Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe inundada

rabiscado pela Gaffe, em 03.04.18

FB.jpg

 

O meu tio-avô, franciscano, antiquíssimo, teólogo, filósofo, Provincial da Ordem durante décadas e um dos grandes latinistas da Península, dizia que o conhecimento etimológico de uma palavra era essencial a quem a quisesse usar de forma certa. Sem esse saber, podemos rasgar as frases que quisermos, mas escapa-se-nos demasiadas vezes a nobreza do escrito e o sentido mais profundo daquilo que urge dizer.

 

Fica provado por estas avenidas que não prestei atenção ao sábio encanecido.

 

Recordo que uma das suas palavras favoritas tinha como iniciáticas raízes cum panis que desaguou companheiro, ou seja, aquele com quem dividimos o pão.

 

É evidente que as cãs deste sábio não tiveram origem no trabalho minucioso de partilhar o pão nas redes sociais. Aqui, a mesa é sustentada por likes e a intimidade de cada um é servida em travessas de posts, não a companheiros, mas a amigos.

O interior, ou que em nós é interno, extravasa como se algures houvesse uma fissura por onde escorre o que nem sempre é aquilo que queremos, ou apenas aquilo que decidimos deixar que se saiba. Existe uma componente exibicionista neste derramar do íntimo, neste inundar do externo a nós pelo que em nós devia permanecer, que – digam o que disserem -, não é sempre eficazmente controlada e neste encharcar do externo pelo que é nosso, até mesmo a dor - mesmo aquela que exige o maior silêncio - é capaz de penacho e de lantejoula e de abrir o desfile arrastando figurantes e cartazes numa sucessão de comentários e de imojis.

Somos demasiado selfies para segurar o narcisismo da exibição e nesse irreversível destapar, nesta atracção pelo nude, acabamos com centenas de amigos indiferentes ao étimo das palavras, desde que consigam chapinhar na mesa líquida que vamos compondo até que se perceba que afinal somos a única criatura que ficou sem pão.

Só temos água.

 photo man_zps989a72a6.png

Autoria e outros dados (tags, etc)


8 rabiscos

Imagem de perfil

De Corvo a 03.04.2018 às 15:40

As redes sociais. Abençoadas sejam onde o limite vai até ao ocaso dos desejos.
Não importa sê-lo desde que se possa parecê-lo, ou fazê-lo acreditar
Não há sinceridade igual a do usuário quando mente. Se se conseguir fingir-se tê-la, a admiração está ganha e a idiolatria consagrada.
Mesa sem pão?! Que importa. Quem não vê não sabe..
Imagem de perfil

De Gaffe a 03.04.2018 às 18:40

Não serei tão pessimista, mas não posso deixar de apontar que é óptimo este seu comentário.
Nem sempre - diria mesmo quase nunca - a idolatria acontece. Estamos demasiado ocupados com as selfies.
Imagem de perfil

De Cecília a 03.04.2018 às 15:45

engarrafada? ou nem isso?
Imagem de perfil

De Gaffe a 03.04.2018 às 18:35

Enlatada. Como o ar de Fátima.
Imagem de perfil

De Gaffe a 03.04.2018 às 23:45

Há sempre.
O ar é que se torna raro.
Imagem de perfil

De Pequeno caso sério a 03.04.2018 às 22:47

Desconfio sempre de quem exibe a "felicidade " on line. A felicidade não se mostra, vive - se e pronto.
A mesma coisa com os "amigos" . Quando verdadeiramente precisamos temos apenas...água.
Imagem de perfil

De Gaffe a 03.04.2018 às 23:44

Até porque ser-se feliz não faz história. Só as grandes infelicidades conseguem ter narrativa. A felicidade é muda, cega e surda.

:)

Comentar post



foto do autor