Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe cúmplice

rabiscado pela Gaffe, em 05.11.16

hv.jpgGosto de manhãs de nevoeiro denso sobre a copa das árvores.

 

Gosto de me aproximar da janela sonolenta do meu quarto e ver ao longe os dois.

O envelhecer galopante do meu pai torna-o deslumbrante. Branco e esguio, magro, cada vez mais magro, cada vez mais longe e mais pacífico. Uma haste erguida frágil no sossego dos caminhos ou um livro fechado no regaço das águas.

 

Adormece facilmente. É bom ficar sentado a vê-lo assim dormir. Parece morto e nesse simulacro é imortal.

 

Às vezes senta-se na poltrona da sala que prefere, a virada a Norte e àquilo que é mais frio, e deixa-se ficar de mãos cruzadas. Imóvel e discreto. Depois, e de repente, vai-se embora, como se tivesse dito tudo ou nada mais houvesse para ser visto.

Gosto destas cavernas de silêncios pálidos.

 

O meu irmão que lhe segura o braço, ao lado dele, torna-se ainda mais terno e meigo e afectuoso.

Tem trigo nos cabelos, o meu irmão, e olhos diluídos pelas árvores.

 

Vão recolhendo nas manhãs as minhas névoas.

 photo man_zps989a72a6.png

Gavetas:


2 rabiscos

Imagem de perfil

De Fleuma a 05.11.2016 às 21:53

Estas palavras podiam bem pertencer a certos alfabetos emocionais que só muito, mesmo muito raramente encontro.

No meu caso pessoal tratarei de vampirizar este alfabeto atmosférico. Pode ser que fico seco.

Brilhante,
Imagem de perfil

De Gaffe a 06.11.2016 às 00:15

Limito-me a sorver as atmosferas que eles vão criando. Acabam a envolver-me inevitavelmente.
Creio, meu querido Fleuma, que muitas dessas atmosferas estão muito próximas de si.

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.





  Pesquisar no Blog

Gui