Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe infantil

rabiscado pela Gaffe, em 28.11.16

 

Há dias ouvi contar um episódio que me comoveu.

Um puto minúsculo passeia pela mão do pai e encontra, a dormir num banco de jardim, um rapazito sem-abrigo. Pergunta ao pai se o podem levar para casa.

O homem explica-lhe a impossibilidade de acolher o rapaz. São justificações que qualquer adulto encontra para validar a negação. Vão desde o facto de se não saber se a criança tem pais, até à possibilidade de o miúdo recusar. Acabam todas por ser embaraçosas e vergonhosas perante os contra-argumentos do filho - se dorme na rua, não tem pais, há uma cama vaga em casa, é melhor dormir num colchão do que em cima de madeira e é fácil ter um pequeno amigo novo dentro de casa que não provocará rombos significativos no orçamento burguês.

 

Não interessa o final desta quase parábola.

 

O que me comoveu foi o facto de ter percebido que é a infância que tem as soluções mais simples, mais eficazes e mais correctas para os conflitos e dilemas que se vão erguendo e aglomerando com o avançar do tempo.

Nada se tornaria mais equilibrado se uma visão infantil partilhasse a procura da resolução dos buracos negros socias e das guerrilhas de consciências adultas.

Confesso que no que diz respeito à petizada, não sou pessoana, mas reconheço que é nestas criaturas que se encontra a maior simplicidade ou a mais eficiente e eficaz das soluções.

 

Crescer, amadurecer, adultecer, tornam-nos labirintos de desculpas.

 photo man_zps989a72a6.png


Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.





  Pesquisar no Blog

Gui