Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe revoltada

rabiscado pela Gaffe, em 03.07.19

Massimo Raldeni.jpg

Write hard and clear about what hurts, escreve Hemingway.

 

Desobedeço!

Sou uma criatura metafórica. Faço rodar as frases na mó de semânticos moinhos e nunca consegui a cristalina pureza das tiradas simples.

Sou textualmente retorcida, palavrosamente complicada e no Éden seria, não serpente, demasiado óbvia, excessivamente ali, mas uma lagartixa com a mania que é um dragão, com laivos de barroco inúteis, a pairar, asas abertas e boca a palrar fogo, por cantos e recantos já confusos, esconsos labirintos confundidos.

Um ramalhete de parras, nunca a solitária que pudicamente cobriu as naturezas cruas dos Primeiros.

 

O maior erro de um parágrafo é não saber desalojar palavras.

 

Fotografia - Massimo Raldeni

 photo man_zps989a72a6.png

Gavetas:

A Gaffe na Lei dos Básicos

rabiscado pela Gaffe, em 03.07.19

friends.jpg

O medicamento custa cerca de dois milhões de euros – a margem de erro é para desprezar.

Há um bebé português que dele necessita para não morrer.

Uma onde de solidariedade arrecadou a quantia necessária para o comprar - dois milhões de euros em tão poucos dias!

Crowdfunding em todos o seu esplendor.

 

O facto de ter sido o bom samaritano a patrocinar quase de imediato a totalidade do tratamento, implica reconhecer que, também neste caso, o Estado é um inútil?

 

Não!

 

O medicamento não está vistoriado pelo INFARMED, não sendo comercializado em Portugal.

A médica da criança chega de férias e verificará se a petiza é elegível. Absolutamente necessário. A Matilde tem de estar apta, tem de ser capaz de resistir a esta tentativa de a curar. 

 

Sendo elegível, o hospital deverá oficializar o pedido, depois do impresso ter atravessado algumas dezenas de corredores e Comissões. Carimbado e aprovado, o papelucho deve seguir para o INFARMED, que analisará a viabilidade da encomenda e a eficácia do produto. Se estiver de acordo, o papelinho será enviado ao Ministério das Finanças, para que Centeno aprove a aquisição - encontrando em simultâneo maneira de não abrir precedentes -, iniciando-se então as negociações com o laboratório americano.

 

Entretanto, o dinheiro doado pelos portugueses não poderá ser usado para liquidar a conta que vier, pois que é o Estado português o responsável pela encomenda - se, nos entretantos, ainda valer a pena efectuar a dita.

 

A Gaffe considera genial propor à Assembleia da República que inclua na nova Lei de Bases do SNS a possibilidade de ser o cidadão a financiar o tratamento do seu semelhante.

 

Criavam-se escalões, sendo que o mais privilegiado abrangeria gente fofinha – crianças e velhinhos amorosos, por exemplo -, até ao menos merecedor - gente da oposição, velhos e velhas já com um pé na cova, que foram enquanto saudáveis - diz quem conhece -, pessoas horripilantes e sem uma educação que possibilite discursar no 10 de Junho.

O facebook poderia então provar ser ferramenta preciosa, permitindo contagem de likes e leitura dos comentários que ali correriam a favor, ou contra, o paciente candidato e seu consequente tratamento, ou morte.

 

O país encher-se-ia de gente boa, educada, civilizada, culta, sorridente e pronta a colaborar com o próximo - e com o distante -, pois toda a gente cedo ou tarde teria de se medir e de contar com likes.

Nunca sabemos quando temos de agarrar um. 

 

Os impostos seriam então para cativar, ou para criar laços, diz a raposa ao parvo.     

 

Ilustração - Toxandreev

 

Num registo sério, agarro - esperando ser perdoada pela ousadia - no comentário da Sarin que, como é evidente, urge reter.

(...) confesso as minhas crença e descrença no INFARMED - crença porque os medicamentos devem ser controlados, descrença porque a indústria farmacêutica funciona por objectivos distintos da Saúde.


Tenho a certeza de que uma vida vale mais do que um banco.
Mas também sei que há vidas que valem tanto quanto o barulho que as redes ecoem - Maddie é exemplo suficiente.
Quantos casos há de crianças adolescentes adultos com doenças raras? Poderemos importar assim medicamentos porque alguém aparentemente precisa? E como ficamos com a comercialização de fármacos na UE - um dos poucos produtos cuja circulação não é livre? Por outro lado, como fica a questão da responsabilização pela administração de um não autorizado?


Os procedimentos devem ser céleres, mas não podem ser ignorados. Custa, a emoção é pesada, mas quem gere não pode gerir por afectos - embora tenha que manter a sensibilidade pois gere por e para as pessoas. (...)

 

Roam-se! TAMBÉM Tenho Amigas deste calibre.

 photo man_zps989a72a6.png




  Pesquisar no Blog