Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe com um dói-dói

rabiscado pela Gaffe, em 19.04.18

dd.jpg

Desconheço a origem da sábia expressão, tida actualizada no Douro, os homens são uns paridos, mas confesso que neste caso o empirismo é convincente, dispensando em consequência comprovação científica.

 

Os homens são o que na gíria se chama mimelos e que na realidade é apenas uma característica da espécie e do género.

Esta particularidade adquirida pelos rapagões há tempos imemoriais, é vastas vezes usada como ardil de sedução. Nos confins do inconsciente mais oculto, os homens perceberam que um queixume, um ai, um arquear infeliz de sobrancelhas, um chorito, uma lágrima furtiva, um tombar sem forças, ou um golpezito de sorte, faz eclodir a enfermeira que todas temos cá dentro.

 

É evidente que nem todas obedecem de forma literal a este impulso. Perante um gemido masculino não é certo que uma mulher envergue de imediato a bata branca e o chapelinho com a cruz vermelha, despidas outras formas de se ser tarada, e se desatilhe em manobras de reanimação seja do que for.

Não!

Apesar de tudo, resta-nos o senso e a vontade de enfiar o termómetro nos sítios e com os fins a ele originalmente destinados. No entanto, a descoberta desta nossa debilidade, o reconhecimento da nossa propensão maldita, entrega aos meninos choramingões a possibilidade de se servirem da extraordinária disponibilidade feminina, da nossa abnegação, da nossa compaixão, da Madre Teresa que em nós lateja, para fins muito poucos lícitos.

 

Não adianta muito afirmarmos, empoladas pela soberba, com o nariz arrebitado de estoicismos, orgulhosas da nossa capacidade de sofrer em silêncio e com a vertigem da superioridade de quem aguenta - de pé, hirta e fixa -, os tacões agulha na presidência do conselho de administração da nossa vida, que os homens são uns paridos. É inútil, como toda a verdade encanecida e ultrapassada. Ao primeiro choro do nosso menino, espetamo-nos na net a ver se dói, doridas de pesar.

 

Somos compassivas, somos caridosas, somos empáticas, somos caritativas, somos misericordiosas e bondosas. Está dentro de nós estes destinos - embora todos muito selectivos.

Sabemos que os homens são uns paridos, mas, se valerem a pena, corremos a tratar-lhes do dói-dói.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)


12 rabiscos

Imagem de perfil

De Cecília a 19.04.2018 às 15:55

corremos mas demorámos a encontrar os dói-dói (confesso que me perdi a mirar o paciente antes de encontrar o dói-dói - digamos que houve ali um quase pouco ético)
Imagem de perfil

De Gaffe a 19.04.2018 às 18:07

Eu acho que corria mesmo que este rapagão não tivesse dói-dói nenhum ...

Comentar post



foto do autor