Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe sem encanto

rabiscado pela Gaffe, em 02.07.19

dina-goldstein-snowy-lr_med_hr.jpeg

Vou tomando consciência do facto de quase todos os meus rabiscos ficarem sem nexo, sem sentido, sem qualquer ponta por onde se lhes pegar, sem o auxílio das figurinhas que escolhi para os ilustrar.

Esta ligação ou simbiose, como se lhes queira chamar, é uma miserável metáfora para outras uniões que grassam por todo o lado e que são incomparavelmente mais dignas e mais importantes do que as que vou fazendo levianamente por aqui.

 

Há alianças que fustigam os dias com os brilhos de promessas encantadas, uniões que afiançam a eternidade de uma fábula, elos que trazem a garantia do encanto e da magia de uma história de fadas, laços de seda, de veludo e de cetim que adornam a solidez do reino onde se pode ser feliz para todo o sempre, que, de modo subtil, se vão esfumando ou estilhaçando em silêncio de encontro ao tempo que passa.

 

Subitamente, percebemos que atingimos o limite concedido para alojar pedaços que supomos ser os que nos são mais queridos, que esgotamos a nossa capacidade de acumular sentimentos ou imagens de um sentir que não é nosso, que todos os retalhos de felicidade que fomos reunindo são substituídos pela cinza de um aviso breve e cru.

 

Não nos é permitido mais.

 

As adornadas vedações que nos impediam de ver o que chegava lento e sem ruído para minar a nossa etérea ilusão de felicidade, acabam por fazer desaparecer o que retínhamos na alma e que nos fazia acreditar que éramos heróis e heroínas de contos infantis.

Ficamos com os abismos da desilusão nos braços.

 

É claro que há remédio!

Levantamos o rabinho da rocha magmática, enegrecida e bruta, em que se transformou a vida e vamos substituindo, com a coragem dos que se sentem sós, pedaço a pedaço, as imagens perdidas, retocando sempre que podermos o ilusório acumulado outrora com a consciência, exacta como um bisturi, de que nem sempre os sapos trazem príncipes dentro.

 

Imagem - Dina Goldstein

 photo man_zps989a72a6.png


26 rabiscos

Imagem de perfil

De Maria Araújo a 02.07.2019 às 14:00

(des)encantos todos temos por toda a vida, (des) ilusões também.
Está nas nossas mãos fazer o que a Gaffe muito bem rematou no último parágrafo.

Imagem de perfil

De Gaffe a 02.07.2019 às 16:30

Cheguei a uma conclusão:
São os desencantos e as desilusões que nos impelem. acabamos parados sem eles, esparramados em felicidade.
Imagem de perfil

De imsilva a 02.07.2019 às 14:32

Gosto muito dos teus textos, não são sem nexo, nem sem sentido, mas escondem alguma coisa, o quê, não sei, mas alguma coisa é. Espero que seja só um estado de alma.
Imagem de perfil

De Gaffe a 02.07.2019 às 16:29

Escondem quase sempre tudo!
:)))
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 02.07.2019 às 15:49

Fiquei um pouco suspensa das imagens camufladas nas letras; mais do que o contrário, desta vez. Espero ter entendido tudo mal.
Imagem de perfil

De Gaffe a 02.07.2019 às 16:28

:)
Não sei! Não sei se percebi o comentário.
Seria bom se fosse mais específico.
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 02.07.2019 às 16:57

De repente, soou-me a despedida. Se não for, não destas avenidas, pelo menos, fico um nadinha mais tranquila. Mesmo correndo o risco de ser insensível.

Não sei como fazes, para conseguir manter cheio este blogue (há 10 anos?!!). Cheio de vida, cheio de cor, de alegrias e de tristezas, de muito génio e alguma dor, cheio de humores, cheio de ti, sem nunca te chegarmos a conhecer totalmente. Não como fazes, mas, espero que nunca te canses.
Imagem de perfil

De Gaffe a 02.07.2019 às 18:32

Não. Não vou embora.
É apenas um rabisco que provém das minhas observações. O quotidiano dá imensa matéria-prima.

São 2433 posts! Nunca pensei ser capaz de escrevinhar tanta coisa.
O mundo é imenso! Só tenho de o tentar apanhar de rajada.
:)
Imagem de perfil

De Gaffe a 02.07.2019 às 20:01

Só uma pequena anotação:
No Japão era usual os espectadores de teatro agradecerem aos actores com a palavra "otsukarasama". Significa "vocês cansaram-se por mim".

:)
- Otsukarasama.

(Tens de ler Gonçalo M. Tavares!)
Imagem de perfil

De naomedeemouvidos a 02.07.2019 às 23:02

Os costumes japoneses...um fantástico e vibrante labirinto.

Somos todos actores, somos todos espectadores. Devolvo o cumprimento, com a mesma ousadia, salpicada de carinho.

(Não li. Para já, vou ler a entrevista (https://leitor.expresso.pt/semanario/semanario2423/html/revista-e-1/-e/goncalo-m.-tavares-ser-humano-e-a-nossa-mao-tremer-1))

Uma boa noite, para ti :)

Imagem de perfil

De Gaffe a 02.07.2019 às 23:49

É o meu "jovem" escritor favorito, mesmo ali ao lado de Afonso Cruz.
É soberbo. Possui uma inteligência cirúrgica que usa nas palavras como nenhum outro.
Imperdível.
Imagem de perfil

De Maria a 02.07.2019 às 17:28

Os felizes para sempre que nos encantam na nossa infância, convertem- se em desencantos quando adultos. Mas como diz a Gaffe " Levantamos o rabinho da rocha magmática, enegrecida e bruta, em que se transformou a vida e ..."
Não seremos dizes para sempre, mas ao menos não nos acomodamos ao desencanto.
Imagem de perfil

De Gaffe a 02.07.2019 às 18:39

O desencanto vicia. Urge resisitir.
Vale tudo! Até as palavras de ordem mais gastas. "Unidas venceremos!!!"
Imagem de perfil

De Luísa de Sousa a 02.07.2019 às 18:29

Gaffe gostei muito deste texto!
Acredito que todas nós podemos ser heroínas!!! Se fizermos por isso!
Eu sou uma delas, apesar de todos os desafios que a vida me fez passar.
Levando o meu "rabinho" todos os dias, vou à luta, trilho caminhos difíceis,mas nunca perdi a vontade de me encantar com o que a vida me dá!!!
E encanto-me muito, porque faço com que todos os meus desejos aconteçam!!!


Imagem de perfil

De Gaffe a 02.07.2019 às 18:38

"E mainada!"
:)*
Imagem de perfil

De Rui Pereira a 02.07.2019 às 23:43

Isso é que é dar a volta por cima, minha cara!
Um regresso em grande!

A Gaffe é tão enigmática! ;)
Imagem de perfil

De Gaffe a 02.07.2019 às 23:51

:)
Às vezes o enigma somos nós a olhar para ele.
Imagem de perfil

De Corvo a 03.07.2019 às 00:20

Olha a nossa Gaffe apareceu.
Já começava a preocupar-me muito seriamente pela longa duração da imersão, mas vá lá que sempre veio cá acima respirar. Mais descansado.
Então sobre o postal. A realidade acontece muito quando a precipitação acontece demasiado, porque estar-se apaixonado não é propriamente a mesma coisa de querer apaixonar-se.
Casam-se as pessoas com quem mal conhecem, e depois uma vez corre bem. e 100 vezes é o descalabro.
As máscaras caem e fica-se com a pessoa com quem se casou.
Continuação de uma excelente noite, e cuidado com os mergulhos demorados. Desta vez correu bem, mas pode nem sempre correr assim. Fica muito tempo lá em baixo e nunca se sabe quando um tubarão esfomeado lhe mete o dente.
O melhor mesmo é mergulhar e sair rapidamente.
Imagem de perfil

De Gaffe a 03.07.2019 às 10:48

O problema, meu caro Corvo, é quando nos apaixonamos por alguém e desatamos a querer modificá-lo - diz quem sabe.

A rapidez nunca foi aliada da perfeição - diz quem sabe.
;)
Imagem de perfil

De Sarin a 03.07.2019 às 19:24

Se tentas modificar aquele por quem te apaixonaste, não te apaixonaste por ele mas pela expectativa, pelo potencial, talvez pelo reflexo... pela imagem que te deixou ver e usar?

Sobre o postal: talvez não tenha percebido bem, ando algo perdida (senti o mesmo no próximo - que, na verdade, cronologicamente para mim é o anterior), responsabilidade minha porque menos atenta, bem sei; mas, voltando ao postal, se foi uma despedida, you will always have Paris :)
Imagem de perfil

De Gaffe a 03.07.2019 às 21:03

Pensava o mesmo, até ler "A bela adormecida" de Fernando Pessoa.
Depois fiquei a sentir que no outro nos amamos sempre.

(Não é uma despedida. Bogart vai ter de esperar.)
Imagem de perfil

De Sarin a 03.07.2019 às 21:23

Sim, o reflexo.
Mas nunca tive paciência para o meu destino de deus. Deusa, sim, e por isso e por descrença duas vezes abjuraria aquilo do "à minha imagem e semelhança".
:))

(Despedida não de nós aqui, leitores; mas a alguém ou a algo.
E Bogart é como o vinho dos socalcos daí. Para mim, suave mas bruto, sff.)
Imagem de perfil

De Gaffe a 03.07.2019 às 21:33

Ou a mais completa e inconsciente projecção de Narciso.
:)

(Somos todas a Bergman, cedo ou tarde.)
Imagem de perfil

De Sarin a 03.07.2019 às 22:21

Inconsciente, aceito! :)

(E não o poderemos ser tarde e cedo, várias vezes até?)
Imagem de perfil

De Gaffe a 04.07.2019 às 00:28

Podemos.

(... Depende do argumento....)

Comentar post




Por força maior, os V. comentários podem ficar sem resposta imediata. Grata pela Vossa presença.


  Pesquisar no Blog