Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe trabalhista

rabiscado pela Gaffe, em 20.12.18

03.jpg

Jeremy Corbyn, líder do Partido Trabalhista inglês, cuspiu em surdina, em plena Câmara, um stupid woman em direcção a Theresa May. Minutos mais tarde, mente, negando o sussurro e proclama que jamais quis ser sexista ou misógino.

 

A Gaffe não considera que o honrado cavalheiro tenha sido coisa tamanha.

Não foi.

Corbyn foi apenas grosseiro e mal-educado, aliando estes mimos ao facto de não cuidar da pele e da higiene dentária.

 

Os honrados cavalheiros que a Gaffe conhece - e conhece vários -, não são sexistas, misóginos ou machistas. São educadíssimos, cultos e letrados, lavam os dentes, cuidam da barba e da pele, são donos de um capital simbólico e de um carisma incontornáveis, consequência também do facto de não possuírem rasto de Jeremy Corbyn a toldar-lhes o discernimento e de serem genuinamente elegantes.

 

O sexismo, o machismo e a misoginia são apanágio de homens pobres.

 

A Gaffe considera, no entanto, que a tríade reúne conceitos hipervalorizados.

 

Uma rapariga esperta sabe que as manifestações do grotesco masculino podem e devem ser rentabilizas e reorganizadas a seu favor.

Apoiemo-nos num exemplo simplicíssimo. Um clássico:

É uma delícia termos a possibilidade de observar um matulão, um macho, um bigodaço, convencidíssimo que somos incapazes de mudar um pneu, a suar apoplético, tentando desapertar aquelas coisas que prendem a roda ao motor. Quanto mais parvas e deslumbradas parecemos, mais o homem se esforça. Quanto mais imbecis e frágeis nos mostramos, mais o rapagão se estimula. Quanto mais estereotipadamente femininas conseguimos ser, mais o papalvo nos trata como princesas inúteis de conto de fadas, dotadas apenas para o esvoaçar etéreo do não fazer nada.

 

É evidente que desconhece que uma rapariga esperta não muda um pneu. Troca de carro.

 

Theresa May é - não duvidemos, pese embora dela possamos discordar -, uma rapariga espertíssima. O facto de ter sido apanhada a dançar para inglês ver, não o atesta, mas o sinistro ocorreu quando a moçoila tentou, infeliz, imitar os seus congéneres todos machos e muito propensos a bailar com o povo quando querem muito ser depois maestros. May perante a deselegância, a grosseria e a má educação do opositor - permitindo que o olhassem como sexista e misógino -, resolveu ler em silêncio, assistindo do meio das folhas à derrota do seu adversário. Percebeu naquele instante que o homem tinha alterado drasticamente o foco do debate onde corria perigo.

 

É que ler ajuda imenso. 

 photo man_zps989a72a6.png




  Pesquisar no Blog