Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe enciclopédica

rabiscado pela Gaffe, em 12.02.16

Afonso Cruz.jpg

Não consigo falar de um fôlego só dos meus dois amores que surgem à frente da novíssima e pobre vaga de escritores portugueses.

A obra Matteo perdeu o emprego de Gonçalo M. Tavares, é aquela que escolho para depois, apenas porque soa ainda na sala o som aquático de Afonso Cruz.

Da série Enciclopédia da Estória Universal, Mar recolhe breves pedaços de água em sal entrelaçados, intrinsecamente ligados por uma inevitabilidade que agarra de forma terrível a infância e à maturidade, atravessada, a primeira, por uma rapariga que colhe cartas de amor presas em garrafas por um músico que escreve a perdição da esperança, e, a segunda, por homens tresmalhados, como aquele que traz tatuado o céu na pele.

 

Um livro que abre com a inquietude presa a uma estupenda e crua imagem de invernia:

 

1 Um recado: “Estou lá fora, morta, não tragas a miuda”.

2 Prevaleci agarrada à mão do meu pai.

3 Ficámos os dois parados.

4 A olhar a porta.

5 O pai saiu, o bilhete caiu no chão. Senti aflição e ranger de dentes.

6 Do outro lado via-se a mãe a baloiçar no plátano.

7 O plátano não tinha folhas porque era Inverno e o Inverno extermina as folhas dos plátanos.

 

Depois, cada letra, frase, cada passo no aforismo, cada escolha de trecho a citar, enche-nos de sal e de reflexos de humanas emoções de náufragos que somos - e não ilhas.  

 

Uma obra imperdível.

 photo man_zps989a72a6.png


Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.





  Pesquisar no Blog

Gui