Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe com saudade

rabiscado pela Gaffe, em 25.11.16

1.92.jpgChegava a ti de Inverno. Pelo Natal. Tu insistias.

Sempre te amaram a ti. A mais ninguém. Deram-te um nome no momento exacto em que te viram (haste de lírio, jarro, baloiço do meu peito naufragado).
Amaram-te no instante em que pousaram na catedral dos olhos que eram teus (incêndios transformados em lareiras).

Quando não chove, o entardecer de Inverno vem azul trepar às árvores. Levanta-se poalha prateada. Esmaecem os contornos das pedras e dos passos.

- Não! Não vás, avô. Não é preciso nada.
- Não sejas tonta. Eu volto já. Eu não demoro.

O tempo lancetado. Suspensa a vida. O meu alento contigo, atrás de ti, como um cão estropiado.
Quanto tempo era o tempo que amputava? Ficava muda e surda à espera da alma.

Vinhas pela alameda de mimosas, desengonçado e frágil, lentíssima faísca, unir o Tempo.

Um dia vieste e abraçaste-me (braços de pedra, Príncipe do Lago). Era eu meninaSenti na nuca a dor do teu anel. O meu nome na tua boca por três vezes teu, biblicamente três, a estremecer como um minúsculo coração de insecto.
Agora tenho medo do meu nome não soar. Fiquei sem nome.


- Eu volto já.

Ainda espero por mim por entre todos os ramos enredados.

 photo man_zps989a72a6.png

Gavetas:




Por força maior, os V. comentários podem ficar sem resposta imediata. Grata pela Vossa presença.


  Pesquisar no Blog