Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe de Mr. Grey

rabiscado pela Gaffe, em 16.02.15

J. Allen St. John.jpgNestas últimas semanas a Gaffe tem-se sentido regressada dos confins da Amazónia onde apenas conviveu com coisas rastejantes e pouco recomendáveis. Fica quase catatónica a ouvir discussões e debates inflamados acerca das peripécias dos reality shows, do milionésimo episódio de uma telenovela portuguesa e d’As Cinquenta Sombras de Grey.

Para recuperar a capacidade de se ver incluída nas conversas à volta da fogueira, a Gaffe decidiu ir ao cinema. É muito mais eficaz do que se ver transformada em troglodita por osmose, do que ter os nervos esfacelados por nunca mais matarem a personagem do Pedro Granger e por não estar disposta a perder mais do uma hora e picos a adquirir capacidade de estabelecer vias de comunicação com as multidões.

Os sacrifícios que uma rapariga faz em nome do diálogo e do convívio social são muito subvalorizados.

De óculos pretos, porque não é conveniente ser-se reconhecida sentada em cadeira ainda quente, trench-coat impermeável para evitar que salpicos de baba alheia lhe conspurquem a postura e de lenço Hermès a tapar-lhe o nariz para fintar o nauseabundo cheiro das pipocas, a Gaffe entra no átrio onde uma multidão de mulheres estrelejantes espera confirmar que o Mr.Grey da tela é similar ao que se lhes soltou das páginas. Curioso é perceber que o olhar masculino não adquire aqui o sarcasmo complacente, a paternal ironia ou a malandreca piscadela de que falou aqui. A união de tanta fogueirinha, pode anunciar um incêndio e a possibilidade de um homem se ver incenerado limita imenso o ambíguo sorriso masculino.

A Gaffe esteve atenta e concluiu que, nunca tendo encontrado Mr. Grey nas páginas do livro, o da tela era bastante satisfatório, mas perfeitamente inócuo.

Depois surpreendeu-se.

Considerar o uso de umas algemas de boa qualidade e muito design, giríssimas e luzidias, uns atilhos e umas vendas de seda e de cetim, umas sapataditas nas nádegas, uns encontrões mais arrojados contra as paredes ou uns gritinhos soltos enquanto nos esbardalham num sofá assinado por Philippe Starck, sessões de BDSM protagonizadas pelos problemas existências daquele homem e por uma moçoila que usa blusas floridas e saias de missionária no Camboja, é a mesma coisa que no pino do Verão nos espapaçarmos na sala, de biquini, baldinho de areia ao canto, CD de Rui Massena a pianar, cocktail com duas sombrinhas espetadas na rodela de limão, em frente a um poster do Hawaii que colamos na parede. Por muito que queiramos, não bronzeia.

A posição de missionário é bem mais aventureira do que a maior parte daquilo que se passa na tela, embora claro tudo dependa bastante da cruz que carregamos.

A Gaffe e o Divino Marquês saíram defraudados. Mr. Grey não é um sádico torturado pela consciência da dor que provoca. Quando muito, tem birras de rapazinho mimado. A rapariga não é o elemento passivo de um duo perverso. Não sofre sevícias sexuais. Leva tau-tau. Um tau-tau que não faz dó-dói. Não é mais do que a representação de todas as moçoilas que ambicionam ter na cama um homem que desperto pelo seu poder de sedução, tomba ainda que superficialmente no poço dos seus atributos de bichano mauzão.   

Mr. Grey é mauzinho, mas caseirinho. Não se comporta como manda a sapatilha – all star, no máximo Nike, porque mais não calça o filme – de um sádico nu e cru e a menina não é mais do que mais uma mulher que sente que os homens estão cada vez mais amorfos, indiferentes, apáticos, rotineiros, apagados e desinteressantes e que de repente encontra um mais desperto.

Nestas circunstâncias, qualquer encontrão contra a parede dá uma trilogia de sucesso.   

 

Ilustração - J. Allen St. John

 photo man_zps989a72a6.png


22 rabiscos

Imagem de perfil

De css a 16.02.2015 às 10:27

Ler a Gaffe no emprego é um perigo. A do tau-tau fez-me rir à gargalhada e ficou logo claro que não estava a trabalhar. As folhas excel com despesas não costumam ser tão divertidas.
Imagem de perfil

De Gaffe a 16.02.2015 às 10:30

Tudo depende do rumo que os cálculos tomam. Há gráficos Excel que produzem linhas bastante ascendentes.
Imagem de perfil

De Magda L Pais a 16.02.2015 às 12:04

um dia sou despedida à conta de ler determinados textos aqui no estaminé... ai sou sou adorei a analogia com o bronzeado no verão em frente ao poster e amei o tau tau e as birras
Imagem de perfil

De Gaffe a 16.02.2015 às 12:08

;)
São analogias bastante compreensíveis dada a situação e as posições.
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 16.02.2015 às 13:20

Um texto como só a Gaffe consegue escrever.
Estava a pensar ver o filme. Não li os livros, nem tenciono ler.
Por mero acaso, nos descontos do Continente, procuro sempre encontrar livros que me atraiam, lendo excertos em uma ou outra página.
Um dia destes, comprei o "Diário Secreto de Uma Mulher" (uma estória real) cuja personagem é masoquista e o seu prazer está nas práticas BDSM.
Um livro forte, mas estou a gostar de o ler.

Imagem de perfil

De Gaffe a 16.02.2015 às 13:32

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho absolutamente nenhuma aversão a obras do teor de "As Cinquenta Sombras de Grey" e não penso descartar a eventual leitura da obra.
Mas acredito também que instintivamente se reconhece a qualidade literária ou a ausência dela no que se publica.
Ler não é uma atitude fácil ou mesmo simples. Não basta abrir páginas grafadas, mesmo que seja por distracção ou descontracção, para nos tornarmos leitores. Creio que há que há obras que valem a pena e outras que merecem apenas que por elas se passem os olhos. Educar para a leitura permite distinguirmos as duas sem renunciar a nada. Talvez seja esta a distinção entre literatura e a ausência dela.
Estar aqui a ler as tontices que escrevo, pode ser divertido, mas não faz destas avenidas um recanto literário.
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 16.02.2015 às 19:00


"Estar aqui a ler as tontices que escrevo, pode ser divertido, mas não faz destas avenidas um recanto literário.2

Pode não ser um recanto literário, mas o estilo tão pessoal que usa nos seus "textos" / posts é uma avenida apelativa aos olhos de quem por aqui passa e pára para a ler.

Imagem de perfil

De Gaffe a 16.02.2015 às 20:37

Obrigada!
Se se divertirem tanto a ler como eu a escrever, fico contentíssima.
Imagem de perfil

De Cláudia Matos Silva a 17.02.2015 às 15:46

Querida Gaffe, estou em total acordo e como a querida não segui de perto o frenesim em torno da obra da autora, porém, fui ver o filme. É claro, mesmo sem ler já havia uma ideia do carácter de Mr. Grey, nem que seja pelas acesas conversas de café a que assistia 'a leste' do que seria o universo em questão. Mr. Grey da tela é realmente um gatinho, apetece por-lhe uma trela com guiso e trazê-lo para casa. É um rapaz encantador, é sim senhor. E só por isso valeu dar 6 euros pelo bilhete e o bónus da pipoca + bebida. Sabe querida Gaffe, para mim que não li os livros, mas pela descrição que me fizeram, imaginei Mr. Grey compostinho mas perverso, assim estilo Garrett Hedlund. Dê uma espreitadela no google e aprecie o belo exemplar que tão bem vestiria de 'cinza'. Quanto à obra, já saquei os dois livros da net para ler no tablet, afinal a rapariga foi-se embora mas como em qualquer história, inclusive a das nossas vidas, não basta virar as costas e fugir.

Cumprimentos querida:)
Imagem de perfil

De Gaffe a 17.02.2015 às 21:29

Vou ter de ler de novo o comentário porque fiz asneira e fui "googlar" Garrett Hedlund antes de terminar.
Uma rapariga perde-se tão facilmente!
Vou verificar se não "goolgei" o Garrett Hedlund errado...
Imagem de perfil

De Maria das Palavras a 16.02.2015 às 15:13

Hahaha. Que precioso. Esse Grey é um menino da mamã...
Imagem de perfil

De Gaffe a 16.02.2015 às 15:27

:)
Foi o que me pareceu! A brincar às casinhas assombradas como um menino zangado e deprimido e aos médicos como um enfermeiro incompetente.
Imagem de perfil

De Gracinha a 16.02.2015 às 15:56

A posição de missionário é bem mais aventureira do que a maior parte daquilo que se passa na tela - se é assim já não quero.
Imagem de perfil

De Gaffe a 16.02.2015 às 16:05

Mas o que é que a menina não quer? O que se passa na tela - apesar de tudo, convidativo -, ou a posição de missionário, dependendo o incómodo do crucifixo?
Há que esclarecer estas coisas.
;)
Sem imagem de perfil

De Menina Palomar a 16.02.2015 às 16:28

Gosto muito de a ler, mas esta é a primeira vez que comento um texto seu. É bom ler alguém que não tem receio (e por que haveria de ter? :) em assumir que viu o raio do filme, que tão mal-fad/lado anda. É irritante ver como, nas redes sociais, toda a gente diz que aquilo não presta, mas atenção! NUNCA VIU. Tudo em bicos dos pés, tentando parecer inteligente (com o que não conhece), esquecendo que o maior sinal de inteligência é opinar apenas sobre o que se conhece.
Imagem de perfil

De Gaffe a 16.02.2015 às 16:53

Eu sei!
Afirmam da mesma forma que se recusam terminantemente a ler o livro e entretanto vão dissecando, analisando, comentando e arrasando muito mais do que 50 sombras.
É um fenómeno estranho, absurdo mesmo, mas que não atinge apenas livros e filmes.

Seja bem-vinda!
Sem imagem de perfil

De *Nightwish* a 16.02.2015 às 22:25

Ahahah, muito bom! Ainda bem que não sucumbo à tentação de ler blogs alheios durante uma pausa quando ninguém sabe que é pausa durante o trabalho =P
Afinal, o Mr. Grey é um pimpolho mimado, que tem por lá uns brinqueditos engraçados por casa. Coisas de rapazes, "portantos" hehe
*****
Imagem de perfil

De Gaffe a 17.02.2015 às 21:30

Nada a que uma rapariga não esteja habituada.
Sem imagem de perfil

De AMORXU a 17.02.2015 às 19:35

Olá
eu voltei a abrir o meu blog e gostava de ter a sua opinião :p
Criticas são sempre boas!

http://iopenedmyheart.blogs.sapo.pt/
Imagem de perfil

De Gaffe a 17.02.2015 às 21:31

Vou explorar melhor e com mais tempo, mas não sou grande crítica. Nem para me censurar tenho talento!
:)
Imagem de perfil

De Ameixinha a 17.02.2015 às 23:53

Pelos vistos as nódoas negras que tenho nos pernis, e que faço indo aos encontrões da mobília cá de casa... parecem-me mais emocionantes :)
Imagem de perfil

De Gaffe a 18.02.2015 às 09:27

Atenção: tudo depende dos móveis e das circunstâncias em que fomos contra eles.

Comentar post





  Pesquisar no Blog