Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe cor-de-rosa

rabiscado pela Gaffe, em 06.06.12

Talvez compensando uma certa sensação de rispidez da imagem anterior, escolho a relaxante cor-de-rosa, usualmente atribuída às raparigas, mas que usada por uma masculinidade sem hesitações traz um encanto irresistível.

É notório que nem todos os rapazes conseguem resistir a uma imagem quase monocromática, sobretudo quando a cor não está (ainda!) separada de uma imagética feminina.

Torna-se, contudo, bem mais agradável, e de mais fácil aceitação por parte da brigada dos bons costumes e da divina moral, a monocromática imagem de suave cor-de-rosa aparecer num homem já feito (diria a minha santa avó, que nunca foi membro do clube).

O estereótipo, pensamento básico, limitado, redutor e primário, é, em consequência, de fácil assimilação, chegando rápido, sólido e epidémico, às massas.

Desestruturar este estreito e delimitado pensamento exige maturidade e esta, como é sabido, chega (quando chega) invariavelmente com a idade.

Daí, esta suavidade máscula se destinar a homens. Não a rapazinhos.

Nenhum imberbe é capaz de alterar as conotações centenárias apensas ao cor-de-rosa, fornecendo-lhe a necessária dose de masculinidade que o torna, não apanágio de bebés de laço presos a caracóis e folhos em redor, mas apenas mais uma cor com que passeamos o lado solar das nossas vidas.

 photo man_zps989a72a6.png


2 rabiscos

Sem imagem de perfil

De Vic a 06.06.2012 às 12:35

Até pode ser, Gaffe. Para mim, a desvirtude está na monotonia cromática, precisamente :)
Imagem de perfil

De Gaffe a 06.06.2012 às 13:24

Eventualmente.
É curioso que este cavalheiro que não consigo identificar (falta de paciência) aparece-me imensas vezes e gosto quase sempre do que usa.
Acredite que só aqui é monocromático.  

Comentar post





  Pesquisar no Blog

Gui