Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe boémia (Que c'est triste Paris)

rabiscado pela Gaffe, em 01.10.18

Hans Silvester.jpg 

O Inverno chegou mais cedo a Paris.

 

Morreu Aznavour.

 

Foram tantas as vezes que lhe procurei a voz para me fazer acompanhar nas tristezas mais dolentes. Tantas vezes lhe dancei na alegria. Tantas vezes o identifiquei com Paris, com as suas ruas friorentas de mansarda, com as janelas ternurentas de porteiras, com os amantes quase venezianos a chorar o fim das histórias que riscaram. Tantas vezes achei o meu lugar de memória na memória cantada desta cidade quase sempre entardecida. Tantas vezes o ouvi até saber do amanhecer da melancolia.

 

Chegou o Inverno à mansarda de Paris.

Chega sempre cedo o Inverno - num de repente -, quando o que o que finda nos dizia uma árvore de Outono que nos parecia eterno.

 

Existe algures - e no amanhã também -, numa rua estreita e escurecida, num bar sumiço, sentado a um balcão encanecido, alguém que nas cores do Outono sabe de cor todas as canções de Aznavour.

 

Talvez por isso o Inverno tenha chegado hoje de repente.

 

Foto - Hans Silvester

 photo man_zps989a72a6.png




  Pesquisar no Blog