Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe do papá

rabiscado pela Gaffe, em 19.03.19

P..gif

 

Sendo hoje Dia do Pai, a Gaffe decide homenagear todos os homens dedicando alguns conselhos às mulheres que vão atravessando as camas onde por descuido, acaso, ou premeditação, os marotos adquirem o estatuto que lhes permite chamar filho a alguém e onde se espera justifiquem cabalmente a existência das pilas.

A Gaffe implora que as suas companheiras de folguedos a leiam com redobrada atenção, pois que é neste pequeno repositório de alertas que pode residir a chave para a harmonia do casal.

Há regras de oiro que não podem ser quebradas quando a piloca está em jogo. Uma rapariga tem de as conhecer se não quer um divórcio complicado ou a responsabilidade de ter de encontrar um psiquiatra para o parceiro mentalmente destroçado.

 

Enumeremos as quatro magníficas. Haverá mais a seu tempo, que Roma não se fez num dia e algumas pilas levam anos a edificar.  

 

I - Não pasmar quando surge uma pila pela frente

 

Sobretudo quando já a conhecemos d’outros carnavais.  

Uma rapariga que esbugalha os olhos, deixa cair o queixo, e durante um tempo que vai parecer interminável, se imobiliza, estaca, estanca, petrifica, com um allure aterrorizado, pode ser interpretada erradamente e fazer com que pareça que a pila não é de todo a Passagem de Ano em Nova York. A pila acaba inevitavelmente por sentir que mirrou, que se delapidou por completo durante as actividades anteriores à observação, que lhe fugiram componentes que impediam que aparecesse como uma personagem amiga da Branca de Neve, que tem um rato morto preso nos tintins ou, o que é arrasador, acreditar que este maior orgulho do seu dono mais lindo, não é mais do que o Gollum do Senhor dos Anéis.

    

II - Não brincar com pilas sérias

 

Uma pila, minhas amigas, não é de todo uma Barbie.

Não é com uma pila que podemos experimentar bater naquelas coisas muito americanas que largam confettis, serpentinas e papelinhos, quando rebentam. Uma pila não é um helicóptero! Uma pila não é de plástico - embora sabendo, minhas queridas, que as há bem jeitosas nas lojas da especialidade, não é a mesma coisa, diz quem sabe. Uma pila não é capaz de tomar chá por chávena com o Mickey estampado, na baby party da prima grávida que obviamente já a experimentou. Uma pila não joga à macaca, nem salta à corda - salvo algumas excepções, que não se referem aqui por pudor e decência e sobretudo porque há tesouros que devemos guardar só para nós. Uma pila não é um cavalinho de pau - embora neste caso exista, muito aplaudida, opinião contrária – e não pode ser incluída nos nossos carrosséis. Um pila tem de ser respeitada e tratada de modo adulto. Brincar com pilas, minhas caras, é brincar com fogo. Só o devemos fazer se pertencer a um bombeiro de calendário.      

 

III - Não baptizar uma pila

 

Nenhuma pila gosta de diminutivos.

Chamar Zézinho, Manelinho ou Francisquinha a uma pila - ou nomeá-la como se fosse um bichinho -, é matá-la. É menosprezar, achincalhar e humilhar uma pila desatar aos gritos nominais - Ai, bichaninha! Ai, meu Luizinho! Se páras dou-te um soco nos alforges! - durante aquele minúsculo período de tempo em que funciona capazmente. Berrar pelo Quim Zé, ou pelo Pedrinho, ou pelo Martim, ou Bernardinho – as boas famílias - pode perfeitamente fazer surgir à porta uma pila diferente da envolvida no caso e toda muito contente.

 

IV - Não permitir que uma pila apareça como quiser 

 

Uma pila não nos pode aparecer desnuda!

Se quiséssemos uma pila depilada matávamos a Barbie e ficávamos com o Ken – que para todos os efeitos, é de plástico … -, mas não é necessário que pareça ter-se aliado ao Estado Islâmico. Há pilas que impedem que lhes vejamos os olhos! Há pilas que são terroristas barbudos, sem poder de encaixe e sobretudo sem qualquer célula activa. Há pilas que se julgam Tarzan e que desaparecem no meio da selva sem sabermos sequer se de liana em liana. Há pilas gorilas na bruma. É evidente que uma rapariga não aceita, nem quer aceitar, retirar uma pila do seu habitat natural, mas urge que tenhamos em conta a campanha governamental Portugal Chama e limpar o mato. Uma pessoa nunca sabe por onde pode começar um incêndio …      

    

 

Estas, minhas amigas, são as recomendações que podem fazer a diferença entre uma pila na mão e duas a voar.

 

Há, meus amores, que as ter sempre presentes nas nossas camas.  

 photo man_zps989a72a6.png


28 rabiscos

Imagem de perfil

De Gaffe a 19.03.2019 às 20:28

E nem tu sabes o que detesto este meu lado pedagógico.
:)))
As recomendações "emplastificadas" ficam sempre bem como "centro de mesa".

Nunca perdemos uma piloca sem que outra abra uma janela ... ou coisa assim.

Comentar post




Por força maior, os V. comentários podem ficar sem resposta imediata. Grata pela Vossa presença.


  Pesquisar no Blog