Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe de Dijsselbloem

rabiscado pela Gaffe, em 22.03.17

gerhard haderer.jpg

 

A Gaffe não fica irritada com o eurodeputado polaco que acredita que as mulheres são menos inteligentes e mais fracas se comparadas com homens, devendo ganhar menos por isso. O senhor polaco é a prova viva do que foi ouvido. Um homem que é capaz de afiançar e abalizar esta corrente de pensamento, muito mais activa do que se pode aferir, não é nada parvo, nada imbecil, não é nada velho e demonstra ser capaz de raciocínios que apenas ombreiam com o seu corpo musculado vigoroso, forte, dominador e imponente.

A Gaffe abençoa o eurodeputado polaco, porque é ele que iliba e eleva ao cume da genialidade a mulher mais imbecil que consigamos encontrar.

 

Com Jeroen Dijsselbloem a Gaffe tem de admitir que ficou amuada e aconselha-o a ler este maravilhoso pedacinho de ironia. 

 

O menino holandês que usa fatinhos apertadinhos, que deixam o rabinho redondinho a espreitar, que usa uns óculos muito hipster pousados no rosto redondinho e encaracoladito e que se ajoelha para ouvir o dono, mostrou que  sabe como os países do Sul da Europa são canalhas, bebedolas, mulherengos e pedinchões a viver da disponibilidade caridosa do Norte europeu.

 

Uns safados.

 

A Gaffe considera que Dijsselbloem devia levar tautau no rabinho - não com muita força, vá! - com uma chibata empunhada por um casal vestido de látex, com mascarilhas de Zorro, tacões agulha - os dois -, mamilos apertados por molas de estendal e portugueses - não há nada como um casal de bons, velhos e divertidos portugueses bêbados para compor esta imagem -, depois de ser sodomizado com as tampas das canetas com que falsificou o currículo - embora o menino já tenha experienciado coisa pior, tendo em conta o resultado das eleições holandesas.

 

Dijsselbloem esqueceu o futebol e os milagres.

Imperdoável.

Mulheres, copos, bola e milagres. Eis como caracterizar correctamente os países do Sul da Europa.

 

Os dois meninos europeus, mesmo provenientes de países diametralmente opostos, são encarnações da Europa a duas velocidades que converge num ponto demasiado perigoso para ser encarado como um pormenor de somenos importância:

 

O preconceito.

 

É este um dos alfinetes cravados na pele frágil da União e um dos que vai sangrando devagar e sem se dar conta a tão desejada e publicitada coesão europeia, permitindo equacionar uma Europa retalhada em dois territórios. A região-desenrasca e demarcada dos pobres chico-espertos e a região benemérita dos ricos sacrificados que fazem crer à primeira que é bêbada e frequenta prostíbulos, exactamente da mesma forma como a fez acreditar que vivia acima das suas possibilidades. Repetindo até entranhar o que lhe é conveniente e o que permite salvar potentados financeiros do colapso trafulha.

 

O menino polaco e o menino holandês podem unir trapinhos. Afinal, pensam da mesma forma e só se estraga esta europa.

 

Ilustração - Gerhard Haderer

 photo man_zps989a72a6.png


42 rabiscos

Sem imagem de perfil

De Fátima a 23.03.2017 às 15:20

Se for mesmo as belas das palmadas, as de couro. Se quiseres explorar...as outras ahahahahhaha

Comentar post




Por força maior, os V. comentários podem ficar sem resposta imediata. Grata pela Vossa presença.


  Pesquisar no Blog