do Norte de Portugal. Como como uma psicopata criminosa encarcerada e agradeço que seja na solitária.

Quero muito ir... 

… à merda. Há imensa gente que me aconselha este destino. Parece que gostaram de lá estar.

Eu preciso...

de férias. Colei na parede do meu gabinete um poster da Jamaica e pedi que me atassem uma rede de descanso ao bengaleiro e ao puxador do armário. Estou quase lá!  

Não gosto de ir…

... a marisqueiras. Os bichos mortos ficam a olhar para mim todos esbugalhados e há sempre a pila de Cavaco Silva no menu.

 

Vá, não se irritem. Já acabou. A Gaffe fica sempre muito feliz por poder partilhar uns pedacinhos da sua alma convosco, embora, valha a verdade, se borrife para quem a seguir vai pegar no desafio.

Um monstro, esta mulher!

 

 photo man_zps989a72a6.png

Gavetas:



Por força maior, os V. comentários podem ficar sem resposta imediata. Grata pela Vossa presença.


  Pesquisar no Blog