Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Ilustração - Fernando Vicente


A Gaffe jogadora

rabiscado pela Gaffe, em 20.01.16

Sim-Não.gif

A Gaffe fez uma aposta.

 

David Cameron, Primeiro-Ministro de Sua Majestade Betty II, decidiu propor que sejam deportadas todas as muçulmanas a residir em Inglaterra que não aprendam inglês custe o que custar e rapidinho. Dos muçulmanos não há notícia. São as burkas e os véus não poliglotas que causam transtorno.

 

Por um lado, a Gaffe considera uma medida ajuizada que António Costa deveria adoptar, deportando a inglesada vestida de hippie que no Algarve a viver há mais de vinte anos, vai sobrelotando a lota à procura de feishe  - única palavra portuguesa que conseguem pronunciar. Muniam-se os algarvios de paus com pregos na ponta para empurrar esta gentinha suspeita que os obriga a falar como o Zezé Camarinha e a esbardalhar nos menus fevers, a tradução das suas boas fêveras.

 

Por outro lado, a adopção desta medida pelo governo português, para além de implicar a deportação da senhora Directora do Museu de Serralves - que dá entrevistas em inglês para português ver, porque a única palavra portuguesa que conhece é exactamente Saurrrrauva -, obrigaria a uma requisição de transatlânticos, submarinos e paquetes de luxo, despesa incomportável nesta conjuntura.

 

Por um lado, sim. Por outro lado, não.

 

A Gaffe ganhou a aposta! Conseguiu imitar Marcelo Rebelo de Sousa.   

 photo man_zps989a72a6.png


8 rabiscos

Imagem de perfil

De Psicogata a 20.01.2016 às 16:30

Por isso é que devemos impor-lhes o português.
Lido com alguns deles no trabalho, residem em Portugal, compram produtos portugueses e exigem que as empresas tenham informações na língua deles!
Não há pachorra.
Acho muito bem que os portugueses aprendam outras línguas, é um aspeto interessante da nossa cultura, pena que quem escolhe Portugal para viver encare a língua do país que os acolhe como um acessório dispensável.
Imagem de perfil

De Gaffe a 20.01.2016 às 16:46

O inglês globalizou-se.
Não há qualquer inconveniente em saber falar a língua, antes pelo contrário.
O resto depende da forma como somos portugueses.

Comentar post





  Pesquisar no Blog

Gui