Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe das bloggers

rabiscado pela Gaffe, em 23.02.18

cool.png

 

Encontrei nestas minhas andanças pela blogosfera uma preciosa peça que listava os blogs mais potentes deste vale de posts. Enumerados por ordem alfabética, tornava-se quase apetitoso visitar cada um deles, pela facilidade de acesso e pelo pouco esforço que um clique nos exige.

Não resisti.

Foram sobrevoados, um por um, nas asas abertas de alguns minutos e há que registar que nestes fugazes voos rasantes encontrei matéria para reflectir - e só Deus sabe o pouco que tal movimento vê a luz.

 

Confesso que ignorei os primeiros, pois que sempre fui indiferente aos panfletos do Pingo-Doce ou do Continente, embora tenha o vício de folhear os catálogos fininhos, que encontro mortos na caixa do correio, com fotografias e elogios sucintos aos mais inesperados e surpreendentes produtos - desde esfregonas a pilhas a vibradores para os dentes, passando por detergentes para higiene íntima e acabando em material didáctico destinado a pedófilos frustrados que se excitam a ver macaquinhos de peluche que chiam se apertados. Tudo a preços módicos.

 

Os seguintes vendiam crianças. Provavelmente os filhos das curadoras, porque me pareceu tudo muito maternal.

Admito que já esgotei a pouca capacidade de abrir a boca de espanto e de indignação que destinava ao assunto. Tendo em consideração que agora só abro a boca por motivos maiores e de maior idade, mantive a pose e fui passando indiferente pelas esquinas por onde aquela petizada trabalhava. Não encontrei nenhuma criança que me perturbasse. Todas saudáveis, felizes, fofinhas e rentáveis. Nada a necessitar de intervenção ou de petição para assinar. Confesso o famigerado quero saber.

 

Cheguei ao último e fiquei perplexa.

 

Encontrei uma mulher bonita, com um travo sofisticado que me agradou, com muito bom gosto, revelando que é cúmplice da câmera que a vai fotografando ao lado da filharada - uma adorável prole, comme il faut -, capaz de fazer com que se não perceba de imediato que está a fazer pela vida vendendo o que lhe cabe em parceria, posando de modo quase profissional e afastando-se claramente da imbecilidade do sorriso maroto, olhar marosca, perninha erguida, com o pequenino pé esquerdo logo ali à frente do direito e mãozinha na cinta de verniz por estalar.

Não me cansou e admito que perdi mais tempo do que o previsto a passear nas avenidas limpas, e mesmo agradáveis, da senhora. Vendia o sonho, o idílico, o desejado, o cor-de-rosa brando, incutia o desejo do inútil, incitava o consumidor de forma relativamente discreta e promovia o cliente que a subornava, sem nunca parecer patética, parola e pateta.

 

Gostei da senhora.

 

No entanto, fiquei perplexa ao perceber que, apesar das características que a diferenciavam das outras banais companheiras de folguedos, havia um borrão naquela paisagem quase perfeita.

A ausência da Elegância.

A senhora era desprovida do imperceptível toque da Elegância - mais danoso ainda do que nos casos anteriores em que esta inexistência é já prevista -, que aproxima as mulheres do imaterial, do abstracto, do mistério denso e longo e tantas vezes escuro e impenetrável, capaz de tornar incontornável a presença do silêncio que perto dela, em seu redor, a toda a volta, se vai impondo aos mais banais, até que o fascínio se torne proprietário do desejo.

Faltava a Elegância e essa ausência tornava a senhora bonita, não a vendedeira do costume - pelas razões apensas às parceiras -, mas uma vendedora doutorada.

 

Talvez por isso tenha percebido que não basta, de modo nenhum, parecermos cool.

Há que ser mulher de César.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)


14 rabiscos

Imagem de perfil

De Gaffe a 24.02.2018 às 22:42

Mas controlaste-te e isso é muito bonito.
;)


(Digo-te depois em segredo.)

Comentar post



foto do autor