Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe anti-inflamatória

rabiscado pela Gaffe, em 01.07.19

Ricardo

Prolongo a noite até meio da manhã, à espera que nada me desperte, que nada me empurre para o exterior insuportável, cheio de corpos que ocupam o espaço que queria para mim. Ultimamente tenho acordado com a sensação de ter lancetado um nojento tumor, correndo o risco de ser contaminada pela sua espirrante matéria putrefacta.

 

Hoje decidi não cumprimentar ninguém. Vou fazer com que as pessoas fiquem paradas e patetas sustentando atabalhoadas os sorrisos celibatários.

Não é por maldade. Na maior parte das vezes nem sequer vejo aqueles que estancam, bem na minha frente, escancarando a boca, em esgares de errada simpatia. É apenas uma atitude analgésica. Começo a ver a mediocridade dos dias como matéria presa em caixotes grosseiros. Desejo apenas que haja embarque. A sensatez impede que uma embalagem ria ou dê os bons-dias a uma outra que passe e eu sou, como eles dizem - com as mãos no fogo -, tão bem embrulhada ...

 

Ouço o rapagão a cantar no chuveiro. Entro também, já desperta e domada, a arrastar a frustração dos bichos impedidos de roer a própria vida nos covis da noite.

Pelo menos aqui, debaixo da água, há sempre qualquer coisa que não me canso de cumprimentar.

 

Não há nada medíocre em dividir o chuveiro com alguém que goste de ensaboar o corpo da partilha. Embora, diga-se em abono da verdade, sempre tenha considerado perigosas as superfícies escorregadias do ambiente esmaltado, não resisto à molhada sensação de ter um sabonete a deslizar no corpo, unido ao tépido contacto de dedos a borbulhar espuma.

Há muito poucas coisas que me agradem tanto como saber do fácil que é escorregar no banho, mesmo sabendo que me posso agarrar a mais do que à torneira, e arriscar teimosa um belo bailado muito à Gene Kelly.

 

Não é por maldade. É apenas um Brufen. 

 photo man_zps989a72a6.png

Gavetas:




  Pesquisar no Blog