Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe de Agustina

rabiscado pela Gaffe, em 03.06.19

.

A Senhora que escreve livros em folhas sem margens, com letra cerrada sem espaço para erros, pede a mantilha de caxemira de um azul nocturno. Debruça-a nos ombros.

A vaidade é vantagem que lhe amansa as rugas.

A Senhora dos aforismos veste-se de escuro.

A Senhora que escreve romances na velha cozinha, perto do jardim, olha para as árvores medonhas de frio. Olha pela janela para dentro das árvores e o jardim inteiro dentro da cozinha à espera das letras que a velha Senhora que olha o jardim se esqueceu lá fora.

A Senhora que escreve romances não risca palavras. Reproduz as frases com outras diferentes em novos papéis cerrados, sem margens, sem espaço para mais.

A velha Senhora não risca palavras. Falta-lhe a coragem para as abolir e por isso um erro, uma escolha falsa, um som que destoa, fica por tocar, a pairar nas árvores que ficam lá fora.

A velha Senhora escreve romances nas folhas das árvores que crescem nos olhos sem fim com que da janela vê uivar o tempo.

O tempo que cresce dentro das janelas, perto de palavras que tem para cuidar.

Agustina. Meu amor amargo, meu amor coberto por mantilha.

Meu amor guarida. Meu amor casulo. Mau amor de malmequer que bem me quer. Meu amor de sol coberto escuro e saturado de palavras. Meu amor infindo. 

 

Ouvem-se cães a uivar por toda a casa.

Os sons da casa são os cães a uivar.  

 photo man_zps989a72a6.png


28 rabiscos

Imagem de perfil

De Mia a 03.06.2019 às 17:11

vim ao teu blog porque sabia que irias escrever algo sobre Ela. Muito bonito gaffe.
Imagem de perfil

De Gaffe a 03.06.2019 às 18:40

Vão escrever imenso sobre Agustina. Até os que jamais a conheceram.
Imagem de perfil

De Fleuma a 03.06.2019 às 17:17

Nunca gostei de Agustina, Gaffe. Creio que por falha minha. Ou porque nunca lhe achei atmosferas ou labirintos onde repousar.

É uma arte que me cativou sem capturar. Talvez seja lamentável.


Não. Prefiro antes estas suas palavras porque são capazes de me despertar nas ausências.

Coisa que sei, Agustina nunca o conseguiu.

Abraço.
Imagem de perfil

De Gaffe a 03.06.2019 às 18:46

Suponho que os labirintos de Agustina eram dela, estavam nela. Talvez fossem apenas aflorados nas páginas que escreveu.

Acredite, meu muito querido Fleuma, Agustina era um fabuloso acervo de atmosferas.
Imagem de perfil

De Luísa de Sousa a 03.06.2019 às 18:07

Oh, que lindo!!!
Gostei imenso Gaffe!
Imagem de perfil

De Gaffe a 03.06.2019 às 18:43

É altura de redescobrir Agustina.
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 03.06.2019 às 18:54

Que bonita homenagem :). Gostei muito.
Imagem de perfil

De Gaffe a 03.06.2019 às 19:11

:)
Não será uma homenagem. Não sei. Sou minúscula.
É mais uma memória.

(Obrigada)
Imagem de perfil

De imsilva a 03.06.2019 às 19:21

Lindíssimo!
Imagem de perfil

De Gaffe a 03.06.2019 às 19:31

Ela era lindíssima.
... E má! ... O que a tornava inexplicavelmente bela.
Imagem de perfil

De Sarin a 03.06.2019 às 19:59

O postal é bonito.
Mas esta frase é Agustina.
Imagem de perfil

De Gaffe a 03.06.2019 às 20:06

Desculpa. Não percebi o teu comentário.
Imagem de perfil

De Sarin a 03.06.2019 às 20:31

Estás desculpada :))

Tentei dizer que o teu postal é bonito, evocativo de Agustina; mas que no comentário definiste Agustina: má na crueza com que via, bela na forma como o traduzia.
Imagem de perfil

De Gaffe a 03.06.2019 às 21:54

Agustina era exactamente assim.
E ria-se disso.

A minha avó quando se irritava - e irritava-se muito - com a minha mãe, acabava a conversa com os sacramentais conselhos:

- Não seja mais velha do que eu, menina. Tente pelo menos parecer que tem a idade da Agustina. Vai ver que lhe desaparecem essas rugas de bondade na alma. Por favor, seja má de vez em quando. Dá-lhe uma corzinha.

Depois desandava pelos corredores a resmungar contra Agustina.

Saudades.
Imagem de perfil

De Sarin a 03.06.2019 às 22:46

A tua avó era sábia. E tinha sentido de humor.

E esse comentário era um postal, dava um postal :)))
Imagem de perfil

De Gaffe a 03.06.2019 às 23:12

Era, sim.
Eram duas sábias. Duas extraordinárias amigas sábias e sempre em desacordo muitíssimo bem planeado. Só dessa forma o tornavam divertido.
Imagem de perfil

De Sarin a 03.06.2019 às 23:20

Que sorte tiveste em nascer no Douro e à sombra de tais xailes :)
Imagem de perfil

De Gaffe a 03.06.2019 às 23:28

Sempre me senti miraculada.

... E tive o meu avô. O meu milagre mais amado.
:)

Os deuses foram tão generosos comigo!
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 03.06.2019 às 21:01

Palavras sábias que enaltecem Agustina.
Tinha a certeza que a Gaffe escreveria tão belas palavras.
Imagem de perfil

De Gaffe a 03.06.2019 às 21:45

Não.
:)
Só lendo Agustina a enalteceremos. É inevitável.
Imagem de perfil

De Maria a 03.06.2019 às 23:48

Só mesmo a Gaffe poderia escrever este post . Parabéns !
Imagem de perfil

De Gaffe a 04.06.2019 às 07:13

:)
Obrigada.
Mas sei que há muitíssima gente que fala de Agustina bem melhor do que eu, que pareço calada.
Imagem de perfil

De Maria a 04.06.2019 às 14:40

Até podem falar melhor. Mas nenhuma tem uma prosa tão bela. Não se subestime! 😊
Imagem de perfil

De Gaffe a 04.06.2019 às 20:45

Nunca me subestimo.
É uma qualidade minha.
:)
Imagem de perfil

De Maria a 05.06.2019 às 00:54

Ótimo . Desculpe se fiz uma leitura errada. Mas repito. Já li muitos textos nos blogs sobre Agustina e continuo a achar o seu sublime.
Imagem de perfil

De Gaffe a 05.06.2019 às 10:29

Muitíssimo Obrigada.
:)*
Imagem de perfil

De Corvo a 04.06.2019 às 11:39

Pois, Gaffe. Para ser mesmo sincero, a exemplo do seu leitor Fleuma também nunca fui grande fã da Agustina.
Culpa minha, obviamente. Se um país inteiro professa o inverso, só posso andar por caminho errado.
Paz à sua alma.
Imagem de perfil

De Gaffe a 04.06.2019 às 20:44

Não, meu caro Corvo. O país não é unânime no aplauso a Agustina.

Agustina agradecerá. Ruidosamente, como era seu costume quando se irritava.
Agustina iria odiar a unanimidade da aclamação. Odiava que a tratassem por tu.

Comentar post