Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe duriense

rabiscado pela Gaffe, em 06.12.16

268.jpg

 

No Douro há dias em que atravessamos os corredores com a lentidão dos vermes.

Dias em que se vê por dentro. Não da alma,- que desaparece afugentada e temerosa como bicho pequeno e ameaçado que procura esganiçado a mais funda lura para se imobilizar, para deixar passar o perigo, - mas por dentro do corpo.

Há dias em que se sente por dentro do corpo e o corpo em que se sente por dentro é como uma casa sem janelas. Muros, telhado e uma porta por onde apenas se entra. Sair não é possível até findar o sentir-se ou acabar o dia.

Nesses dias em que acontece este sentir, sabemo-nos alterados. Envelhecidos. Descobrimos dentro a maior desilusão, o maior dos abandonos, a maior das misérias.

Percebemo-nos idiotas. Entendemos a ausência, a solidão e toda a procissão de sentires magoados, como se abandono, desilusão, miséria e despovoado fossem órgãos iguais ao coração, cérebro, fígado.

Há dias em que atravessamos os corredores com a propositada lentidão dos cortejos fúnebres, para que os vermes tenham tempo de comer o nosso sentir lá dentro.

 

No Douro há também os dias em que a superfície dos lugares nos toca a pele.

As árvores desprendem os perfumes dos ramos. Descem os aromas pelos troncos como bichos cansados, roçam-nos a pele, farejam, e mergulham nas águas arrastando os líquenes e o musgo húmido para o fundo negro sem vista.

São como segredos.

Quebram devagar a película que nos envolve, como folha de cristal, como fina folha de cristal por sobre a pele.

Entendemos então a mais distante segurança que é entregue aos que escolheram o refúgio do rio onde o tempo esquálido flutua. Entendemos então os passos do silêncio. Esta espécie de felicidade em nada ter, porque se tem à tona da pele o imenso engano da quietude fria. Nada se move. Nada. Os dias são os dias já passados e nas madrugadas as árvores escondem o sussurrar do vento, o tilintar da chuva ou a luz que interrompe as frestas da penumbra, os rasgos de ruído pelas pedras.

 

Entendemos os dias do Douro porque os temos pousados na alma.

 photo man_zps989a72a6.png

Gavetas:


10 rabiscos

Imagem de perfil

De Gaffe a 06.12.2016 às 16:33

Nada há em mim que não retenha uma sombra.
Sou fútil, leviana, tonta e superficial, mas há recantos perdidos, tantas vezes labirínticos, cobertos pela ausência de luz, que muitas vezes me assombram e tantas outras acarinham.

Obrigada, meu muito querido Fleuma.
Sem imagem de perfil

De Rapunzel a 06.12.2016 às 19:29

Não há nada em si de fútil, leviana, tonta e superficial. Sabe perfeitamente disso. Há sim, uma mulher inteligente e atenta a tudo o que se passa na e pela vida, seja bom ou seja mau. E como todas as pessoas inteligentes, essas coisas deixam pequenas marcas, ou se preferir, pequenas sombras, que consegue expressar de forma rara pela escrita.
A parte leve e divertida é outra parte de si, também extremamente importante e que a caracteriza. É a mulher elegante, sofisticada e parisiense.
Há poucas Gaffes, mas ainda bem que encontrei uma.
E agora, se faz o favor, não me responda de forma seca, directa, lacónica e sucinta, como às vezes faz quando não sabe como reagir a um elogio. Faça-o da melhor forma que sabe e que tão elegantemente a caracteriza:
Merci.
A Gaffe sabe perfeitamente que é encantadora...
Imagem de perfil

De Gaffe a 06.12.2016 às 23:22

Repare que não considero necessariamente mau ser-se fútil, leviana ou superficial. Tudo depende da inteligência com que o somos.

É curioso referir a minha particularidade francesa. Todo o meu lado materno é francês. A minha bisavó, a minha avó e a minha mãe são mesmo genuinamente parisienses e eu vivi grande parte da minha curta vida nessa cidade estrondosa. Fico contente por ter herdado esse "je ne sais quoi".

Relativamente ao modo como sente que reajo aos elogios, acredite que se pareço fria ou lacónica não é propositado. Aprendi que um elogio é um amável superlativo que devemos minorar de forma a não nos sentirmos maiores do que somos - é sempre deselegante -, assim como os vitupérios apenas provam que somos bem maiores.

Obrigada.
Sem imagem de perfil

De Rapunzel a 07.12.2016 às 01:49

Esteja tranquila que nunca se sentirá maior do que aquilo que realmente é. A ideia que transmite é de que sabe quem é e quem não é. O que quer e o que não quer. E nunca, mesmo nunca, é deselegante, seguramente, nem que o tentasse...
:))

P.S.-Apesar de ser uma rapariga esperta, assumo as minhas lacunas, tive de procurar o significado de vitupério. Tem de escrever a sua biografia, tenho aprendido imenso consigo.
Fora de brincadeiras, estas avenidas têm sido um enorme divertimento para mim. Um serum mental. Depois de um longo e consciente período de reclusão social física e mental, foi muito bom para mim, começar a comunicar consigo, coisa que nunca faço e em mais sítio nenhum da blogosfera.
Talvez tenha sido o texto que me recordou a casa da minha avó paterna. O que quer que tenha sido, trouxe à minha memória partes da minha vida e infância que estavam submersas. Situações maravilhosas que de alguma forma tinham sido, francamente esbatidas, por períodos longos e complicados de dor. Também não aprecio grandemente falar neles. E o que é divinal, é sentir a necessidade de os partilhar e incluir na rotina do meu filho, porque foram tão importantes e gratificantes para mim, que quero que ele tenha o privilégio de ter acesso a eles, como eu tive. Fizeram de mim a pessoa que sou hoje, mas que andava um pouco perdida e desgastada pelo dia a dia, e pelo facto de viver há 15 anos numa cidade onde não tenho qualquer família. Neste momento, somos apenas eu e ele. É muito fácil ser devorada por um trabalhoso, e por vezes difícil, dia a dia.
A minha família não está longe, 1 hora de viagem. Todos andavam preocupados comigo, os amigos também, mas não conseguiam que eu me libertasse do manto anestésico em que estava envolvida. E de repente, sem dar conta, apercebo-me que já não estou, nem quero, estar aconchegada a ele.
Foi o somatório de muitas coisas, mas a Gaffe está, seguramente, incluída. Por isso, só me resta agradecer. Devemos sempre preservar e conviver com as pessoas que colocam a descoberto o melhor lado de nós.
Por tudo o que foi escrito, muito obrigada.
Imagem de perfil

De Gaffe a 07.12.2016 às 09:31

Não creio que tenha contribuído grande coisa para a sua "recuperação".
O que conseguiu foi por mérito próprio. Raramente são os outros que nos levantam. Quase sempre estão tombados ao nosso lado. Nos empurramos ao ser empurrados.

Fico no entanto orgulhosa por ter de alguma forma espicaçado os seus dias.

Acredito piamente que só o passado é eterno. É nessa eternidade que encontramos o efémero que vivemos.

Comentar post





  Pesquisar no Blog

Gui